quinta-feira, 31 de maio de 2012

A falta de ordem em Lisboa

Vou dar um exemplo que todos os que vivem ou trabalham em Lisboa conhecem: é uma vergonha andarem uns andarilhos, bêbedos e drogados, com cães à solta na Baixa. Não é bom para a imagem da cidade e é naquela zona que se concentra a maior parte do turismo.

Nunca vi a Câmara de Lisboa nem a Polícia Municipal a intervir e a pedir alguma contenção. É uma cobardia política, pois tem-se medo que os ditos andarilhos vão para a televisão dizer que houve repressão e depois perdem-se uns votos.

Depois, leio aqui que os Ocupas da rua de São Lázaro se recusam a reunir com a vereadora da Habitação, que habitualmente é condescendente com este tipo de cavalheiros e noutros tempos ia fazer comícios políticos com outros Ocupas. É uma falta de ordem e respeito que nada tem a ver com a liderança que uma cidade precisa.

Por último, leio que vamos ter mais um espectáculo de Tony Carreira, na sequência de mais porcos, couves e vacas numa das artérias principais da cidade e que até está a ganhar um novo fulgor: o Terreiro do Paço. Uma manobra publicitária  de uma marca de hipermercados que o ano passado levou ao encerramento, por quatro dias, da Avenida da Liberdade. Lisboa é isto: falta de visão global, falta de ordem, gestão casuística e inúmeros actos circenses. Lá vai Lisboa...

Os relatórios de Rui Paulo Figueiredo

Hoje em dia, felizmente, tenho bons sportinguistas que me dão sugestões, ideias e informações que podem ser úteis à família leonina.

Logo pela manhã ligaram-me para me contar o que aconteceu numa rádio e confesso que não sou grande frequentador deste meio de comunicação.

Carlos Barbosa falava - não  sobre o Sporting, mas até aguardo uma sua intervenção sobre os tempos que passou no clube e a ideia que tem da actual direcção - a uma rádio sobre o processo que, em boa hora, o ACP colocou à governação de Sócrates por causa das SCUT`s. Durante a sua intervenção revelou aquilo que já indiciei em diversos posts:

Barbosa terá dito que quando foi à caixa do correio «esperava encontrar um relatório secreto de Rui Paulo Figueiredo». Esse é o problema. Tem-se falado muito de uns relatórios de um sr. Jorge Silva Carvalho, um dito espião que elaborou diversos relatórios, nomeadamente sobr Pinto Balsemão e Ricardo Costa. Uma lamentável prática pidesca de se tentar obter vantagens através de possíveis fraquezas e vida privada de outros.

Grave é que parece que isso também se passa no Sporting. No meu caso não terão muito sucesso pois sou um pequeno empresário impoluto e sou honesto e tenho carácter. E no cerne desta situação parece assim que estava este maçon da Loja Mercúrio.

Rui Paulo Figueiredo, por falta de solidariedade com um colega da direcção, ao semear notícias nos jornais contra ele, como eu denunciei, e por estas pretensas práticas - se assim acontecerem baseando-me nas palavras de Carlos Barbosa - não pode continuar no clube e os sócios devem exigir a sua demissão, que, aliás, já tarda há muito.

PS: Honra ao Carlos Barbosa, pessoa que critiquei diversas vezes, numa coisa. Julgo que quando Rui Paulo Figueiredo se tornou deputado, o antigo responsável da comunicação e marketing logo pediu que o maçon do PS saísse da direcção do clube, isso poderá estar em acta. Citando a Juve Leo mantenho: «maçons, lampiões e políticos rua» do Sporting.

O anúncio mais amador e mais estúpido do ano

É ridículo, é um facto.

Parabéns à Partners pelo terceiro prémio conquistado este ano

A Partners, maior agência portuguesa de publicidade, ganha este ano o terceiro prémio na área da publicidade. Ganhou melhor agência do seu sector nos prémios Criatividade da Meios & Publicidade; ganhou melhor agência de publicidade, por votação do público, nos prémios Marketeer; e agora leva grande prémio do Clube dos Criativos. Estão de parabéns e são uma empresa portuguesa.

quarta-feira, 30 de maio de 2012

3 leis para ser credível na política e em qualquer actividade

1- Falar verdade.

2- Falar verdade.

3- Falar verdade.

A namorada do Ricardo Costa do Expresso

Um director do Expresso tem boas fontes, conhece muita gente. Ricardo Costa é um bom director e o melhor analista político português. É inteligente, é arguto, tem boa energia e bom humor, conheço-o há muitos anos era assim que faria o retrato dele.

Leio através do Expresso que o grande especialista em clipping amador, Jorge Silva Carvalho tinha um relatório de 16 páginas sobre ele. Mais um nome a constar neste caso das secretas que mistura oportunismo, "chica-espertice" e amadorismo.

Relatório sobre o Ricardo Costa onde constam a sua vida pessoal e os seus contactos e ligações. Provavelmente, o amador do clipping, Jorge Silva Carvalho, é um "voyeur". Fanático do Marco e da Marta, da Liliana Aguiar e do Lourenço, o "tigrão da Bobadela", tudo personagens saídos desse clímax da espionagem popular chamado "Big Brother".

Assim, esse amador do clipping talvez tivesse curiosidade em saber se o Ricardo tinha namoradas giras. O meu humor serve para com acidez criticar veementemente estas práticas "pidescas", de tentar obter pontos fracos para depois obter vantagens. Esta criatura devia ser expurgada de vez e o Estado português devia processá-lo pelo mau nome e má reputação que está a trazer para os serviços secretos, que devem ser secretos e não para uso pessoal ou empresarial.

Hannibal Lecter e Clarice na televisão

O filme de Jonathan Demme, "O Silêncio dos Inocentes", foi um sucesso de público e de crítica. Anthony Hopkins e Jodie Foster são inesquecíveis nas suas personagens. Agora a televisão prepara duas séries baseadas nas suas personagens.

terça-feira, 29 de maio de 2012

Negócios do futebol e um comentário sobre o Sporting

O Sporting vendeu o titular da selecção nacional, João Pereira, antes de se iniciar o europeu por 3,7 milhões de euros para o Valência.

O Braga vendeu Yazalde (não confundir com o grande artilheiro leonino dos anos 70), que marcou 6 golos nesta época no Rio Ave, onde estava por empréstimo, por 3,5 milhões para o futebol americano.

A diferença entre quem vende mal e quem vende bem. A diferença entre quem faz gestão ao dia e não tem dinheiro para pagar salários nem subsídios de férias, e quem faz boa gestão. Agora, não tentem atirar areia para os olhos das pessoas. Não preciso de fazer mais comentários.

Damages - Sem Escrúpulos 5a e última temporada: o trailer

Uma das minhas séries preferidas, Damages-Sem Escrúpulos, estreia a sua 5a e última temporada no dia 11 de Julho nos Estados Unidos. Deixo o "trailer", curto, que traz água na boca para as patifarias de Patty Hewes (Gleen Close).

Sugestão ao meu amigo Pedro Santos Guerreiro

Considero o meu amigo e velho companheiro de jornalismo Pedro Santos Guerreiro o melhor colunista da actualidade em Portugal. Dirige bem um jornal que deve ser credível.

E a credibilidade tem a ver com seriedade e rigor na informação e uniformidade de critérios na busca das notícias. Hoje, ele abre um estilo de jornalismo: o de investigação de viagens e estadias em hoteis.

Como, enquanto leitor, gosto de uniformidade de critérios e de seriedade na informação dou as seguintes pistas a ele e ao jornalista que assina uma peça e, estranhamente, pois acompanha a câmara de Lisboa, "esqueceu-se" de outros casos.

1- Quanto gasta e em que hoteis fica António Costa quando abundantemente vai ao comité de regiões ou visita Miami, por exemplo. E esclareço: a Câmara de Lisboa é uma entidade pública e somos todos nós que pagamos, não é uma instituição com receitas próprias que entrega 73% dos seus proveitos ao Estado português.

2- Que contrapartidas - se as deu que custos tiveram para todos nós - deu José Sá Fernandes à organização do Rock in Rio, depois de ter sido convidado pela mesma para uma semana de luxo no Rio de Janeiro? E esclareço: a Câmara de Lisboa é uma entidade pública e somos todos nós que pagamos, não é uma instituição com receitas próprias que entrega 73% dos seus proveitos ao Estado português.

3- Apesar de eu considerar importante, quanto custa esta extensa comitiva na viagem de Cavaco Silva à Ásia?

São pistas que deixo pois gosto de produtos de informação credíveis e com critérios competentes de uniformidade na busca da informação. E estranho que um jornalista que acompanha habitualmente a câmara de Lisboa "não tenha sabido" das viagens de António Costa e José Sá Fernandes. A de Cavaco está à vista de todos, ainda ontem falou da Ásia.

segunda-feira, 28 de maio de 2012

Baltazar, Bruno e João Rocha

Enquanto cresce diariamente, em diversos fóruns e conversas leoninas, a contestação à direcção de Godinho Lopes e ao seu «ano zero», zero de títulos, dois ex-candidatos voltam a estar presentes na mira mediática.

Bruno Carvalho que tem mantido presença mais constante, sobretudo através das redes sociais, estará amanhã a responder, na hora, aos sportinguistas que o queiram questionar na Cortina Verde, uma das melhores páginas de apoio e debate do clube.

