terça-feira, 26 de março de 2013

O desemprego e a deserção pelo seu combate

Como lêem por esta notícia, o Governo admite desemprego de 18 por cento nos próximos três anos. É grave a quantidade de pessoas sem trabalho, mas mais grave ainda é a assumpção deste número por este Executivo sem a capacidade de o combater e sem ter medidas para o atenuar. É atirar a toalha ao chão. Isso é gravíssimo.

sexta-feira, 22 de março de 2013

O novo ciclo das notícias

«Já nenhuma notícia dura mais de 48 horas. As notícias já não pretendem ser lembradas. É apenas entretenimento»

Mudança de Jogo, telefilme da HBO de Jay Roach que conta a história da escolha de Sarah Palin

quinta-feira, 21 de março de 2013

José Sócrates na RTP - umas breves notas

Umas breves notas sobre a "cacha" do DN que dá José Sócrates como comentador da RTP nos próximos tempos e que já foi confirmada por responsáveis da estação pública:

1- Parabéns ao Paulo Ferreira pelo risco da aposta mas que já tornou a notícia provavelmente a mais partilhada e comentada nas redes sociais. E a RTP bem que precisa de vez em quando de agitar as àguas, pois é sempre bom que falem de nós, mesmo que seja por maus motivos.

2- Um painel Sócrates/Morais Sarmento seria sempre um painel com uma boa audiência, pois os que odeiam Sócrates que são muitos vão acompanhar para depois criticar.

3- É um sinal de independência a RTP convidar o ex-primeiro-ministro e tantas vezes a RTP tem sido criticada por governamentalização.

4- José Sócrates não tem boa imagem nos dias de hoje. Muito do que estamos a pagar até ao tutano advém das suas políticas e dos buracos que deixou, Para muitos portugueses é uma ofensa que um canal lhe dê abertura fácil para ele limpar a imagem. Sócrates devia estar discreto e calado e não voltar já à ribalta. Não cai bem o seu regresso.

Sai muito mal Godinho Lopes

Teremos um novo presidente dentro de dias, mas a saída de cena de Godinho Lopes é triste. Não cumpriu o mandato depois de atolar o Sporting no maior desastre desportivo e financeiro de sempre.

Foram muitos erros, muitos atropelos próprios a pessoas que contratou - Domingos, Sá Pinto, Vercauteren -, foram estratégias que se foram modificando sem um rumo claro, foram modelos sem qualquer perspectiva, foi uma liderança que nunca existiu.

Godinho Lopes sai pela porta pequena de Alvalade. Por culpa própria. E nestes dias ainda vende o Ricky para pagar salários. Foi uma delapidação total da Marca Sporting Clube de Portugal. Notícias sucessivas a falar de salários em atraso, pagamentos às pinguinhas a funcionários e quase um leilão total do plantel como se estivéssemos na loja dos 300. Isto, meus amigos chama-se danificar a nossa reputação e a nossa grande alma centenária de grande clube respeitado em todo o mundo.

Godinho Lopes se saísse do clube deixando-o melhor do que estava quando pegou nele até poderia no futuro ficar na memória dos sportinguistas. O problema é que o deixou ainda pior em termos desportivos e financeiros e no abismo. Dos fracos não reza a história.

quarta-feira, 20 de março de 2013

10 novas regras para a comunicação de crise

Via o Luis Paixão Martins apanhei aqui estes 10 novos mandamentos interessantes.

Como os políticos não sabem trabalhar com as redes sociais

Há honrosas excepções, mas na grande maioria os políticos não sabem trabalhar com as redes sociais. Já uma vez o escrevi e depois comentei para o Sol que usam facebook para postar mensagens, na maior parte dos casos escritas por assessores, para passarem por cima dos media tradicionais.

Um bom exemplo do que digo é Cavaco Silva. Ontem, vi-o a tirar fotos, no Vaticano, ao novo Papa. Se ele, e quem o acompanha, percebesse que as redes sociais são de proximidade teria de imediato postado a foto no facebook em vez daquelas mensagens ridículas que por vezes lá coloca.

domingo, 17 de março de 2013

Sugestões para a semana (6-2013)

Livros

"As Esganadas", Jô Soares, Editorial Presença, 212 páginas. O regresso do humorista e conversador brasileiro no livro mais vendido no seu país em 2012. Um serial-killer à solta no Rio de Janeiro com umfétiche. Matar gordas. Nunca crimes tiveram tanto humor.

