sexta-feira, 31 de maio de 2013

Pedro Lomba entra numa acção do PS

Hoje, o Sol avança em primeira página que o secretário de Estado, Pedro Lomba, entrou numa acção de campanha do PS. O mesmo diz que foi um equívoco.

Não sei se isto é normal, mas estes equívocos evitam-se com preparação do seu staff. Como não se evitou deu notícia que o prejudica a ele e ao Governo. O que vale é que o fluxo informativo agora é mais rápido e daqui a umas horas já ninguém se lembra.

quinta-feira, 30 de maio de 2013

Deus, o homem e os seus problemas

«O homem foi programado por Deus para resolver problemas. Mas começou a criá-los em vez de resolvê-los. A máquina foi programada pelo homem para resolver os problemas que ele criou. Mas ela, a máquina, está começando também a criar problemas que desorientam e engolem o homem.»

Clarice Lispector em "A Descoberta do Mundo"

quarta-feira, 29 de maio de 2013

O que se passa mesmo entre LFVieira e Jorge Jesus

Por não ser adepto desta colectividade, talvez esteja mais à vontade para escrever o que verdadeiramente se passa entre Luis Filipe Vieira e Jorge Jesus. Um processo que se arrasta na arena mediática desde domingo, em que o treinador tem vindo a ser dizimado e o presidente - mais uma vez com os amigos da imprensa - a ser poupado. Luis Filipe Vieira não fala, o que é significativo das suas hesitações, porque João Gabriel ainda não escreveu nada, isso é óbvio neste momento.

O que se passa é simples. O Benfica teve uma época desastrosa na sua recta final, ultrapassando o record de "quases" de José peseiro. Responsável no terreno Jorge Jesus. Principal responsável Luis Filipe Vieira que escolheu treinador e estrutura a seu belo prazer.

E se no ano passado se ufanou das vitórias nos campeonatos em diversas modalidades, hoje tem de assumir ele, e não assume, o colapso. Para mim é óbvio que quando se ganha em qualquer situação, empresa ou clube, ganha o presidente. Quando se perde, perde também o presidente. É essa a responsabilização, é essa a força de um líder. Nos bons e nos maus momentos.

Jorge Jesus fez futebol espectáculo, valorizou jogadores, teve montra toda a época. E, naturalmente, os benfiquistas estavam satisfeitos. Mas Vieira não soube renovar a tempo e uma coisa são palavras e intenções, outra, são contratos. A seguir ao Marítimo, Vieira fez juras de amor, mas não casou.

Depois, veio Estoril e Porto. E aqui, se Vieira fosse um líder, teria aprendido com o líder do Norte que é a sua assombração todas as noites, que um líder dá sinais fortes, dá confiança. E, sendo assim, antes da final com o Chelsea, no dia antes, para moralizar os jogadores e grupo de trabalho, que estavam de joelhos após as Antas, mostrava o contrato, sentava-se ao lado de Jesus e anunciava-o como treinador para as próximas épocas. Não o fez pois não tinha qualquer contrato nem é um líder.

E maior a desilusão da Taça. Aqui, a equipa mostrou enorme fragilidade mental, face à qualidade que demonstrou toda a época em termos técnicos. Os jogadores estavam cansados e fragilizados psiquicamente. Aqui, começa a grande contestação a Jorge Jesus. E as tais juras de amor de Vieira hesitaram.

Com o teatro desta semana, o que se vê é que mais uma vez Vieira foge ele próprio das críticas, deixando afundar um treinador. Agora, para lá dos sinais de fraca liderança e de uma estrutura débil, onde se sobrepôs por iniciativa do presidente um pavão chamado António Carraça, apagando-se a figura que eu muito respeito de Rui Costa, surge o medo.

É que antes deste colapso, se Jorge Jesus se fosse embora era um traidor e ficaria marcado para os adeptos desta colectividade. E aqui para lá de um convite que recebeu, em Outubro de 2012, do Sporting, em sua casa (algo que desenvolverei noutra altura), é sabido que Pinto da Costa espera como o gato que olha guloso para a gaiola com um pássaro, pela saída de Jorge jesus para o contratar.