Pedro Baltazar, que esteve muito forte na contestação à auditoria de fachada mandada realizar por esta direcção, estará amanhã num jantar aberto onde irá falar sobre o actual momento que vive o Sporting.

É positivo que seja debatido o momento do clube. Durante um ano, a actual direcção teve paz para trabalhar e só o presidente falou em eleições, e aliás está sempre a falar nelas. Começou com a entrevista de Dezembro ao Expresso e no fim-de-semana disse que tinha de se recandidatar em 2014.

E gostava muito que o sr. João Rocha pudesse dizer umas palavras. Desde a sua presidência que o Sporting não tem um líder. Felizmente, já pode ir ao futebol, vi-o no jogo com o Bilbau e sei que foi ao Jamor. O seu sportinguismo, a sua visão e o seu apoio seriam agora muito importantes para a família leonina.

A burrice da Merkel

Lapsos que ficam para a história quase todos os políticos cometem, mas agora com as redes sociais são ainda mais empolados. A Europa depende da senhora Merkel, que nem Berlim consegue identificar no mapa, apontando para a Rússia. Para ver aqui e ter cuidado.

Eládio Clímaco e Rangel

Tinha nas minhas notas escrever sobre estes dois senhores da televisão, a sua falta de aproveitamento e os seus lamentos comuns.

O primeiro era uma das caras mais conhecidas da RTP e na nossa memória, pelo menos para os da minha geração, ficam o Festival da Canção e os Jogos sem Fronteiras, que ele apresentava.

O segundo lançou a TSF e sobretudo criou a SIC e a SIC-Notícias em tempos de boa memória, sendo uma das pessoas que mais sabe de televisão, apesar de nos últimos anos se ter colado demasiado a José Sócrates, quase em sua defesa cega.

Há pouco tempo falaram para a imprensa. Clímaco lamentou que os apresentadores mais velhos sejam «postos de lado». Rangel disse que «aqui não se valoriza a experiência, o saber e o conhecimento. Aqui, com 40 anos um profissional de televisão é velho».

É um mal geral, no meu entender. Cabelos brancos são experiência e não velhice. Em televisão, ao contrário do que se pensa, cabelos brancos valem ouro, são sinónimo de credibilidade e segurança, tanto no entretenimento como na informação.

Mas em Portugal prefere-se o mais barato, os meninos que têm a mania que têm piada ou umas meninas com um decote ligeiramente em exibição. Mal vai um País que trata mal o talento e a experiência.

Pergunta de um milhão de dólares a Marcelo?

Marcelo Rebelo de Sousa, que todas as semanas gere os seus interesses na TVI, voltou a tentar decapitar Miguel Relvas. Que, como se sabe, estará sempre mais próximo de Barroso do que do analista numa futura corrida presidencial.

Sobre Jorge Silva Carvalho e o caso das secretas que envolveu Pinto Balsemão, disse ontem isto (retiro do Público): «Já no que diz respeito ao relatório sobre Francisco Pinto Balsemão feito por Silva Carvalho para a empresa Ongoing, o antigo presidente do PSD considerou-o “um acervo de disparates que roça o ridículo e sem o mínimo de fundamento, mas grave" por haver “empresas privadas com serviços secretos a investigar privados”. “É uma coisa do outro mundo"».

Pergunta de um milhão de dólares a Marcelo: ele colaborou para esse relatório ou não? Falou com Jorge Silva Carvalho ou alguém próximo ou não?

domingo, 27 de maio de 2012

Oráculo (385)

«Sou um actor, não um político que beija bebés»

Christian Bale

Balsemão contra a PIDE da Ongoing

Ficava mal a Francisco Pinto Balsemão, um dos grandes responsáveis por termos uma imprensa livre, não se revoltar contra estes dossiers, estes clippings, estas práticas lamentáveis. A Ongoing tinha um dossier sobre ele, Balsemão vai processá-los.

Eu repudio estas práticas, repudio as pessoas que fazem disto vida, as pessoas que para agradar a quem lhes paga ou para agradar a certos poderes se dedicam a tentar arranjar podres das pessoas para obterem situações de vantagem.

O mais triste disto tudo, é que não é só a Balsemão que fizeram dossiers - e já não falo de Jorge Silva Carvalho ou Ongoing.  Outros dossiers, noutros lados, foram mandados fazer sobre gente anónima, gente que pensa e escreve livremente. Num caso, tiveram azar, o dossier era curto, a pessoa é honesta e tem carácter.

sábado, 26 de maio de 2012

Gestões de crises

Enfrentar a crise. Sempre. A todos os níveis. Crónica do José Luis Nunes Martins.

O culpado era o mordomo

É um clássico dos policiais: o mordomo ser o possível culpado. No Vaticano parece que foi. O mordomo de Bento XVI é que difundia documentos secretos, criando o Vatileaks.

"New York Times" escolhe Lisboa

Muito importante a escolha do jornal norte-americano para o turismo português, nomeadamente para Lisboa. Um mercado que se deve seduzir e um sector que deve ser vital para ajudar a ultrapassar a crise.

sexta-feira, 25 de maio de 2012

Mais um ataque do sr. Vieira

Luis Filipe Vieira sente-se acossado pelas veladas críticas internas. É um presidente sem resultados, com um investimento milionário febril e apenas a obter taças Lucílio Baptista. Para lá disso, está-se marimbando para a colectividade que conduz pois tem muitos negócios a rolar em Portugal e no Brasil.

De repente, viu uma série de pinturas nas paredes não contra ele, mas contra uns nomes ditos oposicionistas, como se alguém acreditasse que houvesse benfiquistas que perdessem tempo a fazê-lo espontaneamente.

E como é da praxe, num presidente acossado, desatou em feroz ataque a Pinto da Costa. Quero relembrar, para quem se esqueceu, que Vieira para lá de ter sido sócio do Porto, foi amigo do presidente que agora critica e nessa altura não levantava  a voz contra a «corrupção» e a «falta de verdade desportiva».

«Ainda têm a lata de falar em apagões quando a sua história foi marcada por fruta, corrupção e compadrio. O seu sucesso é e foi construído com base na maior mentira do desporto português», atacou ontem Vieira, mas esqueceu-se do seu passado e amizades azuis e brancas, numa operação de lavagem num discurso escrito para ele, pois Vieira não sabe falar de improviso e já não diz nada sem que alguém lhe escreva os discursos.

«Na vida, como nos livros, um ladrão não deixa de ser ladrão por declamar poesia, ou por ir ao Papa», Vieira, o "ex-comerciante de pneus", dixit, num bom soundbite escrito para ele dizer. Mas os discursos não apagam a memória.

Sunlover: a nova bebida da moda

Preparem-se para a bebida que estimula o bronzeado.

A principal consequência do caso Miguel Relvas

Com este caso, as pessoas ficaram a conhecer a Bárbara Reis, directora do Público. Ninguém a conhecia. O que na liderança de um jornal de referência não é bom sinal. Não sei se vende mais um jornal com este caso, mas pelo menos viram-lhe o rosto.

quinta-feira, 24 de maio de 2012

O que o seu negócio pode aprender com o sucesso do Cirque du Soleil

Útil para empreendedores. Para ler pelo Estadão.

Godinho Lopes: «falhei esse objectivo» e uma mudança

Na segunda-feira após a vergonhosa derrota na Taça escrevi num post estas palavras: «E tal como nas vitórias o presidente deve ser responsável, nas derrotas também o presidente é responsável».

Numa carta que enviou ontem aos sócios Godinho Lopes diz o seguinte: «Sofremos esta semana uma enorme decepção, com a derrota na final da Taça de Portugal. Não vale a pena ignorá-lo e cabe-me a mim, como presidente, assumir a derrota.Já expressei o sentimento de tristeza que vivi no final do jogo e que partilhei com muitos adeptos».

Fez bem. É ao assumir as derrotas que, quando tiver vitórias, elas serão mais suas e confirmo, pois estava presente, que logo no dia do jogo perante adeptos anónimos como eu, o presidente mostrou a sua decepção. E naquele momento estava sozinho, tal como esteve no camarote muitas vezes sozinho, sem o apoio dos seus pares da direcção e das pessoas do futebol.

Ontem, também, o Sporting anunciou uma mudança. Trocou o seu director de marketing e comercial, Francisco Lopes, por Valdemar Barreto. Não conheço o segundo, mas tinha boa opinião pessoal do primeiro, que tinha boa visão de mercado e da Marca Sporting, mas não conheço os seus resultados, por isso não posso fazer um balanço.

Mas quero chamar a atenção para um erro comunicacional, algo que´se tornou banal em Alvalade. Quando se contratam pessoas não se lhes pode tirar, logo no anúncio, valor. E foi o que aconteceu pois ninguém percebe nada de comunicação no Sporting. Vejam o "take" da Lusa que reproduzo e o que diz a "fonte" do Sporting:

«23 mai (Lusa) -- O presidente do Sporting, Godinho Lopes, chegou a acordo com o diretor geral comercial, Francisco Lopes, para a sua substituição por Valdemar Barreto, que passará a ter a responsabilidade por essa área.

