sábado, 31 de março de 2012

Comentários sobre televisão nos jornais

Confesso que uma das razões porque me dá gozo, diariamente, a leitura do DN, para lá dos motivos profissionais, é a coluna de opinião sobre televisão do mesmo.

Joel Neto e Nuno Azinheira são excelentes comentadores, fazem-no com gosto, sabem do que falam e escrevem bem. No Correio da Manhã tambem gosto do Joaquim Letria.

Uma das coisas que mais me intriga como leitor de jornais, é porque os outros meios não apostam nestas colunas. São colunas que têm leitores e criam seguidores, pois o que se passa no universo televisivo é o que continua a ter mais relevância mediática.

O Público abandonou, o Sol desistiu, o Expresso nunca entrou nesta opção. É pena. Julgo que é algo para as direcções reflectirem.

A lei de Leonardo Jardim

António Salvador é um grande presidente e Leonardo Jardim é um magnífico treinador. Acresce a este facto, que Jardim tem uma família toda sportinguista e ele próprio assumiu quando era treinador do Beira-Mar que o seu sonho era treinar o Sporting.

Deixo aqui, retirado do Bruno Prata, as leis fundamentais de Leonardo Jardim expressas num colóquio:

- Liderança- estratégia GALO (Gestão Andando de um Lado para o Outro). Dentro das instalações do clube, pois não tem o hábito de ligar o computador nem ficar ao telefone com empresários

-Relação com a Administração- «só tenho reuniões pontuais para rever estratégias e dar conhecimento do que se passa»

-Relação com colaboradores- «engraxo quem está abaixo, o roupeiro, o massagista, não o chefe. Escuto, escuto, escuto»

-Relação com os jogadores- «gostam de ser reconhecidos e temos de gerir os egos»

Deus está aqui!

Mais uma excelente prosa do José Luis Nunes Martins.

Armas de atracção maciça

A mulher sempre utilizou os seus recursos. Neste estudo, descobrimos para a área de recursos humanos a constatação de que são todos os dias utilizadas armas de atracção maciça...

sexta-feira, 30 de março de 2012

Guerra de alecrim e manjerona no PS

É certo e sabido que quando há míngua de poder nos partidos do arco governativo, há sempre quezílias internas e instabilidade. Foi assim no PSD nos tempos de Guterres e Sócrates, será durante muito tempo assim no PS, nesta estranha coreografia entre Seguro e Costa.

Comunicação política despida de subtilezas

Pois, é assim Pedro Passos Coelho. Fala verdade, sem ardis, por muito que nos custe ouvir. Basta ler.

Partners: a agência de publicidade do ano

A Partners foi a grande vencedora dos Prémios Criatividade da Meios&Publicidade, como pode ler por aqui.

Mais que merecida distinção para a maior agência portuguesa de publicidade, já galardoada internacionalmente e com um passado de vitórias que sustentam o seu trabalho para presente e futuro. Parabéns Susana, Pedro, Lourenço e Tomás.

quinta-feira, 29 de março de 2012

O caso inexplicável da medição de audiências televisivas

Num mercado televisivo concorrencial, uma décima nas audiências é muito importante. Com a alteração da empresa que estudava e apresentava os resultados das audiências televisivas, rapidamente caíu o Carmo e a Trindade.

Para o lugar da Marktest, entrou a GFK. Empresa credível e a que mais acertava nas sondagens políticas apresentadas na televisão em dias eleitorais (apresentava-se com o carimbo Intercampus).

Mas uma coisa são estudos de mercado, outra coisa é meterem-se num campo em que, se calhar, não estavam devidamente preparados. A RTP esperneou, ao perder uma enorme fatia do seu público, por causa do novo critério de estudo apresentado. Agora, bate a TVI com a porta.

O que vai acontecer? Talvez novo concurso, mas durante uns tempos vai ser impossível aos anunciantes saberem, com credibilidade, que audiências têm realmente os programas onde decidem investir em publicidade.

Bom marketing do Sporting

No balanço que fiz de um ano de Godinho Lopes, já tinha chamado a atenção para o facto de que desde que saiu o sr. Carlos Barbosa, o marketing do Sporting está mais dinâmico, mais agressivo, mais atractivo.

Fico satisfeito que seja assim e, portanto, elogio o papel de Francisco Lopes, director de marketing do Sporting, e também da agência de publicidade que tem trabalhado o meu clube, a Draft FCB, do meu amigo Luis Silva Dias. Depois do magnífico vídeo antes do jogo com o Manchester City, agora mais uma bela acção com Sá Pinto no centro das atenções e nos jornais a campanha «venha ver o nosso Metal mais precioso: o Sporting».

Uma das bíblias da comunicação e marketing, a Briefing, dá destaque a este facto, vejam por aqui.

Don Draper amável e paciente

É assim que relata a crónica do início da 5a temporada de Mad Men.

A entrevista a «Paços Coelho»

Quando uma televisão comete um erro tão grande, qualquer mensagem fica manchada pelo disparate de quem a cometeu. No caso, a tv generalista que faz este rodapé. Era ridículo, se não fosse tão grave. Mais importante: o Pedro Passos Coelho, saíu-se bem da mesma.

quarta-feira, 28 de março de 2012

O mundo com menos humor

Em poucos dias foi Chico Anysio, hoje é Millôr Fernandes um dos maiores génios do humor em língua portuguesa. «Como são admiráveis as pessoas que nós não conhecemos bem», dizia ele.

Os portugueses não conhecem muito de Millôr, mas no Brasil a sua prosa era reconhecida.

«Não devemos resisitir às tentações: elas podem não voltar». millôr não volta, mas frases como esta ficam.

Aponte os seus inimigos no Facebook

O Mark Zuckerberg e a sua equipa para lá de mexerem numa coisa que era engraçada, mas que agora está pior com a cronologia, ainda vêm com invenções. Agora, pelo que leio aqui, será possível apontar os inimigos. Os senhores não perceberam que isso era dar-lhes importância. Pessoas inteligentes não o fazem.

Estreou-se ontem a 5a temporada de Mad Men

E foi um sucesso. Em breve junto de si num canal Fox.