Vieira não sabe o que fazer. Se ficar Jesus, à primeira derrota é assobiado e o ónus do fracasso será só seu e a sua presidência terá forte oposição. Se sair, tem medo de o perder para o FC Porto, onde com uma estrutura forte, Jesus pode ganhar tudo aquilo que perdeu na Luz, o que seria a suprema ironia e gozo de Pinto da Costa.

Jesus, apesar de dizer que quer ficar, quer sair. Já perdeu o coração dos adeptos e será sempre visto de soslaio por quem não lhe perdoa a perda da "tripleta", tal como a maioria dos sportinguistas não perdoa a Peseiro a perda de campeonato e UEFA.

Para terminar, Vieira dá sintomas de titubear numa fase que será decisiva para a sua história. Por este caminho, não passará de um rodapé na história desse clube.

«O egoísmo é uma qualidade»

António Tadeia fez um magnífico perfil sobre o herói da vitória do Bayern na última Chmpions, Arjen Robben. A determinada altura relembra uma frase do jogador holandês: «o egoísmo é uma qualidade e não necessariamente uma coisa má».

Ter ego é bom. E os egoístas habitualmente têm várias características interessantes: não têm medo da pressão, gostam de assumir responsabilidades, têm luz própria, são líderes. Em todas as actividades da vida, por vezes, os egoístas são invejados pela mediocridade reinante. Mas são eles que marcam a diferença. Como Robben.

terça-feira, 28 de maio de 2013

As 20 marcas mais valiosas do mundo

Para ler aqui.

segunda-feira, 27 de maio de 2013

A nova PIDE é fiscal, cuidado!

«A mobilização de dois mil funcionários para fiscalizar a faturação de empresas de todos os setores vai deixar quase vazias as repartições de Finanças e levanta dúvidas quanto às funções estipuladas nos seus contratos de trabalho», leio no Expresso

Para quem não percebeu, resumo: é a nova PIDE que está aí e é fiscal. Um Governo "pidesco" candidato a rodapé da História.

Morreu o fundador da "Veja"

Em 1968, Roberto Civita lançou a "Veja", a melhor revista brasileira. A que faz capas sensacionais, a que marca a informação brasileira com grandes entrevistas, grandes investigações (o caso do Mensalão é seu trabalho) e por onde já passaram os melhores jornalistas e onde, até à sua morte, tinha uma página Millôr Fernandes.

Uma revista de combate, que sempre percebeu a alma brasileira e se abriu ao mundo. Por isso é indispensável todas as semanas. Paz à sua alma.

domingo, 26 de maio de 2013

António Mexia, FC Porto, EDP e o PIB

No dia da sua reeleição, Pinto da Costa diz ter mais um dossier a resolver em breve: «Para a semana vamos consultar as empresas concorrentes para podermos analisar a substituição da EDP”, assegurou o presidente, não esquecendo o desejo de António Mexia de ver o Benfica campeão».

Como expliquei em devido tempo em "Carta ao dr. António Mexia", o futebol é um campo de tribos, não é o dos selectos salões da Experimenta Design (onde passeiam muitas criaturas que se acham cultas mas não sabem a diferença entre Ozu e Mizoguchi, Visconti e Antonioni, Vermeer e Rafael, Pamuk e Mann ou entre Hesse e Broch) e, como acrescentei no meu mural do Facebook, do Líbano.

O mundo do futebol mexe com milhões de pessoas. Uma declaração errada deixa uma marca indelével no tempo. António Mexia é um bom líder e como referi tenho simpatia por ele, mas para portistas e sportinguistas está indelevelmente marcado pela negativa e não sei como serão as reacções dos accionistas face ao aproveitamento natural que agora Pinto da Costa fez das suas declarações erradas.

Não basta ter um batalhão de gente ligada à assessoria de imprensa a aconselhá-lo, nem um pesado orçamento para comprar publicidade nem patrocínios. Sobre futebol, Mexia aprendeu que é melhor estar calado e sobre comunicação é bom que aprenda quem é especialista.

sábado, 25 de maio de 2013

Querem ironia à Pinto da Costa contra ele?

Bruno de Carvalho esteve bem ao referir em Toronto que «tivemos o azar do presidente Pinto da Costa não estar a conseguir fazer os negócios que tem feito. Ele sempre disse que os jogadores eram vendidos pela cláusula, e sabemos que a [transferência] do João Moutinho era de 40 milhões, infelizmente não foi assim, foi por 25 milhões».