"Esse acordo foi conseguido há duas semanas. Godinho Lopes quis aproveitar a crise de mercado para ter alguém da mesma valia auferindo metade das remunerações de Francisco Lopes", disse à agência Lusa fonte do Sporting, considerando o projeto que Valdemar Barreto tem para a área comercial como "muito interessante".

Francisco Lopes entrou para o Sporting pela mão do então vice-presidente para a área comercial, do marketing e da comunicação, Carlos Barbosa, para desempenhar o cargo de diretor comercial, trabalhando em estreita colaboração com o atual presidente do Automóvel Clube de Portugal (ACP).»

Portanto, o Sporting contratou porque é mais barato. Foi o principal critério. Isto não se pode dizer, tira valor a quem é contratado. É com estas gestões de mercearia que se esquecem que, por vezes e em muitas áreas do nosso clube, o barato sai caro. A comunicação é uma delas.

Quando a BD segue a agenda política e muda mentalidades

Barack Obama mostrou-se favorável a uma causa que os "gays" americanos pretendiam. A "Time" coloriu a Casa Branca com o arco-íris. E a BD de super-heróis está a seguir a linha.

«Na edição número 50 do "Astonishing X-Men", que hoje chegou às bancas, Northstar - o primeiro super-herói assumidamente gay da Marvel - pediu em casamento o seu companheiro, anunciado que irá casar-se (no próximo número, a editar no próximo mês) numa cerimónia a ter lugar no Central Parque, Nova Iorque», conta aqui o Expresso.

A DC Comics também anunciou que «um dos seus conhecidos super-heróis, até aqui apresentado como heterossexual, irá em breve assumir a sua homossexualidade».

Algo que irá chocar muita gente, mas são estes movimentos culturais que fazem mudar mentalidades e encarar com normalidade algo que há muitos anos era tabú. A cultura popular tem muito mais força que qualquer deliberação política.

Qual o pivot preferido dos portugueses?


Um estudo da Marktest/Kantar mas muito baseado em audiências, sem pesquisa qualitativa de vertente emocional que é a que liga mais os telespectadores aos pivots.

quarta-feira, 23 de maio de 2012

O último episódio de "House"

Dizem que ele se defrontou com os seus demónios. Para os fâs lerem por aqui.

Avozinhas serão o próximo fenómeno pop


O festival da Eurovisão tem perdido a sua mística, muito à conta do voto electrónico que permite aos países de leste, desde há uns anos para cá, quase sempre ganhar. Este ano o que irá marcar será um grupo de senhoras vetustas, ditas Avozinhas, que se posiciona para ganhar. Vão ser um fenómeno pop.

Obrigado sr. Manolo Vidal e infelicidade de Godinho Lopes

Sá Pinto disse no domingo, após a derrota na Taça, que era um dia de luto para os sportinguistas. Não foi. Foi "apenas" uma vergonha. Dia de luto é quando morre um leão. Dia de luto carregado para a família sportinguista é quando morre um grande leão.

Partiu o sr. Manolo Vidal, pessoa respeitada globalmente pelo universo leonino, pelo seu fervor, pelo seu desprendimento, pelo seu amor ao clube. Foi atleta, director da formação, e director do futebol profissional. Tendo sido campeão e amado pelos jogadores com que trabalhou.

Fui aos meus arquivos e relembro esta troca de galhardetes com Pinto da Costa, e que falta faz ao Sporting quem saiba fazer tiradas curtas e acutilantes, em vez de discursatas e de ideias recebidas em I-Pad.

O sr. Manolo, no ano 2000, atacou Pinto da Costa por vitórias do Porto com falta de verdade desportiva. Este respondeu com graça: «Lo que señor Manolo Vidal diz, no me apoquenta nada, porque es muy bom chico». Manolo retorquiu com classe e piada: «apreciei as suas frases em espanhol com um ligeiro sotaque siciliano. Todavia, foi mesmo uma delícia ouvir esse senhor falar espanhol».

Era um bom homem, simpático mas discreto, de contacto fácil, como são, habitualmente, os grandes homens. Era um sportinguista ferrenho, que defendeu sempre o clube e não um comissionista como hoje parecem ser todos os homens do futebol. Se calhar, por isso, era um homem à antiga e eu gosto dos homens à antiga.

PS: Godinho Lopes teve ontem um momento infeliz. Para lá de ser o único presidente - provando que não é um homem do futebol - que não falou na reportagem alargada sobre Jorge Mendes, deixando o assunto a Carlos Freitas, provando também que ninguém percebe nada de comunicação no clube, pois seria boa "media" a sua presença, disse o seguinte hoje reproduzido pelo Jogo: « O objetivo é ir à Liga dos Campeões [2013/14], embora isso não dependa só de nós».  Não presidente, um líder sabe que depende só de nós. O sr. Manolo Vidal nunca diria isso. O Sporting é o Sporting.

100 anos de Nelson Rodrigues

Tenho pena que os portugueses conheçam mal a obra de Nelson Rodrigues. Há pouco tempo vi um ex-ministro, Campos e Cunha, a perguntar numa livraria se «não tinham nada do Nelson Rodrigues». Nunca é tarde para o conhecer. Deixo a prosa do Arnaldo Jabor.

terça-feira, 22 de maio de 2012

O momento do Benfica

Escusam logo de comentar que o meu clube não está melhor, pois sou obrigado a concordar, mas o Benfica por causa do caso Paulo Pereira Cristóvão e pela derrota leonina na Taça de Portugal tem passado entre os pingos da chuva de alguma crispação interna.

Não sendo adepto dessa colectividade, gosto de ver o momento dos rivais. E o Benfica também está em depressão. Investimento milionário, entreposto de jogadores (onde chegaram a coabitar 5 laterais esquerdos no início da época), ambições de Champions League, mas apenas mais uma taça Lucílio Baptista.

Este ano o mais notável desta colectividade foi o lançamento de uns preservativos com a sua marca e uns descontos numa funerária, de resto pouco se passou por ali.

Depois, Luis Filipe Vieira parece estar mais motivado para os seus negócios do que para os assuntos do clube, onde passa muito poucas horas por semana. E nota-se que há pouco benfiquismo naquela estrutura. Retirando Rui Costa e Shéu, as peças-chave Domingos Soares Oliveira, João Gabriel, Jorge Jesus e Paulo Gonçalves, nenhum é desse clube, sendo apenas profissionais pagos a peso de ouro.

Não há uma oposição a manifestar-se porque os estatutos blindaram de alguma maneira o poder instituído, mas há muita contestação, muitas clivagens e um latente descontentamento com Vieira que se recandidata ao fim de vários mandatos e poucos títulos. Se fosse no Sporting, já tinha sido corrido.

O seu patrão está a vê-lo nas redes sociais...

...ou a tentar obter informações sobre si se procura recrutar.  Uns conselhos úteis via o Estado de S. Paulo.

O valor da amizade é o mais forte "networking"

Por vezes há pactos silenciosos, também há obediências secretas, mas a amizade não tem preço. Uma amizade constrói-se, vive-se e cresce com o tempo.

Com mais amigos cresce a nossa força, a nossa reputação. Com essa solidez fraterna cresce o nosso potencial de "networking", uma palavra muito usada nos negócios.

Duvido sempre de quem diz que não tem inimigos. Se assim é, é porque alguém é pouco relevante. Tal como ter ego é bom, ter inimigos não é nada mau.

Ser respeitado é uma benção. Ser temido é uma benção suprema. Ter amigos é estar na paz dos deuses. Estas palavras foram motivadas por este interessante estudo que convido a ler.

Clint Eastwood por ele próprio

Um duro que se tornou uma lenda e um enorme cineasta visto pelo próprio, pelas suas próprias palavras.

segunda-feira, 21 de maio de 2012

Marcelo e uma das suas pulhices

O professor Marcelo é aquele senhor que ao domingo faz umas prédicas cansativas na TVI. E é aquele senhor que faz ali política como quem não quer a coisa. Onde parecendo um tipo porreiro, engana os portugueses fazendo as coisas seguindo os seus interesses pessoais.

Já uma vez lhe fiz o verdadeiro retrato, Marcelo engana quem quer ou se deixa enganar. É um hipocondríaco que faz de Maquiavel para gozo do seu umbigo.

Ataca Miguel Relvas e pede a sua demissão. Numa pessoa de espírito livre até podia ser justo, mas em Marcelo não é. Miguel Relvas nunca apoiará Marcelo para o seu desígnio de Belém e nesta tentativa de decapitação esqueceu-se de explicar isso aos portugueses. Que vá pregar para outra freguesia. na minha não me engana.

Falta de cultura de vitórias e a promessa cumprida de Godinho Lopes

 
Passou despercebida a muita gente esta frase: «Vai ser uma grande festa do futebol, e tenho a certeza absoluta de que a Taça é nossa. Tenho a certeza». Esta frase foi reproduzida pela Bola e é de uma nulidade que ganha mais de dez mil euros/mês no Sporting e é apenas uma correia de transmissão do BES, o sr. Nobre Guedes, que nem assim se chama verdadeiramente.
Foi uma enorme decepção a derrota de ontem, uma desilusão para os adeptos e tinha crianças e jovens atrás de mim na bancada a chorar. O Sporting é um gigante no divã. Um clube que é uma potência desportiva, com adeptos incansáveis no apoio, mas onde por um fatalismo tão existente na sociedade portuguesa está sempre QUASE a atingir objectivos.