"A filha do Papa", Luis Miguel Rocha, Porto Editora, 428 páginas. Um autor português especialista em assuntos do Vaticano que já esteve no top do New York Times e que aparece com mais uma obra sobre a Igreja numa altura de um novo Papa. Escrita sempre empolgante.

Filmes

"O Homem que Queria ser Rei", John Houston. Um clássico à venda a preço reduzido com Sean Connery e Michael Caine na índia em busca da gloria. A vã.

"Os Fugitivos de Alcatraz", Don Siegel. Outro clássico mas de filmes passados e com fugas da prisão. Nesta edição especial acompanhada por postais com imagens do filme.

Documentário

Terça-feira no ARTE, às 22.05h, "Lenine, o fim do mito" sobre o homem que liderou a revolução russa e a deixou conduzir para uma das ditadiras mais sanguinolentas da história.

Séries

Primeval, segunda-feira no MOV. O sucedãneo americano da série de ficção científica de sucesso em Inglaterra.

Revista

Grands Reportages, com um fabuloso dossier sobre a Andaluzia, uma terra que me encanta, mas ainda passa pelo Quirguistão, Mali e Etiópia.

Restaurante

Colina, ali ao lado da Duque d´Ávila um restaurante tradicional ainda com serviço à antiga e com qualidade gastronómica.

sábado, 16 de março de 2013

A única medida do Governo que seria positiva em termos comunicacionais

Podem tentar fazer o que quiserem, mas a única medida que daria alguma popularidade ao Governo era demitir Vitor Gaspar. Não há saída possível. Mantê-lo é teimosia e burrice.

sexta-feira, 15 de março de 2013

A Igreja do novo Papa Francisco I

"´´E verdade que quando saímos à rua, como sucede com qualquer homem ou mulher, pode haver acidentes. Mas se a Igreja se mantém fechada em si própria, envelhece. Entre uma Igreja que sofre acidentes na rua e uma que está doente, porque é autorreverencial, não tenho dúvidas em preferir a primeira"

Jorge Bergoglio, Papa Francisco I

quarta-feira, 13 de março de 2013

Os "famosos" que vendem Portugal

Cristiano Ronaldo e José Mourinho eram óbvios,  Daniela Ruah é uma boa aposta, Manoel de Oliveira é respeitável mas não diz muito ao mundo a não ser o dos festivais europeus de cinema, agora Durão Barroso era dispensável, pois não é popular e a imagem do líder europeu não é boa.
Mas foram estes os escolhidos pela AICEP para ajudar a vender Portugal num filme promocional sobre o nosso País.

PS: tenho a certeza que Marcelo Rebelo de Sousa não vai gostar do filme e no domingo lá vai espetar mais uma farpa num dos seus possíveis adversários a Belém...

terça-feira, 12 de março de 2013

10 novas empresas com ideias engraçadas

Para ler aqui, é do Estado de S. Paulo. São empresas brasileiras mas que podem dar boas ideias.

domingo, 10 de março de 2013

Hugo Chávez segundo Mario Vargas Llosa

O escritor peruano sobre o caudilho venezuelano, para ler aqui, hoje no El Pais.

sexta-feira, 8 de março de 2013

Até sempre sr. João Rocha e muito obrigado

Partiu hoje João Rocha, o melhor presidente que conheci do Sporting Clube de Portugal. Quando hoje dizemos com orgulho que somos o segundo maior clube do mundo em títulos, isso deve-se em grande parte a este presidente que marcou uma geração.

Foi pela mão do meu avô e do meu pai que aos 4 anos senti, pela primeira vez, o que era o Sporting. Foi na Rua do Passadiço, com Reis Pinto a ser o meu professor de ginástica, algo que pratiquei durante dez anos.

Nunca como nesses tempos senti o fervor, a paixão, a movimentação e agregação dos adeptos com o nosso clube. Era a Porta 10-A, era o pelado, o pavilhão, a sala Joaquim Agostinho, milhares de praticantes de muitos desportos a darem vida ao velhinho estádio.

Era o futebol, mas eram também todas as modalidades que deram títulos, representação olímpica e potenciaram o eclectismo. A grande marca de João Rocha e o seu legado inolvidável.