Eu acrescentaria o que falta. Em entrevista à RTP ele disse que «por algum motivo o céu é azul e o inferno é vermelho». Esqueceu-se que para todas as pessoas sobreviverem precisam do Verde, a coôr mais importante, de onde emana o oxigénio. Logo, o Sporting que corte relações com FC Porto. Retire-se-lhe o Verde.

sexta-feira, 24 de maio de 2013

Portugal tem um novo regime

Tivemos monarquia, depois república e agora "comentarismo".

quinta-feira, 23 de maio de 2013

A insegurança dos nossos depósitos e os banqueiros

Quando os banqueiros vêm à arena mediática dizer que os nossos depósitos estão seguros, é porque não estão seguros. A segurança está, não precisa dizer que está.

quarta-feira, 22 de maio de 2013

5 motivos para ser feliz em Portugal

1- Gastronomia fantástica

2- Monumentos e paisagens belíssimos

3- Nossa Senhora de Fátima e Maria Cavaco Silva

4- O Sol quando nasce, para já, ainda é para todos

5- Miss Bumbum nas capas dos jornais e uma brasileira qualquer que se despe no Big anormais Brother.´

Em suma, um País tranquilo.

2 razões para continuar o Conselho de Estado

1- Para Marques Mendes dar a "cacha" da sua realização antes dos outros membros saberem.

2- Para Marques Mendes e mais alguns contarem depois o que se passou lá em segredo.

A nova "Pasionaria" e o pai de Passos Coelho

Manuela Ferreira Leite transformou-se desde há uns tempos em figura de destaque da esquerda, por isso o título do meu post referindo "La Pasionaria". Todas as semanas diz evidências e aquilo que as pessoas dizem em conversa e gostavam de dizer ao Primeiro-Ministro.

Quando dispara «não há crescimento possível com esta carga fiscal», diz uma realidade. Nenhuma empresa subsiste com a quantidade de dinheiro que é sonegada pelo Estado. Assim, não há investimento nem criação de emprego.

E hoje o pai de Pedro Passos Coelho diz no I que «isto não tem conserto» e que o filho devia apresentar a demissão. Quando toda a gente bate em nós, quando o povo está infeliz e revoltado, quando os media e líderes de opinião não acreditam e ainda vem o pai dizer isto, é muito difícil a um homem continuar. Precisava da alma e da coragem da "Pasionaria", a verdadeira, Dolores Ibarrurri.

terça-feira, 21 de maio de 2013

Como a imprensa espanhola trata Mourinho

A imprensa espanhola tinha as facas afiadas, só estavam guardadas à espera do momento certo. E exactamente no dia depois de Mourinho sair do Real Madrid, faz anoz Iker Casillas, que tem página inteira no El Mundo. Para lá do jornal citado, utilizarei frases dos jornais que consegui apanhar em papel, El Pais, Gaceta e Marca.

Apesar de tudo, Mourinho ainda teve um escudo, o seu amigo e responsável pela sua contratação, Florentino Pérez. Que resumiu numa expressão a sua decisão: «A pressão tornou-se insuportável». mas reconheceu que o balanço foi positivo e que Mourinho soube retomar patamares competitivos dos quais o Real estava alheado há algum tempo.

O El Mundo traz uma crónica completamente destrutiva para o português: «Gracias, Mou, por hacernos peores». Onde arrasa a posição de Mourinho e o apoio que Florentino lhe deu ao tornar piores todos os jogadores e treinadores antes dele e «obrigado a Mourinho por sermos piores jornalistas».

Marca dispara: «The Special End»  E numa crónica: «como diz Valdano (sempre uma sombra), os sócios não celebram superavits na fonte da Cibeles». pois os resultados económicos de Florentino foam bons, mas o ciclo de Mourinho não.

O El Pais vai buscar todas as polémicas de Mourinho, podem ler por aqui, e o grau de satisfação pela sua saída é elevado pois foi um dos jornais que quase diariamente o atacou.

Em suma, Espanha está feliz, pode ser que seja bom para crescer o PIB, com a saída de Mourinho. Mas para terminar de outra forma, coloco aqui e recomendo a leitura deste magnífico texto do Enric Gonzalez, de ontem no El Mundo. O ex-jornalista e escritor do fabuloso "Histórias de Londres", editado pela Tinta da China, traça aqui o perfil de uma personagem que é como aquelas de John Ford: Bigger than life.