O Sporting esteve QUASE a ganhar a Taça. O Sporting esteve QUASE na final da Liga Europa. O Sporting esteve QUASE a chegar ao terceiro lugar. O Sporting (no tempo de Peseiro) esteve QUASE a ganhar o campeonato e esteve QUASE a ganhar a Taça UEFA no seu próprio estádio. O Sporting esteve (este ano também) QUASE na final do Andebol e esteve QUASE na final do futsal.

Vou dar um exemplo, o Porto esteve muito tempo sem ganhar, mas a partir do momento em que ganhou semeou-se uma senda de vitórias e cimentou-se uma mentalidade campeã. No Sporting isso nunca se conseguiu.

Falta liderança, falta culto de vitórias. Godinho Lopes ontem dizia, e disse-me a mim também que o confrontei na cara, nas bancadas, que «estou naturalmente triste, tal como todos os adeptos. Não vou fazer qualquer promessa, mas apenas dizer que estou solidário com os adeptos».

É isto. Pronto. E passe-se à frente que para o ano há mais. Mas há mais sem responsabilidade, sem dinâmica e sem crença, com uma direcção desunida e em paz podre, fruto das escolhas que Godinho Lopes fez.

E tal como nas vitórias o presidente deve ser responsável, nas derrotas também o presidente é responsável. Não é o Polga (que tem de sair do clube) o responsável por angariar investidores, por contratações, por liderança que não existe. É o presidente e que deve cumprir o mandato para que foi eleito, pois os mandatos são para se cumprir até ao fim. No entanto, mantenho que desde João Rocha o Sporting não tem um líder e Godinho Lopes não é um lider.

Mas é um presidente que cumpriu pelo menos uma promessa: disse que este ano ia ser o «ano zero» (de um clube centenário, relembre-se). E foi. Foi o Ano Zero de títulos no futebol. Tem muito para reflectir com os seus pajens da política e da Maçonaria (e gostava de saber se o Rui Paulo Figueiredo angariou mais elementos na direcção, nos últimos tempos, para a sua Loja).

O Sporting está de volta apregoaram no início da temporada. E está. De volta ao divã, com os seus conflitos internos, na própria direcção, e em depressão, sem força de campeão e com uma liderança desnorteada. Isto não é o Sporting.

"Political Animals": série que aguardo com expectativa

No dia 15 de Julho estreia nos Estados Unidos outra série que aguardo com muita expectativa. Chama-se "Political Animals".

Vem com o carimbo de Greg Berlanti, criador de "Everwood" e "Irmãos e Irmãs", dois dos melhores melodramas que vi serem criados para televisão. Mas sobretudo tem Sigourney Weaver no principal papel e a Carla Gugino, a "Karen Sisqo", que é uma das mulheres mais atraentes do pequeno ecrã.

Weaver é uma Secretária de Estado e líder de uma família que sempre se dedicou à política, ambiciosa e com os poucos escrúpulos de quem tem ambição de poder. Deixo aqui o trailer de lançamento.

Um café com nome de fadista

Imagine que tem um nome, nome esse que começa a criar notoriedade e boa reputação, e sem lhe dizerem nada começam a usar o seu nome num produto.

Agora imagine uns senhores que lançam uma marca de um produto, que não devem ler jornais ou ver televisão, e metem no mercado o dito produto com o nome de uma pessoa que começa a mostrar talento e a gerar boa media na sua actividade. Você gostaria?

Há uma fadista jovem e talentosa, a Cuca Roseta. E há uns senhores de Celorico de Basto que lançam uma marca de café chamada Cuca Roseta. Acreditam nisto? Pois é verdade, como pode ler por aqui.

domingo, 20 de maio de 2012

Mudança de estado: de solteiro para casado

Em semana de entrada na bolsa do fenómeno mundial, o Facebook, vamos ver se Mark Zuckerberg, que casou, altera o seu estado na rede social que criou.

sábado, 19 de maio de 2012

Caíu a lenda de Vidal Sassoon

Todos conhecemos muitas lendas, que se tornaram golpes publicitários ou manobras de marketing e comunicação, que afinal eram apenas manobras. Deixo a do penteado de Mia Farrow, hoje aqui no El Pais, a cargo de Vidal Sassoon que não aconteceu.

O grupo e os "eus"

Prosa de sábado do José Luis Nunes Martins

sexta-feira, 18 de maio de 2012

Só falta o sangue e sexo de Spartacus no metro de Lisboa

Porque as lanças parece que há, nesta acção do canal Fox.

A festa da Taça

A Taça de Portugal é a competição que mais chega a todo o País, que mexe com mais atletas, que chega a clubes de divisões inferiores.

É na Taça que aparecem heróis, os "tomba-gigantes" e a possibilidade de os maiores clubes visitarem terras que não constam do mapa futebolístico tradicional.

Há muitos que criticam a Federação, há muitos anos, por a final se disputar no Jamor e ainda gozam chamando-lhe o Estádio Municipal de Oeiras. Mas é ali no Estádio Nacional que se reunem condições para um clima de verdadeira festa entre os clubes presentes e os seus adeptos, por causa dos espaços circundantes.

Este ano é uma das finais mais bonitas possíveis. Sporting Clube de Portugal frente a uma agremiação simpática e histórica por onde passaram grandes e respeitáveis nomes do nosso futebol. Espero que seja um bom jogo e com um vencedor verde e branco.

Mas a verdadeira festa é antes do jogo, com os lanches, porquinhos a assar, grades de cerveja, que juntam várias gerações num alegre convívio. Isto é a Taça.

O Álvaro reconheceu dificuldades e fica-lhe bem

O ministro Álvaro Santos Pereira decidiu jantar com uns bloguers. Movimento normal, e até de louvar, pois é importante o contacto com quem faz opinião nas redes sociais, hoje, se calhar, tão importantes na gestão de reputação, como os media tradicionais.

Conta o Alex neste post, que o ministro falou de parte do trabalho que tem desenvolvido mas teve a humildade de lhes perguntar por que é que a mensagem não passava. Pois eu vou explicar e dar uma solução em aberto.

1- Foram erros sucessivos no começo do Governo e a percepção pública que o ministro não conhece bem Portugal e é fraco. Quando comparado com o ministro das Finanças, por exemplo. Estes dois ministros são vitais no momento que Portugal atravessa. Gaspar apareceu amparado, o Álvaro desamparado.

2- Provavelmente tem de ouvir mais opiniões de quem é especialista em comunicação. Vou dar um exemplo, e de borla. Ao contrário do que lhe sugerem, mal, de, por vezes, sair de cena para o proteger, é nos momentos difíceis que um ministro tem de aparecer. No dia em que a taxa de desemprego atinge mais de 14 por cento, tem de aparecer publicamente, no controlo da situação, a dizer que está a envidar todos os esforços nesse combate e apresentando uma medida concreta.

3- Como solução, não sei se gosta de futebol pois esteve muito tempo fora de Portugal, mas apareceu na final da Taça Lucílio Baptista (não sei se o ministro percebe esta ironia). Os clubes portugueses, quando algo corre mal, usam uma coisa chamada chicotada psicológica. Tivesse perguntado isso a alguns desses bloguers e era capaz de chegar à solução...que fica em aberto.

quinta-feira, 17 de maio de 2012

CSI Miami e CSI Nova Iorque canceladas

A de Horatio Caine e os seus tiques repetitivos, olhares de lado para mulheres e crianças e sempre agarrado aos óculos já só fazia sucesso fora do EUA, a de Nova iorque nunca foi uma unanimidade. A CBS decidiu cancelá-las. Pode ler por aqui e mais umas novidades.

Sporting dá 5 mil euros de prémio aos jogadores pela Taça

Leio que o Sporting vai dar de prémio aos jogadores, pela vitória na Taça de Portugal, cerca de 5 mil euros.

Numa equipa que nada ganhou, e julgo que qualquer jogador ambiciona títulos, tem salários em dia e os jogadores são bem pagos, se for dado este prémio, os jogadores deviam agarrar nesse dinheiro e dá-lo à Fundação Sporting.

quarta-feira, 16 de maio de 2012

Oráculo (384)


«Tomar conta do mundo exige também muita paciência»

Clarice Lispector, em "Água Viva"

Árbitros fora da Federação

Acho que é uma boa ideia da FPF estudar uma fórmula de evitar as múltiplas suspeições na arbitragem. Isso passará, como noticia hoje o Record, por um modelo de uma empresa fora da tutela directa das instâncias do futebol.

O modelo inglês, comandado pelo ex-árbitro Keith Hackett, é o que está em equação e julgo que seria benéfico para a imagem do futebol português.

terça-feira, 15 de maio de 2012

«O século 21 vai ser uma bosta mesmo»

Só podia ser do Arnaldo Jabor esta excelente crónica

As "ditas" eleições antecipadas no Sporting

Não sei se vai haver eleições antecipadas ou não. O site do clube deu-se ao trabalho de desmentir uma série de notícias hoje publicadas, mas eu não conheço o fundamento delas, apenas sei que a direcção convocou uma reunião para quinta-feira e há final de Taça que é um dia de festa para os sportinguistas.