Fidel e o Papa

Por acaso adorava ouvir esta conversa. Um a falar de mulheres e charutos, de que sempre gostou, o outro de teologia e do Senhor. Um que toda a vida teve luz, outro que é um homem de bastidores e só velhote saltou para a ribalta

terça-feira, 27 de março de 2012

Comam chocolate, pois emagrece

Eu adoro as notícias e estudos sobre nutrição que são feitos. São verdadeiras manobras de comunicação.

É beber um copo de vinho ao almoço que faz bem, um whisky também não é mau e agora, lê-se por aqui, o chocolate emagrece.

Um ano de Godinho Lopes

Como em outros sectores, julgo que um ano é uma meta suficiente para se fazer um balanço de actividade de uma gestão. Godinho Lopes está há um ano na presidência do Sporting e as minhas palavras tentarão mostrar em 3 partes (Positivo, Negativo e Conclusão) uma análise justa do que se passou neste ano. É um texto longo, mas simples.

1- Positivo

.Aquando dos seus primeiros 100 dias de gestão, disse que tinham sido positivos esses tempos. O Sporting estava balcanizado, resultado de um processo eleitoral conturbado e de contornos suspeitos por incompetência de alguns. Nos primeiros cem dias, Godinho tentou integrar e trazer um discurso de racionalidade para serenar os ânimos que o Sporting necessitava. Foi a melhor fase de Godinho Lopes.

.Disponibilidade total do presidente no contacto com os núcleos e com as comunidades sportinguistas. Julgo que já correu milhares de quilómetros de norte a sul visitando e convivendo com dezenas de núcleos que vivem intensamente o nosso clube, apesar de estarem mais longe de Lisboa.

.Abertura a uma política de preços nos bilhetes que se adapta aos difíceis tempos que vivemos. Fora um ou outro caso pontual, é barato ir ver os jogos do Sporting e isso é de saudar.

.Estádio mais cheio de adeptos, fruto, numa fase inicial das boas exibições e depois, do facto Sá Pinto. Mas é agradável ver o nosso estádio mais composto.

.Cumpriu com a realização e apresentação da auditoria. Mas não totalmente (e essa parte estará umas linhas abaixo no negativo).

.Godinho Lopes, e é um factor importante nos dias de hoje, não se furta a responder a quem o contacta directamente. Seja de viva voz, por mail ou sms. E com educação e elevação.

.A sua equipa trouxe melhores jogadores depois de um forte investimento (mas isso também tem a sua vertente negativa).

2- Negativo

.Em um ano não se nota a liderança de Godinho Lopes. Defendo um modelo presidencialista, forte, contra diversos poderes e capelinhas e no Sporting nunca se impôs a nova liderança. Nos rivais, as figuras de proa são os respectivos presidentes, no Sporting a figura mais forte é, de longe, Sá Pinto. Godinho Lopes tem um perfil de "second man" e não de líder. E o Sporting precisa urgentemente de um líder.

.Em campanha, Godinho Lopes prometeu 100 milhões para o Sporting. Ninguém os viu, não colocou um cêntimo do seu bolso, ninguém viu investidores. Pelo contrário o Sporting endividou-se mais junto da banca, cerca de 40 milhões, para investir no futebol, com fortes encargos, como sabemos para o clube.

.O grande problema do Sporting é tesouraria. E isso está longe de ser resolvido. Os bancos cortaram, hoje, de vez com o clube e andamos a vender às pinguinhas o pouco que temos, nomeadamente passes de jogadores, para pagar aos atletas e funcionários.

.Godinho Lopes apresentou uma lista que era a que mais conhecia a realidade do clube, teve informação privilegiada da banca, foi o seu candidato, foi o ungido, especialmente, do BES e do Millenium, portanto, sabia muito bem a grave crise em que o Sporting estava. Não tem desculpas por não ter arranjado soluções. O Sporting não negociou a dívida nem os altos encargos da dívida com a banca e isso é lastimável.

.Relativamente à sua lista, hoe todos vemos que é fraca. A equipa directiva é fraca. O melhor elemento tem sido Paulo Pereira Cristóvão, de resto os outros não existem. Alguém se lembra que foi apresentada uma vice para as mulheres e juventude chamada Daisy Ulrich? Pois bem, onde anda a senhora? Que intervenções teve e que andam a fazer os outros elementos da direcção para lá do controlo do que pensam livremente os adeptos?

.Ainda sobre a propalada "equipa maravilha", vimos a deserção de um elemento, Carlos Barbosa, de quem hoje já ninguém fala, pois ninguém tem saudades. Quando assim é, sabemos que não fazia falta. Aliás, foi ele o grande responsável pela perda do discurso desta direcção. Ao princípio, sempre cautelosa e racional, até que um dia o sr. Barbosa diz que «para o ano o nosso campeonato é com o Real Madrid, Barcelona e Ajax». E isso aumentou as expectativas dos adeptos para esta época, marcando decisivamente uma época que deveria ser de transição e de fundamentação de alicerces para o futuro no futebol.

.Foi prometida uma revolução no marketing e comunicação. E nada disso aconteceu por pura incompetência do mesmo Carlos Barbosa que pôs e dispôs na fase inicial. Desde que saiu, o marketing nas mãos de Francisco Lopes melhorou bastante. Já quanto á comunicação, o Sporting não tem qualquer força nem influência no universo mediático. Já várias vezes mencionei que a directora de comunicação não tem qualquer competência para o cargo. Dizem que é «voluntariosa». Meus amigos, a minha mãe é sportinguista e voluntariosa, não é por isso que daria uma boa directora de comunicação do nosso clube. Se as coisas continuam mal nesta área, hoje, o total responsável é Godinho Lopes. E o Sporting não está em estado de, por caridade, dar mais de 3000 euros a uma rapariga que não tem qualquer credibilidade nem experiência para ali estar.

