quinta-feira, 3 de março de 2011

Eu apoio Pedro Baltazar

Escrevo este texto enquanto sócio 6095 do Sporting Clube de Portugal e antes de serem conhecidas listas e nomes que serão apresentados pelo candidato Pedro Baltazar.

Entendo que o Sporting precisa de uma ruptura séria, geracional, de novos quadros que gostam do clube e que não estão ligados aos últimos anos.

Já elogiei o trabalho de comunicação que tem sido feito com Godinho Lopes, mas ontem li três entrevistas dele e não sei onde de onde vêm os 100 milhões de que fala nem como manterá a coesão naquela lista que é um autêntico saco de gatos, ou será que a inocência de Godinho Lopes não o fará compreender que Rogério Alves e outros à primeira bola na trave serão os primeiros críticos do treinador ou jogadores que não escolheram?

Godinho Lopes defende-se com Moniz Pereira, um nome que todos temos de estar eternamente agradecidos, e em Luís Duque. Godinho Lopes fala de um treinador «misto de Mourinho e Guardiola», mas foi Duque que com José Mourinho apalavrado se acorbadou perante uns jovens e uma senhora e não teve coragem de o contratar.

Godinho Lopes representa o baronato que aprisiona o Sporting há muitos anos. Ontem corria uma nova alcunha para ele: «o pai do fosso». E é verdade. Ele foi o pai de um estádio mal construído e que hoje é um fosso em linhas gerais.

Ontem li um excelente artigo de Alberto do Rosário no Record, sublinho o seguinte: ««Este baronato sempre que se aproximam eleições, movimenta-se, implacável e em todas as frentes, na defesa da excelência das listas de consenso, a bem da unidade - a sua - do clube. Ou seja, venha mais do mesmo. Nunca em qualquer empresa a geração de 60 anos fez qualquer mudança digna desse nome. Chegou a altura da geração dos 40 anos demonstrar o seu amor ao Sporting».

Eduardo Barroso na bola dava sinais de apoio a Pedro Baltazar dizendo, em linhas gerais, ele que não é especialista em banca, que qualquer presidente do Sporting obriga a banca a falar com ele. O Sporting precisa da banca, mas a banca precisa de um Sporting forte, de cara lavada e ambicioso.

Entendo que Pedro Baltazar tem condições de fazer a ruptura, foi hábil ao anunciar Zico (apesar de o treinador que eu escolheria seria Muricy Ramalho, mas Zico é sportinguista de berço e é um nome aglutinador e de nível mundial com exibições memoráveis da equipa que comandou o Fenerbace) e espero que continue hábil ao conseguir integrar a candidatura de Bruno Carvalho (de que tenho gostado mas a quem falta notoriedade e força na comunicação) e convidando João Rocha Jr para o apoiar.

E deixo uma dica: o candidato que apresentar o melhor Presidente do Sporting que eu conheci, João Rocha, numa comissão de honra vai ganhar as eleições.

1 comentário:

  1. De acordo em quase tudo, excepto quanto ao último parágrafo: lembra-se de como estava o Sporting quando o João Rocha deixou a presidência?

    ResponderEliminar