Entendo que os mandatos são para cumprir até ao fim, sempre assim o escrevi, e só em caso de falta de quórum ou por erros graves á vista de todos se devem pedir eleições antecipadas, como aconteceu com José Eduardo Bettencourt, um dos piores presidentes do Sporting com uma liderança caricata e resultados desportivos abaixo do medíocre.

Na actualidade, durante este ano e pouco de mandato de Godinho Lopes, não me lembro de qualquer ex-candidato ou personalidade leonina com peso mediático ter pedido eleições antecipadas. Então por que é que se fala nisto? Por culpa única e exclusiva de Godinho Lopes e parece que as pessoas têm memória curta. Só vou falar de factos e não de suposições:

1- O pontapé de saída no assunto eleições antecipadas foi dado pelo presidente na sua entrevista ao Expresso, em final do ano passado. Aí, com algum excesso de confiança, motivado pela recuperação que a equipa comandada por Domingos Paciência vinha fazendo, disse que com investidores que já estava a procurar, mas ainda não encontrou pelo que sabemos, nem precisaria de fazer campanha eleitoral com novas eleições.

2- Cito (com a devida vénia à Cortina Verde, que republicou): «Se não estivéssemos a atravessar este momento desportivo e institucional teria provocado eleições». Quem disse isto? Godinho Lopes, em entrevista ao Record no dia 21 de Abril (o site do clube não desmentiu, por isso é verdadeiro).

3- Desde o caso Paulo Pereira Cristóvão que saltaram à vista dos sócios todas as querelas internas e desunião no seio da própria direcção. Colegas que colocaram notícias nos jornais para enterrar outros colegas, clivagens pessoais, politiquices e sociedades secretas. Elementos da direcção que já não estão (Duarte Galhardas e Daisy Ulrich) e elementos da direcção que neste momento nem vão ao clube e deveriam ir. Um saco de gatos como se disse por alturas das eleições, quando se criticava o elenco da lista do actual presidente e, neste momento, o tempo provou que essas críticas eram verdadeiras.

Então deixo a questão: se há esta desunião visível no seio da direcção, quem fez esta equipa? Um líder escolhe a sua equipa, é responsável por ela, mas hoje dou por certo que Godinho Lopes não conhecia a maior parte dos elementos da sua lista quando a constituiu. Se não foi ele que a escolheu, então temos de saber quais foram os interesses que se moveram para determinados nomes constarem neste elenco directivo.

Se houver eleições antecipadas, amanhã ou daqui a um ano, e acho mal que assim seja, sublinhe-se, pois eleições no Sporting enfraqueceriam o clube, voltaria o folclore do costume e mais um «ano zero», tenho a certeza que Godinho Lopes teria na sua equipa Aureliano, Nobre Guedes, Ricardo Tomás e Rui Paulo Figueiredo (abutres e maçons, estranhamente ficavam), e o resto sairia.

É tempo de alguma paz no clube. Estou um bocadinho cansado destes folhetins e neste caso é a direcção que tem dado gás a tais "ditas" eleições antecipadas. Os sócios, como sempre, corresponderam em massa ao apelo no apoio total das nossas equipas de leão ao peito. Uniram-se, bateram recordes de assistência no futebol, mas não deixaram de estar atentos á gestão do clube. É tempo de se trabalhar e se prepararem vitórias e não de clivagens e guerras internas, a que os sócios são alheios.

A série mais pirateada do ano

Grande série a «Guerra dos Tronos». Mas interessante o motivo, explicado por um especialista, pelo qual isso acontece. As cadeias de televisão não podem esquecer outras plataformas.

segunda-feira, 14 de maio de 2012

A vénia de Mourinho aos seus jogadores

Um líder é respeitado pelos seus. Um líder respeita e é agradecido a quem comanda. A vénia de Mourinho é um grande momento de comunicação e uma afirmação de liderança.

CEO da Yahoo afastado por mentir

Um bom exemplo e que se fosse levado à prática em Portugal ia conduzir a muitas surpresas.

domingo, 13 de maio de 2012

Oráculo (383)

«Se queres conhecer-te, observa a conduta dos outros. Se queres compreender os outros, olha para o teu próprio coração»

Schiller

«Maçonaria, lampiões e políticos fora de Alvalade»

Tenho abordado por diversas vezes o tema da Maçonaria e da política no Sporting, e até em maior número de vezes no meu mural do facebook, como muitos se lembrarão.

O Sporting é o Sporting. Quem está no Sporting é para o servir e isso é uma das maiores honras que um verdadeiro sportinguista pode ter.

Acho que quem é peão da Maçonaria, nomeadamente da Loja Mercúrio, e de qualquer seu projecto de poder, deve ser varrido. Quem se serve do Sporting para ambições políticas deve ser varrido.

Não tenho qualquer influência nas claques, mas ainda bem que há outros sportinguistas, anónimos como eu, que estão atentos às movimentações destes abutres que são meros títeres de sociedades secretas e escravos da sua ambição de fazerem carreira política.

O título do meu post faço-o com a devida vénia à Juve Leo, que ontem exibiu tarja assim e a foto já circula nas redes sociais: «Maçonaria, lampiões e políticos fora de Alvalade». Subscrevo e agradeço.

sábado, 12 de maio de 2012

O meu adeus de infância ao Bernardo Sassetti

Nunca é bom sinal quando a minha mãe me liga de dia. Senti que ela estava a tremer ao telefone, por isso era notícia triste que aí vinha. Não esperava que o Bernardo partisse tão cedo, pois tanto tinha ainda para dar.

Vi magníficos textos de personalidades da nossa cultura, ontem, sobre os seus últimos 25 anos de vida, onde a sua carreira fica como um marco indelével para a música portuguesa, ele que tinha tudo escrito nas estrelas para ser um génio. E já o era.

As minhas palavras são sobre os seus primeiros 15 anos de vida. Foi o meu melhor amigo na ´pré-primária e primária, numa escola privada, à antiga, e tanto que elas fazem falta, a Escola de Santa Teresa do Menino de Jesus, na rua da Imprensa Nacional. Eu morava na Praça das Flores, ele na D. Pedro V, numa casa fantástica, no último andar, com muita luz e uma vista absolutamente espectacular sobre toda a Lisboa.

O Bernardo era uma pessoa especial, um bom rapaz, sempre o foi, nunca foi um bom aluno, porque era, diziam, aéreo. Mas julgo que não, pois desde miúdo era a maneira de ir recolhendo sinais e influências que mais tarde fariam parte das suas composições.

Conto uma história desse seu lado "aéreo". A escola era católica, por isso fizemos a primeira comunhão lá pelos nossos 7 ou 8 anos de idade. Eu, filho único, era obrigado a ser cumpridor e não faltava à catequese. O Bernardo com 5 ou 6 irmãos, por vezes estava-se marimbando.

Quando chegou o dia da primeira comunhão, na Igreja de S. Mamede, o padre perguntava aos meninos: «de quem gostam mais?». E os meninos "não aéreos", como eu, deviam responder de «Deus e dos pais». Assim o fiz. Chega ao Bernardo, «de quem gostas mais?;«do Rui Cristóvão» (o meu segundo nome). A igreja desatou a rir.

E para lá de um dia que levámos os dois, por um disparate qualquer não nos parávamos de rir, uma valente chapada da Celeste, nossa professora, e fomos castigados com uma hora de pé junto ao quadro, lembro-me das brincadeiras em minha casa e na casa dele.

A casa dele, com imensos irmãos e ainda um dálmata, era um turbilhão. Casa enorme, com imensas janelas, muitas delas abertas em poderosas correntes de ar, era já uma casa de música. A nossa professora de música era a Elisa, sua tia. O Bernardo vinha com os genes de Luis Freitas Branco e recordo o seu pai, descendente de Sidónio Pais.

Era um homem que estava sempre a ler na sala e a ouvir, muito alto, ópera, que fluía por aquela casa onde uma série de miúdos estava em festa, corria por todo o lado, jogava futebol com caricas, brincava às escondidas e ainda do outro lado da casa ouvia outras músicas. Era uma loucura saudável e de boa energia. Uma fonte inspiradora.

Eram os meus pais que hoje mantinham mais contacto com o Bernardo, e ele gostava muito deles. A última vez que estive horas a falar com ele foi num avião. Não estava cheio, vínhamos de Frankfurt, de ligações diferentes, e pedimos para ficar juntos.

Ele continuava igual. Bom rapaz, com o mesmo riso de criança, inspirado e sonhador, ainda acreditava na bondade dos homens. Eu, mais cínico, talvez por não lidar profissionalmente com a arte, mas conviver com o melhor e o pior da natureza humana.

Ele sabia que eu era jornalista e de comunicação. Eu sabia que ele era um génio. Falámos muito de uma paixão comum: o cinema. Mas eu ao pé dele sentia inveja, porque génios há poucos e tão boas pessoas como ele são raras. Que pena que te foste embora Bernardo.

sexta-feira, 11 de maio de 2012

Príncipe Carlos apresentou o tempo na BBC

Muitos dizem que o boletim metereológico se engana muitas vezes. No ãmbito das comemorações dos 60 anos da BBC, o príncipe Carlos deu as novidades para o tempo. Interessante movimento comunicacional, só não sabemos se acertou nas previsões.