.Futebol: muito dinheiro investido, mas estamos longe da disputa pelo que desejamos: o campeonato. Temos melhores jogadores? Sim, claro. Mas o passivo também subiu e se não formos à Liga dos Campeões a próxima época não sabemos como a iremos preparar. Para lá disso, esses mesmos melhores activos têm sido cruelmente para o clube vendidos mês a mês a fundos, ficando o Sporing com partes ínfimas dos mesmos.

.Depois, o Sporting envolveu-se e apoiou uma solução para a FPF, actualmente com poder na arbitragem. Pois bem, Godinho Lopes foi enganado ou deixou-se enganar, o Sporting tem sido, desculpem o termo, "toureado" por uma classe que tem adulterado a verdade no futebol português. Hoje, Godinho Lopes e o clube não têm credibilidade para atacar a arbitragem, apesar de todos os erros que têm subsistido, pois apoiou Vitor Pereira para a liderança desta vergonhosa classe.

.A saída de Domingos, de quem não era fã, foi uma página negra desta gestão. Um atentado de carácter a um profissional. Quem o fez não sabe o que é o Sporting. Não estamos satisfeitos, despedimos, mas com honra e com dignidade. O Sporting é uma maneira de estar na vida, não é um antro de fontes anónimas e de gente sem classe, quem o fez devia ter sido despedido.

.Foi prometido um pavilhão, não sabemos quando irá arrancar. E a solução Pavilhão Atlântico, que foi em tempos pensada, esvaíu-se.

.Foi apresentada uma auditoria às contas desde josé Roquette. Mas não foi uma auditoria de gestão, foi uma auditoria de branqueamente em que parece que não há responsáveis pelas diversas decisões que lesaram danosamente o nosso clube e o lançaram para a beira do abismo. É necessária uma auditoria séria para ver quem foram os pulhas que se serviram do Sporting para os seus negócios e para tratar da sua vida. E esses, no mínimo, deviam ser expulsos do Sporting.

.Uma outra página negra. A passagem da SPM para a SAD. Um negócio suspeito, que transforma a SAD não só num foco de interesse desportivo para investidores, mas coloca-a também como alvo de cobiça imobiliária, pois foi passado o direito de superfície. E muito grave, apenas com um obscuro comunicado de imprensa, sem ouvir os sócios, sem sequer uma sessão de esclarecimento. o tempo dos cheques em branco já lá vai, manobras contabilísticas no segredo dos deuses sem uma palavra aos sócios levantam as mesmas suspeitas que acontecem desde o projecto Roquette.

3- Conclusão

Não duvido que se tente fazer o melhor possível. Mas meus amigos: é importante fazer uma pergunta: o Sporting está melhor do que há um ano? Infelizmente não está.

O Sporting está sem força e sem autoridade. Está débil internamente, e está fraquíssimo junto dos poderes que comandam nos bastidores, no futebol e no universo mediático.

Godinho Lopes, hoje está provado, é uma figura de continuidade. E eu sempre fui contra a continuidade desde o abismo do projecto Roquette. Há um mandato para cumprir e assim deve ser. Mas auguro que Godinho Lopes será o último presidente da continuidade. Depois dele, virá uma nova geração, mais sportinguista e menos dependente da banca e de negócios que sempre se fizeram no nosso clube.

Não há salvadores da Pátria nem o Sporting acabará, pois é uma força viva muito forte, com atletas de eleição e adeptos, milhões, de excepção. O nosso Sporting tem futuro.

Imagine que um banco lhe chamava Marreta...

...fica o vídeo dos Marretas e do Goldman Sachs

segunda-feira, 26 de março de 2012

E se uma empresa vos pedir a password do Facebook?

Parece que é uma nova regra de recrutamento, como se pode ler aqui.

Os dramas de Lloret del Mar

Todos os últimos anos por esta altura, centenas de pais autorizam os seus filhos para umas férias em Lloret del Mar.

Todos os últimos anos por esta altura, é certo e sabido que há jornalistas portugueses enviados para ali e não faltam notícias trágicas com jovens portugueses. Como a de ontem.

Lloret del Mar, que conheço, é horrível. Não tem magia nem beleza nenhuma, a praia não é nada de especial. Este ponto, perto de Barcelona, tem sido apenas para estes jovens portugueses um local de contacto com drogas e bebedeiras.

Cá choramos a morte de mais um jovem, mas onde andam os pais com a cabeça, depois de tantas notícias desagradáveis, ao permitir que os seus filhos vão para este antro?

PR After Work de Primavera

Mais um encontro de profissionais da área de comunicação. Será nesta quinta-feira e é num local mítico de tertúlias. Para ver aqui.

domingo, 25 de março de 2012

A palavra que faltava no léxico de Pedro Passos Coeho apareceu

Aí está, finalmente, a palavra que faltava no léxico politico de Pedro Passos Coelho, como tenho escrito há meses: ESPERANÇA.

Só se suportam os esforços, se tivermos um horizonte mais optimista.

Opus Dei com Rick Santorum

Em Portugal tem-se falado muito da Maçonaria e tem-se esquecido o Opus Dei. Ao ler hoje o El Pais deparo com a ligação de Rick Santorum, candidato presidencial republicano, a esta organização que assim se mexe na escolha americana. O poder está sempre nos bastidores.

O mártir Bruno Paixão

Era só o que faltava a quem gosta de verdade no futebol, que um árbitro incompetente começasse agora a ser tratado como mártir pelos media. Para ler por aqui.

sábado, 24 de março de 2012

Um lugar onde os homens gostariam de estar...

...nos bastidores de uma campanha de lingerie. E com 3 musas portuguesas. Siga para aqui.

XXXIV Congresso do PSD

Para quem gosta de política, os congressos do PSD habituaram-nos na sua história a ser um espectáculo. Puro entretenimento. Mas no meio, as habituais tragédias gregas (como em Lisboa, em 1995, com os "sulistas , elitistas e liberais") ou os golpes de teatro (como quando Cristo desceu à Terra).

Ver entrar os notáveis no conclave, assemelha-se a ver os senadores a entrar no Senado em Roma. Depois, destacam-se os tribunos, mas há cada vez menos mestres de Oratória no PSD e com isso perde o espectáculo.