Cumprimentei-o pela última vez quando se deslocou ao estádio para ver a meia-final com o Bilbau na temporada passada. Falei por diversas vezes com ele ao telefone, muitas em 1998, quando escrevi uma carta para o Jornal do Sporting que foi publicada atacando o projecto de Roquette e defendendo o legado de João Rocha.

Ele era um visionário, salvou o clube quando assumiu a presidência, era um líder nato e no clube e fora do clube sabia-se quem mandava nele. Teve opositores, naturalmente, mas até esses com o passar dos anos se vergaram à sua obra e à sua competência.

Foi no seu tempo, por o Sporting ter uma liderança forte e ser um clube temível com uma massa adepta apaixonada, que o Porto se aproximou do Benfica, havendo uma aliança entre Pinto da Costa e Fernando Martins. Foram tempos de orgulho, mas também de combate.

João Rocha levou o Sporting à China, antecipando em muitos anos o que muitos clubes perceberam décadas mais tarde: que aquele mercado era de forte expansão e terreno para negócios futuros e desenvolvimento da marca.

Já o escrevi uma vez, que lamento que a Loja Verde e o departamento de marketing do Sporting não proceda a uma reedição do livro de Alfredo Farinha, "João Rocha-uma vida". Para que todas as gerações vindouras tenham conhecimento da sua obra e da força do clube nos seus tempos.

Quem é grande nunca morre, fica na nossa memória e no nosso coração. Passaram muitos depois dele, mas serão apenas notas de rodapé na magna história do Sporting Clube de Portugal ao pé do seu legado e da sua liderança.

Foi com ele que cresci no Sporting, foi com ele que ficam as páginas mais gloriosas que retenho na memória. Onde quer que esteja, mas estará de certo entre os grandes, deixo-lhe a minha eterna gratidão.

Nova saga de Star Wars com os 3 protagonistas iniciais

Depois de Harrison Ford ter confirmado a contratação, por aqui se lê que Carrie Fisher e Mark Hammil estão envolvidos na sequela produzida pelo criador George Lucas e realizada por J. J Abrams. Quando uma trilogia como Star Wars foi a mais lucrativa de sempre, julgava-se que era quase intocavel o seu legado. A prequela não teve o brilhantismo da inicial, espera-se que esta com os heróis mais envelhecidos volte a encantar.

quarta-feira, 6 de março de 2013

Porque voto na lista D para o Conselho Fiscal do Sporting

Fica aqui a minha exposição sobre os motivos que me levam a votar na lista D para o Conselho Fiscal, nas próximas eleições do Sporting, encabeçada pelo Vicente Caldeira Pires e que eles já divulgaram em vários espaços.

Há três motivos que nos podem fazer votar numa pessoa e na sua equipa: COMPETÊNCIA, CONFIANÇA e AMIZADE.

1- A COMPETÊNCIA do Vicente Caldeira Pires e da restante lista para defender intransigentemente os interesses do Sporting Clube de Portugal é mais que certa. E prefiro que seja uma geração mais nova a acompanhar as contas do clube, pois os maiorais e, ditas, grandes figuras que governaram o Sporting nos últimos 20 anos levaram-no para um abismo.

2- Tenho CONFIANÇA na irreverência deles, na sua capacidade de não se vergar e não permitir que mintam sobre questões do nosso clube. Aquelas questões que não são as da bola a entrar na baliza, mas as que interessam verdadeiramente ao passado, presente e futuro do Sporting.

3- e sou amigo deles. Os valores da AMIZADE numa grande instituição que vive da paixão dos seus adeptos continua a ser muito importante. E é a agregação dos adeptos que faz um clube forte e com futuro.

Escrevo como sócio 6095, com quotas sempre em dia. Ao contrário de muitos que aparecem em listas e quejandos com mais de 50 anos e que são sócios 70 mil e 80 mil. Gostava de descobrir por que é que alguns, com capacidade financeira, só agora são sócios. É para reflectirem, mas eu prefiro uma nova geração de sportinguistas que sirvam o Clube com carácter e honestidade.
Rui Calafate
Sócio 6.095

terça-feira, 5 de março de 2013

A cultura como força motriz para ultrapassar a crise

Sugiro a leitura deste artigo. Como a Islândia apostou forte na indústria cultural para ultrapassar a crise. E com resultados positivos.

segunda-feira, 4 de março de 2013

Os heróis da relva e os "heróis" da tribuna no Sporting

O Sporting não é só futebol, são muitas outras modalidades, outros atletas e muitos outros títulos. Mas a sua força motriz é o desporto-rei.