Liga de Honra perde patrocinador

Há poucos dias escrevi que o presidente da Liga, Mário Figueiredo, poderá ser uma anedota de curta validade no futebol português. Reforcei essa ideia, com a liguilha para um alargamento que ele prometeu aos clubes e que irá evidenciar ainda mais as debilidades financeiras dos nossos clubes.

Leio agora que obteve já um presente: a Orangina vai deixar de ser patrocinador da Liga de Honra. Mas deixo a justificação da Marca para essa decisão: «a marca não estará a ter o retorno pretendido com o investimento feito neste patrocínio, estando também descontente com os escândalos em torno da modalidade, razões por que deixará cair o patrocínio, deixando de dar o naming à II Liga». Sem mais comentários.

quinta-feira, 10 de maio de 2012

Eike Batista compra metade do Rock in Rio

Interessante esta notícia. Um dos homens mais ricos do mundo, com participações em diversos negócios, e que se interessa por uma Marca consolidada apenas porque gosta de Rock e acha que este evento é bom para promover o Rio de Janeiro e o Brasil.

quarta-feira, 9 de maio de 2012

Turismo e cultura para a agenda mediática no futuro

Há dez anos atrás, o universo mediático ouvia falar de "verde", ecologia e sustentabilidade e era a moda que proliferava. Porque a agenda mediática tem temas que se impõem quase por moda.

Depois, foi o empreendedorismo e a competitividade internacional das empresas portuguesas que marcou e ainda continua a perdurar, nomeadamente nos económicos

A seguir, foi a responsabilidade social e causas relacionadas com ela, algo que é fundamental em termos de comunicação para marcas e empresas.

Auguro que nos tempos futuros serão dois os temas a criar moda: o turismo, que já diariamente faz notícias, e que é vital para a economia portuguesa, e a cultura. Um tema ainda a explorar melhor pelo sector de Conselho em Comunicação.

«Eu não minto, não engano nem ludibrio os portugueses»

Diz Vitor Gaspar, mas esta é daquelas afirmações que fica para a história da comunicação política...e para o arquivo. Por acaso, até acredito que o eremita das Finanças é sério. Vamos ver no tempo.

Oráculo (382)

«O mundo não tem sentido sem o nosso olhar que lhe atribui forma, sem o nosso pensamento que lhe confere alguma ordem»

Lya Luft, em "Perdas e Ganhos"

Presidente da Liga de Futebol é a nova anedota portuguesa

Eu não conheço Mário Figueiredo de lado nenhum e julgo que a maior parte das pessoas também não o conhecia quando venceu, supreendentemente, as eleições para a Liga.

A maior parte das pessoas do futebol, no início dessa campanha, dava como certa a vitória de António Laranjo. Homem experiente e respeitado pelo seu trabalho na organização do Euro-2004 e que contava com o apoio dos três grandes.

Mário Figueiredo ganhou a Liga pois como é sabido prometeu que este ano ninguém desceria de divisão, promovendo-se assim um alargamento que alteraria, por completo, a verdade de uma competição quando ela já decorria. O que seria ridículo.

A seu tempo, bem, a Federação chumbou esta promessa, exactamente porque não fazia sentido e Fernando Gomes é um bom gestor e os bons gestores têm bom senso. Mas Mário Figueiredo não podia desiludir quem votou nele e avançou para a peregrina ideia da Liguilha e um alargamento do próximo campeonato.

A Liga a que preside viu este ano a vergonha do União de Leiria, um caso que foi gozado por toda a Europa e que se mantém como uma novela degradante para o futebol português. A Liga sabe que há mais clubes em dificuldades, incumpridores e sem receitas. Mas quer alargar o campeonato para 18, provavelmente, apenas para agradar a quem votou em Mário Figueiredo, mas que não beneficiará nada o futebol português.

Depois lança na comunicação social estas manobras de spinning, deixo o link, com uns títulos que tentam reforçar a imagem de Mário Figueiredo. Tipo «Liga endurece requisitos». Mas meus amigos, num País onde a Justiça e o que é, e a Justiça no futebol ainda pior é, acreditam que vai acontecer alguma coisa aos incumpridores?

Estas notícias semeadas por uma agência de comunicação tentam enganar os parolos, mas convinha mais que Mário Figueiredo se deixasse de manobras vãs, falasse verdade e se preocupasse mais com o futebol português e menos com a sua imagem. A sua proposta de alargamento para 18 é uma anedota e o senhor arrisca-se a ser a próxima anedota, com curto prazo de validade, do futebol português..

terça-feira, 8 de maio de 2012

Grécia a cortar com o FMI, como seria por cá?


Extrema-esquerda grega diz que acordo com FMI é nulo. Como seria em Portugal?

Lisboa no top dos melhores destinos europeus

É sempre boa notícia, até porque ficamos à frente de Veneza. Lisboa está em 11º lugar. Um trabalho do Turismo de Lisboa, muito importante, e que deve ser continuado.

Soares incendiário

Nesta fase da sua vida, Mário Soares continua activo. O que é de saudar, pois é um homem que ficará sempre na história de um Portugal livre e democrático. Mas a sua vitalidade e intervenção cívica por vezes pecam. Este é um caso evidente. O PS romper com a troika seria péssimo para Portugal e para o próprio PS.

segunda-feira, 7 de maio de 2012

Vasco Granja morreu outra vez

Tenho muito respeito pelo Vasco Granja e não estou com nenhum sentido de humor macabro. É apenas para dar nota sobre os efeitos das redes sociais.

Um dos homens que mais divulgou a BD em Portugal, morreu em 2009, mas a notícia da sua morte foi das mais lidas on-line esta segunda-feira. Tudo por um erro do Expresso, que depois foi propagado nas redes sociais. São os efeitos virais. A história fica aqui toda contada.

Novidades da temporada americana de séries

Para ler aqui, as séries renovadas, as canceladas e as em equação das grandes cadeias de televisão americanas.

Miguel Relvas e a comunicação do Governo


É visível que tem havido dificuldades de comunicação do Governo, até um amador as consegue vislumbrar. É um Governo de coligação e isso poderia dificultar as coisas, mas não é o caso, pois no campo político o Executivo tem sido um bloco coeso, apenas com umas clivagens mais fortes no final de Agosto, mas que não foram do conhecimento público e já foram devidamente ultrapassadas.

No campo comunicacional, há duas pessoas que conhecem melhor e têm mais sensibilidade para o universo mediático e também para a «mão invisível» da comunicação (pois não é só na economia que existe esta «mão invisível», como dizia Adam Smith): Paulo Portas e Miguel Relvas. Mas estando o primeiro com tarefas nos Negócios Estrangeiros, é ao segundo que compete estar mais atento a estas coisas.

Sou amigo do Miguel há muitos anos e desejo-lhe sempre o melhor, como assim deve ser com os amigos. Ele conhece bem os media, conhece as pessoas das agências de comunicação, sabe bem os tempos comunicacionais, conhece as campanhas que se fazem por vezes com a «mão invisível»  de que falei.

Enquato fui jornalista de política (até 2001), ouvi sempre dizer que o PS é um partido mais solidário e o PSD mais individualista. Não sei se assim é, agora acrescento que o PSD é um partido de memória mais curta.

Este Primeiro-Ministro teve uma fase de ouro comunicacional, que foi após a sua derrota nas directas do PSD, para Manuela Ferreira Leite. Nessa fase foi aí que construiu as bases para o seu sucesso e vitória posterior. Ele, Pedro Passos Coelho, e o seu braço-direito, Miguel Relvas, sabem bem quem os ajudou, com amizade, lealdade, competência, profissionalismo, discrição, sem pôr notícias nos jornais e a título gratuito, mas às vezes parece que estão esquecidos.

Foi a fase do Construir Ideias, plataforma que juntou sociedade civil e muitos independentes. E alguém, por acaso, discreto e leal, escolheu este nome; foi a fase em que Pedro Passos Coelho ficou a conhecer melhor, e deu-se a conhecer, em almoços nunca noticiados, por lealdade e discrição, a líderes de opinião, directores de jornais e jornalistas, e a decisores, e alguém esteve com ele nesses almoços.

Por isso, considero bizarro que o Miguel Relvas ainda não tenha percebido que, às vezes, em determinados momentos, e apesar de algumas solidariedades oriundas de sociedades secretas, há pessoas e entidades que só por eles trazem má comunicação e a «mão invisível» não perdoa.

Dou um exemplo: Álvaro Santos Pereira é um ministro débil, acrescido pelo facto de conhecer mal Portugal e os portugueses, mas o Governo permitiu que seja uma agência de comunicação próxima da Maçonaria, dirigida por um maçon, a trabalhar com ele. Tem trazido má imprensa, de per si e por isso o ministro tem sido dizimado nos media tradicionais e nas redes sociais (aliás, como tem acontecido também com Mário Figueiredo, presidente da Liga, que também trabalha com essa criatura).

E para reavivar a memória pergunto: nessa fase de afirmação de Pedro Passos Coelho, que mencionei, onde estava essa agência? Pois bem, a trabalhar, quase em exclusividade, com José Sócrates, a sacar centenas de milhares de euros ao Estado em adjudicações directas (como aquela famosa da inauguração de um trecho de estrada no Alentejo. Mas se me chatearem muito, e até já se deram a trabalho de criar um perfil "fake" no Facebook só com amigos do PS - o que é natural - para me tentar chatear no meu mural, eu publico as adjudicações directas todas do tempo de José Sócrates e reitero a questão sobre quem são os accionistas dessa agência).