Quando o partido está no poder, os congressos, naturalmente, são mais mornos. E com as eleições directas, o espectáculo das listas e dos ataques à jugular alheia desaparecem. Mas a diferença para os outros partidos, é que os congressos do PSD têm boas audiências, os dos outros partidos não. Vamos ver neste XXXIV.

sexta-feira, 23 de março de 2012

Director de comunicação do Benfica tem agência de comunicação

Leio esta notícia da Meios e Publicidade e fico a saber algo que desconhecia. João Gabriel, director de comunicação do Benfica tem ou coordena uma agência de comunicação.

É surpreendente, não por João Gabriel não ter competência para exercer essa função, mas pelo secretismo da existência da mesma.

Uma questão de mau gosto e de fundamentalismo bacoco

É um episódio caricato que o Porto aproveitou e que o Sporting também não devia deixar em claro.

Uma professora obrigar crianças a cantar várias vezes ao dia "Viva o Benfica", para lá de uma clara falta de gosto é uma manobra típica de ditaduras «orwelianas». É bizarro que isto aconteça. As crianças não merecem.

quinta-feira, 22 de março de 2012

Lisboa parada

Fiquei atónito quando li de manhã esta notícia, que só agora está disponível. A Câmara de Lisboa investiu em equipamentos que estão prontos para utilização há alguns anos. Porém, não são utilizados. É o retrato de uma Lisboa parada e sem dinâmica, como poderá ler por aqui.

«Quer acordar ao lado de Durão Barroso?...

...livra, diria eu. É apenas uma campanha de marketing.

Adeus a Tonino Guerra

Partiu um homem que não foi estrela, mas era o que fazia falar as estrelas. Tonino Guerra foi um dos maiores argumentistas da história do cinema. O parceiro de quase todos os filmes de Michelangelo Antonioni e de alguns de Fellini. Era um poeta do cinema, um artista. Deixo uma notícia sobre ele. Paz á sua alma.

quarta-feira, 21 de março de 2012

Uma rede social portuguesa

Algo a acompanhar, é um projecto interessante e de carimbo português, o que é raro nestas áreas. Chama-se My Social Project, para ler por aqui.

Sporting Património e Marketing na SAD: uma decisão estranha

Ontem foi comunicado que a SPM-Sporting Património e Marketing será integrada na SAD do Sporting, sendo apresentadas determinadas justificações.

Para quem se preocupa mais com a bola na baliza isto pode não dizer muito, mas é muito estranho no mínimo e terá muita relevãncia para o futuro do Sporting.

Para ser mais claro, basicamente o valor do estádio e o seu direito de superfície serão integrados na SAD e através de manobras contabilísticas limpar-se-á o seu passivo que é extremamente elevado como todos sabemos.

O problema é o seguinte: temos assistido nos últimos tempos a uma busca incessante por investidores na SAD. Investidores esses que estariam interessados no futebol do Sporting, nos seus activos e nas jóias da sua formação, é essa a ideia que tem passado e não me repudia, ficando apenas por saber com que percentagem da SAD fica o Sporting Clube de Portugal. Sendo desta maneira, o centro desta opção, o negócio em si, seria apenas o futebol.

Porém com esta passagem da SPM para a SAD o foco do negócio será outro. Simples: quem comprar a SAD, os tais milionários estrangeiros, para lá do futebol agora compram também estádio e o seu direito de superfície, como consta. O centro de negócio deixará de ser apenas o futebol e entra no campo do imobiliário, o que atrairá, naturalmente, mais investidores.

E se a venda da SAD, o negócio do futebol não me choca e não sou contra (esperando apenas qual a participação do clube na SAD), já o negócio que assim pode ser criado incorporando na SAD estádio e o seu direito de superfície (se assim não for terá de ser esclarecido) contesto veementemente se ele não for ratificado pelos sócios.

Negócios destes não podem ser apresentados em comunicados de imprensa, os sócios devem ser ouvidos e devem colocar as suas dúvidas. O tempo dos cheques em branco já lá vai.

Visita aos cenários do "Padrinho"

Se for à Sicília, não se esqueça. Espreite onde andaram os actores da saga "Padrinho", que fez 40 anos na semana passada.

terça-feira, 20 de março de 2012

Grande reflexão acerca de uma peça sobre Vale e Azevedo

Prosa notável da Estrela Serrano para ler por aqui.

Bem o presidente do Sporting mas deixo uma lembrança

Godinho Lopes assumiu bem o estado de espírito dos sportinguistas, depois da vergonhosa e revoltosa arbitragem de Bruno Paixão em Barcelos.

Ontem á noite, após o jogo, escrevi isto no meu mural: é pena as agências de rating não avaliarem o futebol português. Era fácil: Bruno Paixão é LIXO.

Este cavalheiro anda há anos no futebol a brincar com a seriedade dos outros. Têm sido vergonhas atrás de vergonhas, não me esqueço da vergonha de Santa Maria da Feira em favor do Benfica, mas dele não esperava outra coisa.

Quando Jorge Sousa foi substituído na nomeação pelo cavalheiro paixão, comentei com um amigo meu que me cheirava a caldeirada e foi o que se viu. Uma lastimável arbitragem, uma falta de respeito com o Sporting que é um clube de bem e tem adeptos fantásticos que às vezes, por serem educados, não invadem o campo mas estavam cheios de vontade disso.

Este cavalheiro Paixão é daquele tipo de criaturas que só aprende à lambada. Por isso, Godinho Lopes esteve bem a pedir a sua irradiação e deve impedir que o cavalheiro volte a apitar o Sporting.

Mas quero deixar uma lembrança, pois não tenho memória curta. O Sporting e este presidente apoiou claramente Vitor Pereira para o Conselho de Arbitragem. Eu e milhares de outros pensávamos que o Sporting tinha negociado e mostrado a sua força em bastidores. Infelizmente isso não aconteceu.

Por isso também, dou a sugestão construtiva, melhor um acrescento: para lá irradiação e impedimento do cavalheiro paixão voltar a apitar o Sporting, o meu clube deve mostrar que já perdeu a confiança, se a tinha, em Vitor Pereira. Porque as caldeiradas vão continuar contra o Sporting. Prefiro estar sozinho, com os meus, contra todos. Deve ser este o nosso estado de espírito para o futuro.