Leonardo Jardim, Jurgen Klopp e 2012/2013 para não esquecer

Já tenho escrito que gosto de Leonardo Jardim, é um bom treinador, sério e competente. Apesar de apostar numa boa organização defensiva, acaba por marcar bastantes golos. Não sei se fará futebol espectáculo, até porque as omeletes dependem da qualidade dos ovos, mas fico satisfeito pela escolha do leão madeirense.

Com a saída de Jesualdo, ainda muito popular no universo leonino, saliente-se a rapidez e o profissionalismo do processo de escolha e decisão, o que leva a que a próxima temporada seja preparada com calma, tranquilidade e sem precipitações. Agradecemos o trabalho de Jesualdo Ferreira e se perdemos experiência dos seus muitos anos de futebol, com Jardim ganha-se mais paixão e mais ambição. Ao professor digo obrigado, a Jardim desejo muita sorte.

Há pouco tempo li um perfil do Jurgen Klopp, o treinador brincalhão, comunicador, líder, que revolucionou o Borussia de Dortmund, quando o clube com maior assistências na liga alemã se encontrava em baixo. E ele explicava porque o escolheram: «O clube percebeu que precisava de vitalidade e foi à procura de um treinador cheio de vida, que se divertia e que se ria». Jardim está na sua cadeira de sonho e ontem até parece que já riu mais do que em toda a sua vida de treinador anterior.

Mas não podemos esquecer a miserável temporada 2012/2013. É aquela  temporada que todos temos de ter exposta na parede, para nos lembrarmos todos os dias que nunca mais poderá voltar a acontecer tal vergonha. O Sporting investiu o que não podia e a ausência de liderança de Godinho Lopes e a sua incompetência e desconhecimento total de condução de homens e gestão desportiva levou-nos ao abismo.

Vamos ter de nos reerguer dentro das nossas possibilidades, ter orgulho na nossa história, saber a força do Sporting Clube de Portugal, mas sem loucuras e sem disparates. Com dignidade, com honra, mas com os pés assentes na terra. Fazer mais com menos. Escolher melhor e com mais critério.

Como dizia nesse perfil Jurgen Klopp, e é uma lição e um bom lema para o nosso futuro próximo: «Se não tens dinheiro e queres qualidade, tens de ser valente». E o Sporting sempre foi um clube de gente honrada, com alma, com paixão pelo clube e muito valente. Cá estamos.

segunda-feira, 20 de maio de 2013

Quando os comerciantes se revoltam contra a crise

Dia 6 de Junho os comerciantes da Guerra Junqueiro e Praça de Londres, fazem uma "open night" contra a crise. Têm de se mobilizar e trabalhar para continuarem os seus negócios, face a um Governo que está a matar a economia e o consumo.

Há zonas de comércio tradicional que têm vindo a tornar-se ou zonas fantasmas ou apenas bazares chineses ou paquistaneses. É muito importante que os comerciantes se unam, se modernizem e combatam o marasmo existente.

domingo, 19 de maio de 2013

Sai Jesualdo. Entra Leonardo Jardim (?) e duas notas

Não sei os motivos que levam Jesualdo Ferreira a abandonar o Sporting. Mas parece-me que é mais a direcção a afastar o treinador, por vários sinais fáceis de detectar (termino meu texto com um deles), do que o treinador a querer sair. O que leva a essa decisão? Isso teremos de esperar esta semana para ouvir justificações de quem de direito.

Jesualdo Ferreira não conseguiu atingir os objectivos mínimos estabelecidos. Mas não nos podemos esquecer que o maior responsável desta época catastrófica foi Godinho Lopes, que ainda conseguiu ser pior do que JEB. Foi o presidente que levou a esta humilhação, com a sua pobre liderança e com uma gestão desportiva medíocre. Ele que, como se lembram, anunciou o «seu treinador...» Franky Vercauteren.

Jesualdo pegou, tarde, numa equipa em cacos, sem alma, sem preparação física, mal ligada e sem plano de jogo. Sendo uma raposa matreira e conhecendo bem o futebol português, mentalizou e preparou melhor a equipa e agarrou num grupo de jovens da Academia e pô-los sem hesitação a titular.