Muitas críticas têm sido feitas ao Governo. Mas por vezes esquece-se que não é este Governo o responsável pelo actual estado de crise que vivemos, está a lutar como pode contra a herança deixada por Sócrates. Logo, é bizarro, como disse, o que referi anteriormente e determinadas criaturas não podem ter livre entrada nem na São Caetano nem no Governo, pois trazem o carimbo de José Sócrates, trazem má imprensa e o Miguel Relvas é sensível a estes fenómenos.

Há que distinguir solidariedades e lealdades pessoais de outro tipo das mesmas. Porque como terminava o livro de Voltaire, com essa personagem optimista chamada Cândido: «é preciso cultivar o nosso jardim».

Benfica ao ataque à arbitragem, Sporting calado

Basta ler a primeira página da Bola de hoje. É o próprio jornal que faz este sub-título: «Benfica num dos mais ferozes ataques à arbitragem».

Quem dá a cara é uma vez mais João Gabriel, director de comunicação do Benfica, que pela sua força e credibilidade profissional, que a tem apesar de eu não gostar muito da figura, é primeira página e entrevista. Diz ele:

«Título do Porto é um tributo dos árbitros»
«A classificação deste campeonato está aldrabada»
«Não temos de mudar de treinador, temos é de mudar de árbitros»

O Sporting este fim-de-semana foi roubado por um vaidoso artista da arbitragem, que com as suas habilidades meteu dois jogadores na rua, Da parte do Sporting ninguém reagiu. E não me venham cá com «blackouts» da SAD, pois o clube não é a SAD e há muita gente que podia ter veementemente criticado Pedro Proença. E acrescento estas notas:

1-Não me lembro de nenhum director de comunicação do Sporting ter tido esta capacidade de choque e de protecção do clube que João Gabriel ostenta. E um director de comunicação serve para isto e não para fazer «press-releases» nem para se fazer caridade de 4 mil euros com ele. Deve estar na linha da frente, ao ataque ou defesa do clube.

2-Continuamos a esperar sentados pela reacção dos árbitros às diversas intervenções que João Gabriel e o Benfica fizeram contra eles este ano. Onde estão o boicote e as greves dos senhores de preto a esta colectividade?

3-Este ataque de Gabriel é também um exercício de "spinning". Com este ataque à arbitragem tenta proteger-se Luis Filipe Vieira, cada vez mais contestado na Luz. Um presidente que é um fracasso, com investimentos milionários na equipa de futebol e que só vai somando taças Lucílio Baptista. Um presidente preocupado com os seus negócios e que muito pouco tempo passa ou raramente vai ao clube que dirige. Desvia-se as atenções da falta de resultados e da contestação interna com os árbitros, mas esse é também o papel de um director de comuncação.

domingo, 6 de maio de 2012

"Rei" Mourinho entrevista e manchete do ABC

São quatro páginas, da 94 à 98, hoje no ABC, um dos três maiores jornais generalistas espanhois e exactamente o que está mais próximo dos meios monárquicos. Por isso, esta é a entrevista ao novo monarca do futebol espanhol. Deixo vários trechos:

Manchete/Primeira página: «Não sou politicamente correcto, sou um jovem de 49 anos»

Objectivo: «Importante não é treinar o (Real) Madrid, mas sim ganhar com o (Real) Madrid»

O convite de Florentino Perez: «Sou um enamorado do Inter e dos jogadores com quem ali trabalhei. Mas Florentino conseguiu seduzir-me com o seu projecto, com a sua mentalidade. E disse-me que a minha carreira ficava coxa se não treinasse o (Real) Madrid»

Modelo: «Se vais para Itália e jogas como em Inglaterra, não ganhas. Se vais para Inglaterra e jogas como se faz em Espanha, não ganhas. Se vens para Espanha e jogas como em Itália, não ganhas. Chegas a um País do qual nada conheces e tens que vencer. Deves estudar adversários, culturas, idiossincrasias, a cultura do teu próprio clube e as características dos teus jogadores»

O que faz o sucesso: «talento é fundamental, mas a emoção, a ambição e o coração não são menos importantes»

Melhorias: «A grande maioria dos meus jogadores são melhores que eram antes de trabalhar comigo»

Liderança: «O exercício de liderar é difícil. Tens que estimular e deves ter duas caras»

A bicada em Guardiola: «O que não é normal é vender uma imagem de perfeição e depois, no final, nenhum é perfeito. Eu nunca vendi a imagem de perfeito. Nunca tentei esconder os meus defeitos. No futebol e na vida, ninguém é perfeito»

Os jovens e Mourinho: (respondendo à pergunta porque os jovens se sentem atraídos por ele) «Porque sou um jovem de 49 anos. Os miúdos sentem a minha força, o meu carácter, a minha ambição. Uma pessoa que transmite vontade de viver, que não é politicamente correcto. Uma pessoa que luta pelas liberdades. Estou-me marimbando que me dêem quatro partidas de suspensão se quero dizer uma coisa»

Deus: «Eu estou bem com Ele. E penso que Ele também está comigo».

Sarkozy e Hollande

A França toma hoje a decisão final sobre quem a vai conduzir. A França é um gigante em estado letárgico, uma dívida de 90 por cento do PIB e um desemprego de mais de 10 pontos.

Mas mais do que do político, a França está cansada do homem Nicolas Sarkozy. É esse o fenómeno de repulsa e é raro numa eleição o político com o maior índice de rejeição ganhar. Hollande é um banana sem carisma, mas herda o Eliseu porque nunca é a oposição que ganha uma eleição, é quem está no poder que a perde.

Eu sempre gostei de Sarkozy, sobretudo pela sua capacidade estratégica de acção política e o seu sentido comunicacional, mas isso é o meu ponto de vista, e eu trabalho em comunicação. Porém, foi exactamente na comunicação que falhou.

Quando transformou os assuntos do Estado - e o amor dos homens de poder é um assunto de Estado - numa novela de revistas cor-de-rosa e na sua frequente companhia de milionários e gosto pelo luxo.

Sarkozy não é tão mau como o pintam hoje. Ao Guardian, um analista francês dizia que Sarko «não parece feito da massa de que devem ser feitos os Presidentes franceses». No último debate o actual inquilino estoqueou Hollande com esta: «De Gaulle e Mitterrand também não eram homens normais». Mas como diziam, «Sarkozy parece estar sempre a esforçar-se para ser mais do que os outros pensam que é».

Sarkozy é um hábil político, como provou nas últimas semanas, mas não foi um bom presidente. Hollande nunca governou nada na vida, é um político de penumbra, desprovido de carisma e com alma de amanuense. Agora, graças à sua companheira que o aconselha, perdeu 12 quilos, pintou o cabelo e usa óculos rectangulares.

Parece pouco e muito pouco se sabe dele. Mas a Europa vai depender muito desta eleição e Hollande é uma incógnita.

Sentimentos para sentir, pensamentos para pensar

Prosa sempre simpática do José Luis Nunes Martins

«Forward»

É esta a palavra que será a assinatura de Barack Obama no combate contra Mitt Romney. Lembro que, desde a II Guerra Mundial, só dois presidentes na Casa Branca foram batidos em eleições no fim do primeiro mandato (não incluo Gerald Ford que não foi directamente eleito). Um Republicano: George Bush (pai). E um Democrata: Jimmy Carter.

sábado, 5 de maio de 2012

Assunção Cristas e o Álvaro

O Expresso apanhou bem a contradição e fez  manchete. Sobre a operação do Pingo Doce, o Álvaro (Santos Pereira) disse que eram «acções normais». Assunção Cristas replicou: «estas práticas não são admissíveis».

Já tinha dito à Meios & Publicidade, que me pediu análise sobre a comunicação do Governo, que Assunção Cristas era um «bom produto mediático», mas além disso dá mostras diárias que é uma boa política e com muito futuro. O Expresso diz dela hoje, dando-lhe sinal positivo, «está a tornar-se numa política de mão cheia. A sua reacção revela uma determinação que era bom existir em todos os que se sentam no Conselho de Ministros».

Já o Álvaro, pessoa que veio do Canadá e não conhece bem a realidade portuguesa, é um caso evidente de falta de talento. Esta quinta-feira, o Correio da Manhã dava-lhe nota negativa, hoje o DN faz o mesmo, por causa do crescente e assustador número do desemprego e com a inépcia de não se verem soluções à vista.

Acresce a isto que o Álvaro, como já divulguei, conta com a agência de comunicação do maçon que trabalhou, quase em exclusividade, com José Sócrates nos seus últimos anos, o que é, no mínimo, bizarro. Tal como, essa agência, trabalha agora com Mário Figueiredo, presidente da Liga, outro caso de má imprensa. E ainda ninguém explicou ao ministro, pois há poucos especialistas de comunicação no Governo, que trabalhar com este maçon é causa directa para se ser dizimado nos media e nas redes sociais, actualmente. Para lá da sua falta de talento óbvia.

PS: na segunda-feira escreverei um post sobre esta questão da agência próxima da Maçonaria, dirigida por um maçon. Será um post dirigido ao meu amigo Miguel Relvas. Será um exercício de memória, pois, para lá do PSD ser um partido pouco solidário, tem memória curta.