Já tudo foi inventado...

...na publicidade fala-se muito nisso e é verdade. Já tudo foi mesmo inventado, só surgem revisões e renovações. Vejam o caso do Michel Teló, daquela canção "Ai se eu te pego" ou a história do dia de hoje que marca a estreia da série "Touch", com o regresso de Kiefer Sutherland.

segunda-feira, 19 de março de 2012

Lisboa em cinema

Ontem assisti a Nicolau Breyner, um grande actor em qualquer parte do mundo, a promover um filme que será rodado na sua maior parte em Lisboa.

Chama-se "Night Train to Lisbon" e junta Jeremy Irons, Lena Olin e Bruno Ganz, entre outros. Mas o que ressalta do que ouvi do Nicolau é que me parece importante. Lisboa não se tem promovido, e não tem aproveitado, na indústria cinematográfica.

E toda a gente gosta de Lisboa, assim diz jeremy Irons, da sua luz única, da simpatia das pessoas. O cinema é um campo a explorar, até porque as suas luzes da ribalta criam focos de atractividade para a nossa cidade.

sábado, 17 de março de 2012

«Amar é arriscar. Tudo»

Uma bela prosa do José Luis Nunes Martins

sexta-feira, 16 de março de 2012

Oráculo (376)

«O homem que se preocupa com o seu passado não merece ter um futuro»

Oscar Wilde

quinta-feira, 15 de março de 2012

Boa medida do Governo

É uma medida tão natural quanto útil e é boa. Falta no futuro uma Autoridade Metropolitana dos Transportes a funcionar como há duas décadas funciona em Madrid. Fica a medida que é a fusão entre Carris e Metro de Lisboa.

"Jardim do Amor": sex-shop para cristãos

Dizem que tem pudor porque evita mulheres nuas, mas explora os brinquedos sexuais para as almas cristãs. É uma notícia insólita, daquelas que suscita comunicação e reacção. Chama-se "Jardim do Amor" e é uma sex-shop para cristãos. Para quando uma sex-shop para outras religiões?...

Rei Juan Carlos de Espanha é engraçado

Nos últimos tempos ssustou os espanhóis com uma possível doença grave, depois um livro revelou centenas de amantes e uma má relação com a raínha Sofia, ainda veio mais uma notícia de que tinha tido um caso com a Lady Diana, por último o escândalo financeiro com o seu genro.

Tudo isto beliscou a boa imagem da casa monárquica espanhola, que é discreta habitualmente e cuidadosa em termos comunicacionais, como deve ser a instituição. Este momento de humor do rei é uma lufada de ar fresco e reforça a simpatia da sua imagem.

quarta-feira, 14 de março de 2012

Salazar promove Santa Comba Dão

Se há Marca que vai gerar buzz é esta. Uma terra, a dele, associar a sua Marca a uma imagem forte e controversa tem retorno mediático garantido, mas arriscado.

Álvaro Santos Pereira é um caso de fraqueza diária

Comunicacionalmente será impossível trabalhar este ministro. Acredito que quem o faça, o tente fazer da melhor maneira possível. Mas é impossível.

É uma fraqueza diária para o Governo de Pedro Passos Coelho ter este elemento. Homem que não conhecia bem Portugal, revelou uma enorme falta de jeito para a função.

O Expresso divulga esta notícia que é apenas a prova de que foi completamente ultrapassado, mas depois tentam remediar a situação. Um ministro de remendos diários torna-se uma bola de trapos.

«A China de Bruce Lee e a China de Jackie Chan»

´
«Pensamos na China como se ela estivesse no tempo de Bruce Lee. Só que agora é a China de Jackie Chan». Aprende-se muito com treinadores de futebol... A frase é de Jaime Pacheco que treina por lá.

terça-feira, 13 de março de 2012

Oráculo (375)

«Não confundas vingança com a justiça»

The Grid, série de tv

Uma vergonha no futebol: o alargamento a 18

Considero ultrajante para a credibilidade do futebol que um campeonato que tinha regras, veja as mesmas adulteradas no decorrer da própria competição.

A Liga diz que passa o campeonato a 18 clubes sem que haja descidas. Como enfrentarão os clubes o resto da competição? É que um clube em risco de descer tem de bater fortemente para isso não acontecer, assim fica livre de qualquer responsabilidade.

O quadro competitvo fica uma anedota e será um campeonato pouco sério até aofim. Vou só fazer este exercício:

O Benfica, até ao final, enfrentaria Beira-Mar, Olhanense, Rio Ave, União de Leiria e Vitória de Setúbal, dos clubes que não estão no topo.

Porto: Paços de Ferreira, Olhanense, Beira-Mar e Rio Ave.

Braga: Feirense, Paços de Ferreira, Olhanense e Beira-Mar.

Não é por nada, mas o clube assim com a vida facilitada é o Benfica que tem mais um jogo com as equipas mais em dificuldades na tabela. É uma curiosidade, mas é um facto. Os clubes aflitos até podem ficar agradecidos aesta decisão, mas é uma vergonha para o futebol português

Fenómeno Sarkozy está de volta

Nicolas Sarkozy é um político a quem muita gente torce o nariz. Como escrevi, há pouco tempo, tem sido um "bluff" no Eliseu, mas como estratega político é genial.

Dei nota num post que ainda era muito cedo para o acharem liquidado, quando estava 15 pontos atrás de François Hollande nas sondagens. Nesse post falei da estratégia genial de Sarko de conquistar o eleitorado da Frente Nacional, optando nesta fase para crescer à direita e mais tarde atacar o centro.

Começou com o slogan "França Forte", para acentuar a imagem de "tótó" de Hollande, apresentou boas medidas do agrado à classe média e começou a fazer aquilo que sabe fazer: política.

Como lerão por aqui, Sarkozy já está pela primeira vez na frente das intenções de voto. Já comeu a FN, agora atacará o centro, pois não se ganham eleições sem se conquistarem os eleitores mais moderados e centristas.