Na sua história centenária, já tivemos muitos craques que marcaram diversas gerações, mas esses craques, esses heróis, estão lá em baixo, no campo a jogar à bola, a fazer fintas, a realizar defesas espectaculares e a marcar golos. No futebol, o que interessa a quem gosta da modalidade são os jogadores, é na relva que o jogo decorre.

Neste último jogo contra a equipa das antas, surgiram notícias de quezílias na tribuna entre dirigentes dos dois clubes. Sinceramente, não me interessa nada. Destes artistas que são sempre os mesmos estamos todos os sportinguistas fartos.

Estou-me marimbando para o Rod Stewart da rua das Fanqueiros, Paulo Abreu (como é conhecido em círculos leoninos), e ainda mais me marimbando para o Reinaldo Teles. O desporto não precisa destas figurinhas.

Mas o mais grave é que a culpa é da direcção do Sporting. Esta vassalagem ao Porto tem anos e Pinto da Costa tem sido mestre em ser, hoje, muito simpático com o Sporting porque o sente fraco e o pode controlar.

Quando Godinho Lopes defendeu um modelo presidencialiasta à Pinto da Costa mostrou essa pequenez. Os modelos presidencialistas no Sporting, que eu defendo, devem ser é à João Rocha e não ter outros modelos inspiradores.

E o que sucedeu este sábado teria sido evitado se não tivessem recebido a comitiva do Porto no camarote presidencial. Em vez disso, como mandam os regulamentos, devia ter sido atribuído a essa direcção outro espaço e que eles lá ficassem sozinhos. Assim, veríamos com satisfação a entrega dos nossos jogadores, que é isso que interessa, reproduzida na comunicação social, sem ter de aturar notícias destes "heróis de tribuna" que não interessam a ninguém.

domingo, 3 de março de 2013

Sugestões para a semana (5-2013)

Livros

"Porque falham as Ñações", Daron Acemoglu, James A. Robinson, Temas & Debates, 606 páginas. As origens do poder, prosperidade e pobreza das nações e que segundo o Financial Times foi o melhor livro do ano.

"Em parte incerta", Gillian Flynn, Bertrand editores, 515 páginas. Este livro que foi nº 1 no top do New York Times é um thriller poderoso, com enormes reviravoltas e tem como base o deparecimento (ou não) de uma mulher no seu quinto aniversário de casada.

Cinema

"O Homem de Alcatraz", de John Frankenheimer, um clássico com Burt Lancaster e passado na prisão, de um condenado a prisão perpétua que redescobre a vida a partir de curar um pássaro ferido. Uma interpretação magistral nomeada para Óscar.

"O Corpo e Alma", de Robert Rossen. Outro clássico, no mundo do boxe, e que muitos dizem ter inspirado Martin Scorsese no seu "Touro Enraivecido". Os dois filmes mencionados estão à venda a 5 euros na FNAC.

Séries

"Blue Bloods". Estreia na 3a feira na Fox a terceira temporada desta série familiar de polícias. Uma série simpática, com uns tiques a mais de boca de Tom Selleck, que nunca foi grande actor, mas que fez acompanhar as duas temporadas anteriores que passaram na Fox Crime

"Southland". Na 5a feira ás 22.15 estreia na Fox Crime uma das minhas séries policiais preferidas da actualidade. Boa narrativa, quase de reality-show, violenta, com grandes diálogos.

Restaurante

O Pavão, na D. Estefãnia, boa cozinha, simpatia dos empregados, mas também já os conheço há doze anos e agora ao almoço mais cheio, até porque em virtude da crise dois conhecidos restaurantes na zona, o Diamantino e o Arpão, fecharam.

sábado, 2 de março de 2013

«O mundo fugiu ao jornalismo...»

«O mundo fugiu ao jornalismo e há que reinventá-lo»

Gabriel Garcia Marquez, citado hoje num artigo do El Pais sobre o "boom" digital na América Latina