Sai do Sporting no coração dos adeptos e com muita popularidade. Numa época, a próxima, que se avizinha muito difícil, sem investimento em jogadores estrangeiros e apostando na prata da casa, as características que atrás apontei seriam importantes: a sua experiência, a sua matreirice, o seu conhecimento do nosso futebol. E por o plantel ter uma média de idades baixa, o seu perfil de sábio e com muitos cabelos brancos reforçava nessa juventude a imagem de "pai" que unia o grupo.

Assim, mais um ano a arrancar da estaca zero. Pela narrativa criada nos media, parece que vem Leonardo Jardim. Gosto dele, é bom profissional, pela idade é ambicioso e tem paixão familiar pelo Sporting, apesar disso não ser o fundamental. Vamos ver o que dá, mas apoiarei.

Agora, Leonardo Jardim vai ter uma sombra a pairar sobre ele: chama-se Jesualdo Ferreira. Se as coisas não correrem como desejamos, as pessoas vão lembrar-se do professor e o actual presidente e Augusto Inácio serão criticados por esta decisão.

E mais uma nota, para terminar, a Bruno de Carvalho e Augusto Inácio. Não se preparam temporadas, profissionalmente, em reuniões numa esplanada do Campo Pequeno (ou noutro sítio público qualquer) para ser fotografada e com o objectivo de irritar e afastar Jesualdo Ferreira. Essa foto publicada pelo Record, mostra como o Sporting é ainda amador e tem de evoluir, em vários níveis. Quem não é cego, vê.

Sugestões para a semana (10-2013)

Livros

"Lionel Asbo", Martin Amis, Quetzal, 317 páginas. Desde que li o "Money", Martin Amis faz parte da minha lista de autores que compro sempre que é editado algo de novo. Este é o último e é satírico. Como o dinheiro, muda ou não muda, uma sociedade inglesa ávida de fama.

"Aprenda com a Mafia", Louis Ferrante, A Esfera dos Livros, 285 pág. É um daqueles livros engraçados que dá conselhos a gestores, este baseado na Mafia, pois o autor a ela pertenceu. Querem um exemplo: «Os mafiosos, tal como os empresários, sabem que é inteligente dar, sobretudo quando o acto é acompanhado pela comunicação social»

"O Chalet das Cotovias", Carlos Ademar, Parsífal editora, 328 pág. Marquem este livro para levar para a praia. Agarra num caso verídico, daqueles que o regime de Salazar ocultava, tal como ocultava as suas preversões, e segue uma narrativa  envolvente com PIDE e o nosso Portugal dessa altura à mistura.

Cinema

Os Inadaptados (Vidas Rebeldes - The Misfits) - uma edição em video, mas espanhola com legendas em português, do clássico filme maldito, que pouco depois da sua rodagem viu partir para outro mundo as suas três grandes estrelas principais: Clark gable, Montgomery Clift e Marilyn Monroe. É um grande filme

Blow-Up, História de um fotógrafo´- Foi o grande sucesso comercial do Michelangelo Antonioni. Passa na RTP2 na terça-feira às 22h. Para quem nunca viu, não perca a oportunidade. Porque o cinema hoje em dia tem poucos génios e Antonioni era um deles.

A Piscina-  À beira da piscina, Jacques Deray, filma o idílio amoroso de Alain Delon com Romy Schneider , até chegar um ex-amante dela...Passa no ARTE na quinta-feira à tarde, mas está na FNAC num edição que se chama essenciais do cinema francês e tem mais dois filmes: "Les Félins" e "Vie Privée".

Documentário

No ARTE, "A V Répública e os seus monarcas", quinta-feira às 21.20. A evolução desde 1958, com De Gaulle, dos presidentes franceses.

Séries

Das coisas novas volto a destacar o "Hannibal", no AXN, com uma densidade fenomenal, uma fotografia primorosa, grandes diálogos e dois actores sensacionais: Mads Mikkelsen e Hugh Dancy; gosto do Jean Reno e por isso gosto de "Jo", na Fox, boa produção centrada em Paris.

Música

Depeche Mode. O regresso em boa forma dos grandes da pop com "Delta Machine". Boas canções, boas malhas.