É a segunda vez na vida que concordo com Louçã

O que aqui diz está correcto. Tem sido sempre assim com Cavaco em Belém e não deve ser assim. Um Presidente da República tem o dever de maior recato.

segunda-feira, 12 de março de 2012

As presidenciais de 2016 e o desaire de Cavaco

Já começaram as sondagens sobre as presidenciais de 2016, como consta por aqui. Quero relembrar que, excluindo Cavaco, tanto Mário Soares como Jorge Sampaio nunca estiveram nos primeiros lugares das sondagens, ganharam mas não partiram com grande resultado nas intenções de voto.

Soares arrancou com 7 por cento das intenções de voto, atrás de Freitas do Amaral, Salgado Zenha e Lurdes Pintasilgo. Falta ainda muito tempo e o verdadeiro bailado ainda não começou.

Mas nesta sondagem que reproduzi em cima, chamo a atenção de 51% das pessoas que dizem que a acção de Cavaco é má. É a maior taxa de rejeição de sempre de um Presidente em funções. Os mitos em portugal têm de acabar.

O novo Público

Esperei uma semana, desde este seu novo ciclo, para poder apreciar a renovação do Público.

Confesso que gostei da renovação, o jornal tem mais leitura, a diluição do antigo P2 no jornal também é positiva. O Y manteve a qualidade e a 2, a revista de domingo, está muito boa.

Os leitores do Público querem boas histórias, profundidade de análise e os temas que interessam. Este é o móbil de um jornal de referência. Basta espreitar diariamente o El pais para se perceber o que digo.

O leitor de um jornal de referência não quer despachar a leitura do mesmo, quer envolver-se com as suas histórias e dispensa aquelas breves que servem só para encher chouriços. Assim o Público segue um bom caminho.

domingo, 11 de março de 2012

Oráculo (374)

«Os jovens procuram ser fieis e não o são; os velhos querem ser infieis e não podem»

Oscar Wilde

sábado, 10 de março de 2012

Sporting, Benfica e o Pavilhão Atlântico

Anunciei no meu blog, em primeira mão, que o Sporting esteve interessado na privatização do Pavilhão Atlântico. Fiz isso, pois sabia que não punha em causa os interesses do meu clube, uma coisa era um possível interesse, que seria positivo, outra era levantar o caderno de encargos e apresentar uma proposta.

Vem hoje confirmado no Público, na página 31, «o Sporting já admitiu essa possibilidade, mas acabou por abandonar a ideia». Nessa notícia surgem diversos empresários a confirmar a intenção de levantar o caderno de encargos, mas surge mais uma colectividade.

João Gabriel, director de comunicação do Benfica «não confirma nem desmente» interesse, mas como já sabemos, quando se responde dessa maneira é porque há coisa no ar e o mesmo jornal avança que Vieira está de olho «no Pavilhão Atlântico». Será uma negociata em perspectiva.

Marcelo Rebelo de Sousa: um garoto cobarde e brincalhão

Marcelo é um tipo divertido, foi meu professor de Ciência Política, na Católica. Era daqueles professores que chegavam quase sempre atrasados, mas os alunos esperavam por ele, pois as aulas eram boas. Entrava 45 minutos depois, peculiar, de chapéu na cabeça, a assobiar ou cantarolar.

Marcelo tem a política no sangue, mas a dos jogos florentinos de poder. Se Obélix caiu, quando jovem, num caldeirão de poção mágica, no caldeirão de Marcelo só constavam edições do "Príncipe" de Maquiavel.

Sempre teve a ambição da política, por isso decidiu atirar-se ao Tejo, corajosamente, mas depois soube-se que tomou antes todas as vacinas possíveis e imaginárias pois ele é um crónico hipocondríaco. O resultado desse banho, foi um banho nas urnas de Jorge Sampaio, dando-lhe o primeiro travo amargo da derrota e nunca me esqueço do debate televisivo em que se fez acompanhar de uma enorme e ridícula montanha de dossiers.

Depois, Cristo, perdão, Marcelo, desceu à Terra em Santa Maria da Feira, dando asas a outra das suas ambições: a liderança do PSD. Mas como sabemos, deixou o seu retrato nas paredes da São Caetano, mas, pessoalmente, o João Valentão nunca chegou a ir a votos, saindo sem honra nem glória de uma das suas cadeiras de sonho. Porque isto da política é para homens de acção, não para especialistas em cada vez mais cansativas e rebuscadas análises em prédicas dominicais.

E ainda faltava um úlimo desígnio: Belém. Ele esteve sempre à beira do passo final, mas no último momento retrai-se. Desta vez já dizia a próximos que em 2016 é que era, mas leio que Marcelo, sai mais uma vez do jogo, assumindo a presidência vitalícia da Fundação Casa de Bragança. Marcelo com medo da assombração de uma derrota fica para a História como o político que podia ter sido tudo, mas não foi.

Marcelo criou o mito que dormia 4 horas por noite, mas esquece-se de dizer quantas horas faz de sesta; Marcelo criou o mito que nadava todos os dia no Guincho, mas tenho pena que já não haja o "Tal&Qual" pois, decerto, já teria enviado um repórter durante um mês, diariamente, para, se calhar, confirmar que o professor afinal nem as ondas enfrenta; Marcelo criou o mito que é do Braga para não ferir susceptibilidades, optando pelo politicamente correcto, mas sempre foi de outro clube.

Marcelo é um garoto brincalhão que se diverte a traçar cenários, a montar armadilhas e a fazer um enorme esforço para ser simpático. Marcelo é um mito com pés de barro, como os portugueses tanto gostam. Divertido, inteligente, mas inconsequente. Marcelo é o escorpião da fábula, mas nunca pica com medo de se picar a si próprio.

Os políticos não podem cortar às cegas no essencial

«Ciclo do populismo. Primeiro, criam-se super Ministérios. Depois, diminuem-se os quadros de pessoal afetos à ação política do Governo. Antes e depois baixam-se as retribuições dos assessores e adjuntos e opta-se por não contratar consultoria externa. Agora, conclui-se que o Primeiro-Ministro foi mal preparado para o debate parlamentar».