«Austeridade até à morte leva à morte»

Felipe Gonzalez dixit, hoje no El Pais. E subscrevo.

sexta-feira, 4 de maio de 2012

Voltaire e o ser português

Para quem nunca conheceu essa personagem, eternamente optimista, chamada Cândido, criada por Voltaire, deixo a sugestão que por 8 euros podem comprar o livro, edição Tinta da China (havia uma antiga da Guimarães Editores, se bem me lembro, mas não a tenho aqui à mão para confirmar), na Feira do Livro e a edição é linda e vem com ilustrações fantásticas.

Mas por que é que falo no Cândido? Porque nas suas deambulações, este personagem passa por Lisboa, por alturas do Terramoto de 1755. Eis o que escreve Voltaire na página 31:

«Depois do terramoto que destruíra três quartos de Lisboa, os sábios do país não acharam meio mais eficaz de prevenir uma ruína total do que oferecer ao povo um belo Auto-da-Fé; foi decidido pela Universidade de Coimbra que o espectáculo de algumas pessoas queimadas em fogo brando, numa grande cerimónia, é um segredo infalível para impedir a terra de tremer». Depois da cerimónia, no mesmo dia «a terra voltou a tremer».

Portugal é isto, anquilosado nas velhas fórmulas, nos mesmos sábios que permitiram o colapso do País. Alguns séculos depois, ainda continuam muitos Autos-de-Fé.

Portugal: a nova loja dos 300

Houve tempos em que os publicitários criaram o slogan: «quer dinheiro? Vá ao Totta». Mas já nem Totta há, pois foi adquirido por um grande banco espanhol.

Portugal sempre produziu pouco e preferiu viver das "dádivas" estrangeiras. Foi assim na saga dos Descobrimentos, com o ouro do Brasil. Mais tarde eram as remessas dos emigrantes, depois a invasão angolana que foi comprando tudo o que era possível e agora a moda é a China.

Ali há dinheiro, toca de ir bater à porta. O grande problema é que os chineses são de outra cultura e não pensam como nós. Querem resultados, produtividade dos tempos da escravatura e habitualmente compram por preços baixos, fazendo bons negócios, servindo-se da sua liquidez.

O problema é que Portugal cada vez mais se está tornar numa loja dos 300, onde tudo se compra por tuta e meia.

quinta-feira, 3 de maio de 2012

Saíu a Playboy, mas não devia chamar-se Playboy

Playboy era uma revista americana que surgia com magníficas entrevistas, que eram a desculpa dos homens, junto das mulheres, para comprarem a revista.

Mas havia mulheres nuas. Muitas e as mulheres mais conhecidas da América passaram por lá. Portugal é um País de brandos costumes, já vai na segunda Playboy, e nas nossas há entrevistas mas não há mulheres nuas.

Rita Pereira foi um magnífico isco, mas não aparecer nua é um erro de comunicação.

Mourinho e Cristiano Ronaldo

Portugal, hoje, é a Albânia da Europa. Um País pobre de carteiras e pobre de espírito. Um País que sobrevive com dificuldades e vive pouco. Por isso, quando os portugueses vencem isso é importante para Portugal.

Muitos não gostam de José Mourinho, mas eu gosto. Gosto do seu desassobro, da sua capacidade de liderança, de não ter vergonha de saber e dizer que é bom. Num País onde os falsos humildes marcam pontos, onde a mediocridade impera, onde os caldinhos e as sociedades secretas impõem as suas vontades, um homem, pelo seu talento, força e carisma, que se impõem no mundo não tem preço.

E muito do seu personagem - porque há um Mourinho de família e reservado, e um Mourinho figura pública - que é habilmente construído, é em prol do seu grupo de trabalho. O Mourinho que compra guerras, que está no centro das atenções, que é polémico, fá-lo em defesa da sua equipa, criando ódios, afasta-os dos seus jogadores. Em termos de comunicação no futebol, há um antes e um pós-Mourinho. Mourinho é o melhor treinador do mundo e ainda vai conquistar muita coisa e na arena comunicacional é genial.

Cristiano Ronaldo, como costumo dizer, é um atleta fenomenal, mais do que um jogador de futebol, apesar de ser um dos melhores de sempre. Vai bater todos os recordes. Cristiano é um jogador abnegado que dá tudo em campo, mas além disso é sempre um dos melhores nos treinos.

É vaidoso? É. Mas tem direito a isso, porque trabalha bem. E é um embaixador do Sporting, que traz sempre no coração, deve-lhe ter dado um gozo imenso marcar e ser campeão em Bilbau, onde o seu clube orgulhosamente caiu na Liga Europa. Para lá de grande jogador, é bom rapaz e estúpidos são os que o assobiam, pois é ele que contribui para o espectáculo do futebol.

Mourinho e Cristiano Ronaldo estão de parabéns. Depois do pobre espectáculo, miserável, provocado pelo Pingo Doce, que expôs as nossas debilidades, e de uma ópera bufa com o clube de Leiria, no futebol, que mostram que o nosso País está doente, é bom ter estes dois homens a trazer um foco positivo para Portugal.

Vi no Facebook a vergonha que fizeram ao Manolo Vidal

Ontem fiquei siderado quando vi no Facebook uma foto tirada, pelo próprio médico, ao sr. Manolo Vidal, no hospital, ele que se encontra muito doente.

Ele é um campeão e um grande sportinguista a quem os leões muito devem. E nesta sua fase da vida em que está muito debilitado, duvido que tivesse autorizado tamanha monstruosidade na sua exposição.

Provavelmente, o médico não fez por mal. Mas há coisas que manda o bom senso não se fazerem. Aqui o Luis Paulo escreve um texto mais alargado sobre o assunto, do qual recomendo leitura. Da minha parte, condeno a vergonha da foto exposta no Facebook pelo médico e desejo as melhoras a um homem a quem muito devemos, o sr. Manolo Vidal, que sempre esteve ao serviço do Sporting e nunca se serviu dele.

quarta-feira, 2 de maio de 2012

Rui Paulo Figueiredo já se demitiu do Sporting?

Como sempre disse, acho o Rui Paulo Figueiredo um tipo simpático e nada tenho contra ele. Mas portou-se mal e foi pouco solidário com um colega de direcção, ao colocar diversas notícias contra o regresso desse colega nos jornais, como no devido tempo divulguei. E os valores da solidariedade e lealdade numa equipa são fundamentais.

Na famosa reunião da direcção, onde houve uma grande desunião, Rui Paulo Figueiredo disse que se demitia se Paulo Pereira Cristóvão voltasse. E ele voltou, logo, tem de ser consequente com o que disse e fez.

Corre pelo universo Sporting que RPF já se demitiu, apenas ainda não foi anunciado e espera que acabe a época para o fazer.

Deixo nota a corroborar esta tese: RPF não esteve na tribuna de honra de Alvalade, e sempre esteve, no jogo contra o Bilbau; na AG também não esteve presente; e também não se deslocou a Bilbau e tendo ele, juntamente com a directora de comunicação (que também não foi a Bilbau), esse mesmo importante pelouro.

Por isso, estes encobrimentos parecem-me bizarros. Até porque a demissão de Rui Paulo Figueiredo, maçon e deputado do PS, não afecta em nada a equipa de futebol nem o mais comum dos sócios do Sporting que já estão fartos de determinadas figuras se aproveitarem do clube para se promoverem na vida política e financeira.

Morreu um "bom malandro"

Bastava a Fernando Lopes ter realizado "Belarmino" para ficar na história do cinema português. Ainda há pouco tempo ficou no top do PÚBLICO, que pediu a personalidades da cultura para escolher os dez filmes nacionais que deviam  integrar o Plano Nacional do Cinema.

Realizou vários filmes, entre eles "Uma abelha na Chuva", de Carlos Oliveira, a "Crónica dos Bons Malandros", de Mário Zambujal, e o "Delfim", do seu malogrado amigo e um dos grandes escritores portugueses, José Cardoso Pires.

E o Vasco Pulido Valente vê partir o seu companheiro de almoços no Gambrinus. Que descanse em paz um homem de cultura que parte.

As roupas dos candidatos na comunicação política

Chama-se "Guia de estilo para candidatos ao poder". É um livro para os que gostam de comunicação política, pois a imagem e a roupa são fundamentais na construção de um candidato. É brasileiro, terra de bons "marqueteiros".

«O pior erro que pode ser cometido por um político, de acordo com Milla Mathias, é tentar parecer o que não é. “É muito estranho ver o Tiririca de terno”, diz». E já agora espreite os comentários aos candidatos a "prefeitos" (presidentes de câmara) de São Paulo.

terça-feira, 1 de maio de 2012

É bom falar verdade, mas todos os dias há uma coisa má

Vivemos alguns anos numa espécie de país das maravilhas, com mentiras diárias. É bom falar verdade na política, mas todos os dias há coisas más e isso cansa.

Quem vem a Portugal, quer voltar

Oferta cultural e nossa simpatia estão no topo dos motivos pelos quais os turistas, depois de conhecerem Portugal, em 87% dos casos, querem cá voltar. E como é importante o turismo como uma das forças de dinamização da nossa economia e emprego e uma das Marcas que devemos potenciar.