Restaurante

O Castro - na Elias Garcia, do lado da Gulbenkian, um restaurante simpático, arejado, bom para almoçar (nunca jantei lá), ainda com traços de cozinha de chef mas sem exageros. Por outro lado, por falar em "chefes", na quinta-feira jantei na hamburgueria do Sá Pessoa, ao pé do Lux, e achei o ambiente e decoração simpáticos, mas o hamburguer é banalíssimo e foi demorado. Já tinha odiado o "Alma", mas para não dizerem que tenho algo contra este "chef", tenho saudades do seu programa de culinária na RTP2, ali ele era bom e o programa era serviço público.

Vitor "bunga bunga" Gaspar

Ontem escrevi no meu mural do Facebook que «a política portuguesa não tem piada porque não há festas bunga bunga». Mas em certos casos, até acho que era preferível.

Preferia que o Vitor Gaspar se distraísse com uma "Ruby" qualquer cá do burgo (respeitando a sua família), se libertasse da sua pose eremita e da sua prosa ascética, largasse o excel que só o transtorna e abandonasse o seu nazismo fiscal que só prejudica pessoas e empresas afundando o País.

Mas como comentou com graça uma amiga minha excelente jornalista, cá só temos «troika troika».

sábado, 18 de maio de 2013

Os erros de comunicação de Cavaco, minha opinião no JN

O Jornal de Notícias ouviu-me ontem sobre os sucessivos erros comunicacionais de Cavaco Silva. Em causa foram as ridículas intervenções sobre Nossa Senhora na avaliação da troika e os erros de português numa visita ao Minho em que mencionou duas vezes a palavra «cidadões», que não existe.

O que disse foi simples: Cavaco Silva sempre teve dificuldades pessoais de comunicação e não é um comunicador. Concebeu a sua acção política centrada nos seus silêncios. Quando fala demais comete erros.

Depois, nota-se que lhe falta a sua muleta de anos, o Fernando Lima, há muito afastado por ele do seu "inner circle" e sempre foi o seu homem de confiança na comunicação. Hoje em dia, Cavaco julga que pode controlar tudo, mas são poucos os que o aconselham e ainda menos os que ele ouve.

Por último,  tolerância dos portugueses com os políticos é nula e ele é um dos responsáveis por esse facto. E sem essa tolerância, os erros sobressaem muito mais.

quinta-feira, 16 de maio de 2013

A crueldade

«A crueldade é uma dádiva que a humanidade deu a si mesma»

em "Hannibal", magnífica série que passa no AXN

Carta ao dr. António Mexia

Conheço o dr. António Mexia, tenho uma boa relação e simpatia por ele. Tem várias características que fazem dele um bom líder.

Mas há uma coisa que ele deveria saber: não se deve falar de chaminés se não se percebe nada de chaminés. Ele não é um homem de futebol, nem liga muito, logo, ao pronunciar-se sobre futebol e criando um soundbyte polémico corria o risco de ser aproveitado, gozado e menosprezado. Foi o que aconteceu.

António Mexia fica associado ao fracasso, à semana do minuto 92 do Benfica, quando afirmou que era bom para o PIB a vitória do clube no campeonato. Neste momento o PIB, segundo as palavras dele, ficou afectado. Pinto da Costa gozou e adeptos de outros clubes marcaram-no, pois no futebol há tribos, não é propriamente o universo da Experimenta Design.

Mexia tem muita gente competente a trabalhar com ele. Está o Paulo Campos Costa e o Sérgio Figueiredo, por exemplo, entre muitos outros na área de comunicação. Mas há uma linha que separa os jornalistas de consultores de comunicação.

Nem todos os jornalistas têm talento para serem especialistas em comunicação, nem todos os consultores de comunicação dão bons jornalistas. António Mexia até ouve conselhos, tem esse cuidado. Da próxima vez, aconselhe-se melhor para evitar cair no ridículo, Já caíu.

quarta-feira, 15 de maio de 2013

O que faria LF Vieira se fosse um líder

Ao contrário do que ele pensa, Luis Filipe Vieira não é um grande presidente. Tem feito excelentes negócios e parcerias com os contactos que lhe advêm do estatuto de ser presidente do Benfica, mas como líder de uma colectividade desportiva é fraco.

Mostrou indecisão quanto à renovação de Jorge Jesus durante toda a época, e o futebol é o pólo principal de qualquer clube que anda na I Liga, depois mostrou que era o seu treinador mas sem confirmar a renovação do contrato no pós-Marítimo, julgando que ia ser campeão após essa vitória.