Tudo dito por Luis Paixão Martins sobre a questão dos falhanços comunicacionais do Primeiro-Ministro no caso Lusoponte. Tenta-se cortar em tudo, mas não se pode cortar o fundamental. É como, neste caso, tirar uma parede-mestra a um prédio. Foi o que aconteceu.

sexta-feira, 9 de março de 2012

António Costa a caminho de Belém...

...quem o diz aqui é João Cravinho. Se for para fazer o que tem feito em Lisboa mais vale estar sossegado.

Merkel no supermercado

Há pouco tempo, o Correio da Manhã "apanhou" Pedro Passos Coelho no supermercado. Uma tarefa normal de um homem normal, mas como é óbvio colheu simpatias por esse gesto.

Hoje, leio aqui que a sra. Merkel foi também ao supermercado comprar alho francês, pimentos, azeitonas e uma garrafa de vinho. E diz a notícia: «E a acreditar na fotografia, a presença de Merkel não pareceu chamar a atenção dos outros clientes. Talvez porque a chanceler já habituou os alemães e levar uma vida o mais normal possível. A retribuição é uma popularidade de 64%».

Estas idas ao supermercado criam a percepção de pessoas normais nos líderes, garantem proximidade com a vida comum de quem governam. É uma arma da comunicação política.

Cavaco, o desleal, ataca outro desleal

Dá para rir ao ver o pai das deslealdades a diversas pessoas do seu próprio partido, atacar outra criatura por deslealdades. Ver aqui.

quinta-feira, 8 de março de 2012

A falta dos heróis no Sporting

O estádio de Alvalade está numa zona envolvente de um interface de transportes. Não é uma zona bonita. Mas sobretudo na envolvente do estádio faltam locais de romaria, memórias que projectem o Sporting e nos façam recordar os grandes heróis.

Falo de monumentos, de estátuas, da "memorabilia" que incentiva os adeptos a visitar essas memórias. Dou algumas sugestões:

-Cinco Violinos, a fase mais brilhante e vitoriosa do Sporting
-Carlos Lopes e Joaquim Agostinho, dois heróis e motivos de otgulho
-Estátua com os 3 melhores guarda-redes de sempre do futebol português: João Azevedo, Carlos Gomes e Vitor Damas

Ontem, li uma excelente entrevista com Paulo Pereira Cristóvão e duas coisas que mencionou me levaram a este post:

1-O regresso da mítica Porta 10A. Muitos podem não saber o que é, mas era ali que entravam e também se esperavam os jogadores. Faz sentido o seu regresso, é com este tipo de memórias que se criam subliminarmente responsabilidades e é com isso que se assustam adversários.

2-Dizer que custe o que custar, o projecto ridículo de relva artificial no Sporting (da autoria de JEBettencourt) acabou. O futebol joga-se com relva, tem de ser bem tratada, tem de ser melhorada, pois sem um bom tapete verde não há bons espectáculos. E os adeptos querem bom futebol, é para isso que pagam bilhetes.

quarta-feira, 7 de março de 2012

Oráculo (373)

«Digam-me se a democracia não tem sentido de humor?»

West Wing, série de tv

Bom filme promocional do Sporting

Trabalho de marketing, sob tutela de Francisco Lopes, bem realizado para preparação do jogo com o Manchester City. Gosto de elogiar as coisas boas do meu clube, este filme é um bom produto.

terça-feira, 6 de março de 2012

Portugal precisa de Forças Armadas?

Uma reflexão de Ramalho Eanes a acompanhar por aqui.

A nova polémica das audiências televisivas

Audiências em televisão valem publicidade e milhões de receita. Logo, é enorme a responsabilidade de quem realiza e apresenta os resultados das audiências.

Com a nova empresa que faz esse estudo, a RTP perde 30 por cento e eu até concordo com os homens da RTP. O novo universo estudado tira representação à classe entre os 55 e 64 anos, pessoas que vêem mais televisão e são mais conservadoras, sendo por isso habituais da RTP.

Mas há uma coisa que me parece certa: o banho que o Cabo dá aos generalistas é verdadeiro. Amaior parte da minha geração e a mais nova anda pelo Cabo, escolhe a sua programação, e vê séries (AXN e FOX), futebol (Sport Tv) e cinema. Essa é a verdade que os programadores das generalistas ainda não percebram, apostando nos velhos formatos.

E deixo esta interrogação formulada ontem no DN pelo Nuno Azinheira: «Quem anda ou andou a enganar quem? Quem garante aos anunciantes que estão a investir nos canais certos? Como pode um mercado em crise atrair investimento publicitário se ninguém acredita nos números? O pântano está instalado».

Obama e a guerra

Pode ler nesta peça, que John McCain defende uma intervenção americana na Síria. Sabemos, historicamente, que um presidente americano que intervém militarmente sobe nas sondagens. Sabemos, também, que um presidente americano que prolonga essa intervenção perde popularidade.

Obama tem retirado poder ao complexo militar-industrial americano. Nunca viu a América como líder do mundo, refugiou-a mais do que interveio. Obama subiu um bocadinho nas sondagens, por causa de sinais positivos da economia e por os candidatos republicanos não encantarem.

McCain lança esta ideia de ir à Síria mostrar força. Mc Cain é apoiante de Mitt Romney e um ex-herói de guerra e candidato derrotado por Obama à Casa Branca.

Obama pode ter a tentação dessa intervenção, típica da América. Se o fizer ganha pontos, mas perde a coerência na estratégia de política internacional que seguiu. Mas se não intervir, será uma arma de arremesso dos republicanos, que com a falta dela mostrarão a tibieza de Obama em termos militares e a sua falta de liderança no mundo.

segunda-feira, 5 de março de 2012

Gaspar e o Álvaro

Não há Governo que não tenha lutas de poder internas. O QREN equivale a muitos milhões, estava na tutela de Álvaro Santos Pereira, um ministro mais macio. Gaspar quis o QREN e passou por cima do Álvaro, os outros ministros não gostaram, mas o Primeiro sabe que é essencial Vitor Gaspar, Álvaro não. É simples de ler esta luta interna do Governo.

domingo, 4 de março de 2012

3 regras para se ser um bom presidente de um clube de futebol

- Ser líder e de preferência carismático

- Perceber de futebol

- Não mentir e cumprir promessas aos adeptos

Sem estas condições base, podemos ter gente respeitável e bem intencionada, mas nunca perceberão o "core" da instituição que dirigem.

sábado, 3 de março de 2012

Sugestões de fim-de-semana

Já não fazia isto há algum tempo e hoje apeteceu-me.

Livros: A Cidade dos prodígios, de Eduardo Mendoza, editora Sextante. Li quando saiu cá numa primeira edição, há muitos anos. Mendoza é um dos melhores escritores espanhóis, mas tem-se perdido em obras menores com a excepção do magnífico "Rixa de gatos", também da Sextante e que ganhou o prémio Planeta em 2010. Mas esta é a sua obra-prima, com um protagonista Onofre y Bouvila inesquecível, um criminoso que se torna um dos motores da moderna Barcelona, a não perder.

Limite, de Frank Schatzing, editora Dom Quixote. São mais de mil páginas e tem sido o meu companheiro fiel nos últimos tempos, provavelmente um dos melhores romances de ficção científica editados nos últimos tempos. É na Lua, mas passa pela China, Guiné Equatorial, Berlim ou Londres, mete crime e thriller, mas também petróleo e energias alternativas em 2025.

Pan, de Knut Hamson, editora Cavalo de Ferro; um pequeno mas genial livro, de um escritor norueguês do início do século XX e que era um dos mais marcantes da altura e ganhou o Nobel da Literatura. Uma paixão avassaladora que mistura os meios híbridos da mente com os factores da natureza.

Cinema:

Hugo - tenho ido pouco ao cinema, mas não podia perder Martin Scorsese em 3D. Não é nenhum grande filme, mas é comovente e para quem é cinéfilo como eu é uma homenagem aos pais fundadores da 7ª arte. Belo, simples, tecnicamente perfeito. Bom tempo perdido, ou ganho.

O Agiota - está à venda a 8 euros na Fnac um filme do mestre Sidney Lumet, com um papel genial do Rod Steiger que lhe proporcionou várias candidaturas a quase todos os prémios de melhor actor. Sobre um homem solitário dono de uma casa de penhores em Nova iorque, até que aparece uma senhora...

Revistas:

Sugiro a Sight & Sound deste mês, com David Cronemberg na capa, com um artigo grande sobre Mulholland Drive do David Lynch e uma homenagem a uma das minhas musas do cinema clássico, Gene Tierney, a mulher que personificou "Laura" de Otto Preminger.

Restaurante:

Sushi Fashion, para quem gosta de sushi, recomendo ali ao pé do Governo Civil este restaurante do meu amigo Luis Ferlov, que tem mais dois o Riviera e o sushi fashion do Mirage, em Cascais. Bom japonês, com qualidade.

Vieira, os árbitros e o Papa

Ontem, quando terminou o jogo entre duas colectividades, escrevi isto no meu mural: «eu gostava de saber como os árbitros vão reagir e que boicote vão fazer depois destas vergonhosas declarações de um presidente que era 'comerciante de pneus'».

O sr. Vieira disse que «não comento arbitragens» e desatou a malhar em Pedro Proença e em Vitor Pereira. E disse aquilo que eu queria ouvir: «O Pedro Proença faria um grande favor aos benfiquistas se deixasse de apitar o Benfica».

«Grande favor aos benfiquistas», repito. Pois é, é histórico, são aqueles erros inconscientes, o Benfica vive dos favores dos àrbitros há décadas (no norte também) e está habituado a essa subserviênca dos homens de negro. São os tais poderes negros do futebol português que urge exorcisar.

A seguir veio jorge Jesus e disse que o fiscal-de-linha errou conscientemente, ainda mais grave para a classe da arbitragem, mas tenho a certeza que os "corajosos" homens do apito, que auferem subsídios milionários para a realidade portuguesa, não se manifestrão como fizeram contra o Sporting.

Engraçado foi ver o esquecimento do sr. Vieira e de Jesus sobre o roubo de igreja de Bruno Paixão quando a sua colectividade foi beneficiada por um monumental roubo de igreja contra o Feirense. Aí não pediram a essa triste figura que não fizesse um favor aos benfiquistas».

PS: Critico o "modus operandi" de Pinto da Costa, chamado o Papa, em muitas coisas. Mas, honestamente, vejam como ele sabe de liderança e de comunicação. Estudem as suas intervenções nos media este ano, vejam as 3 vezes que foi ao balneário falar com os jogadores, leiam como manteve Vitor Pereira contra a vontade da plateia. O homem, efectivamente, sabe o que está a fazer.

sexta-feira, 2 de março de 2012

«A primeira vez, só com amor»

É esta a campanha para o eleitorado jovem de Vladimir Putin.

quinta-feira, 1 de março de 2012

Oráculo (371)

«Uma mulher está satisfeita desde que possa parecer dez anos mais nova que a sua filha»

Oscar Wilde

Assunto fundamental para Lisboa

«Segundo o autarca, a intenção desta ordem religiosa é abrir um espaço “onde possa ser garantida a segurança física e psíquica das profissionais do sexo», António Costa dixit. O resto da notícia pode ser lido aqui.

De facto, numa cidade que está a ser gerida com total ausência de visão global, a questão da abertura de um bordel ou de uma «safe-house», que é mais politicamente correcto o nome, é o assunto que emerge da reunião pública de Câmara de ontem.

Só fogachos mediáticos, depois, reablitação urbana ZERO, Lisboa cada vez mais suja e taxa de execução no último ano de 18%. Aí está a obra de António Costa.

Só podia ser Manuel Cajuda: «Mulher boa ou tubarão?»

«Se morrermos na praia, ainda podemos ter a sorte da última imagem ser uma mulher boa em topless. Se desistirmos, é triste morrer no alto mar e sermos comidos por um tubarão»

Manuel Cajuda em treino psicológico aberto à comunicação social