Mas a sua colectividade caiu, à imagem do treinador, de joelhos, no Dragão. Um golpe moral a quem andava de peito feito a reservar o Marquês.

Então, o que deveria fazer Vieira antes de uma final europeia? Simples: se Jesus é o treinador para a próxima temporada (duvido que seja já um facto consumado em contrato), para dar confiança e recuperar a moral, anunciava ontem, e mostrava o contrato, que Jorge Jesus era o seu homem para os próximos anos.

O problema de Vieira é que ao nível do «comércio de pneus» pode ser muito bom, como líder é fraco. Quem não nasceu para liderar, nunca chegará lá. Aprenda com o seu ex-amigo de casa, o do Porto, um dito Papa. É com ele que sonha todas as noites. É o seu fantasma.

O Governo está cego no aumento do IVA da hotelaria

Temos petróleo em Portugal? Sim. Chama-se Turismo. É por aqui que Portugal tem de investir para ter o retorno de se tornar um incontornável destino para os endinheirados que querem passar férias, jogar golfe, desfrutar da beleza de Lisboa e de outros locais, tantos, de Portugal, experimentar a nossa fantástica gastronomia, passear por um País que, apesar de tudo, é tranquilo.

Os senhores da OCDE mandaram aumentar o IVA e o Governo que tem o prestígio internacional de um moço de fretes, cego, baixa a cabeça e engole sem tugir nem mugir, sem estratégia, o que lhe mandam.

Se perdemos competitividade na hotelaria, outros destinos passam a estar no mapa. É muito difícil lidar com um Governo português que não percebe nada de Portugal. Mata-se o turismo. Também já se matou agricultura, pescas, indústria, porque os da Europa mandaram. Afinal de contas temos um Governo para quê? Apenas para cobrar impostos?

PR After Work de Verão

Dia 23, às 18.30h, mais uma jornada de convívio dos profissionais de Conselho em Comunicação, mas uma iniciativa sempre aberta a outras áreas relacionadas com os consultores, o PR After Work.

Desta feita, será num dos mais fantásticos locais de Lisboa, com uma vista privilegiada sobre a cidade: o Silk, ali no Chiado. Um dos meus lugares preferidos para estar em «sunset» e agora à noite com o restaurante de eleição que lá está o Sushi Fashion.

Até lá, vamos ver se ainda haverá mais surpresas...

domingo, 12 de maio de 2013

A tensão do combate Jesus/Vitor Pereira: imagens do ano

O desporto proporciona magníficas imagens, não só dos atletas mas também de quem está fora de campo. Ontem, viveu-se quase uma final de um campeonato. Tudo se podia resolver ali.

Um passe de Liedson, um remate cruzado de um menino irreverente, Kelvin, e as duas imagens do ano ao mesmo tempo: Jorge Jesus cai, de joelhos, como que não acreditando na sorte, ou neste caso no azar, e Vitor Pereira correndo, chorando, como que agradecendo um milagre, uma benção.

A sorte premeia os audazes e o treinador do Porto foi mais audaz. A tensão do combate é brutal. Num segundo, essa tensão explode. Depois de uma semana de comunicação intensa nos media e de uma guerra psicológica sem quartel.

O desporto, neste caso o futebol, é tudo isto. Artistas, golos, adeptos, comunicação, psicologia. Por isso é que é o desporto-rei.

sexta-feira, 10 de maio de 2013

Autárquicas serão manifestação forte de desagrado ao Governo

As eleições autárquicas serão o teste ao descontentamento dos portugueses. Em 2001 uma grande vitória do PSD e conquista de várias cidades e subsequente abandono de António Guterres.

O problema é que em 2013 o descontentamento com o actual Governo é muito superior e mais grave que ao de então. Por isso, para lá da abstenção, o voto de protesto marcará esse acto eleitoral. E surge hoje a primeira sondagem, pode ver por aqui, que dá ao PS mais preferências do que PSD e CDS juntos, é sintomático nesta fase.

Os fâs de Manuela Ferreira Leite e o passeio de Seguro

É muito interessante de ver como Manuela Ferreira Leite tem hoje mais fâs do que quando era líder do PSD. É normal, porque desatou a vestir a opinião do povo - nisso não faz mal nenhum - e tem arrasado semanalmente o Governo.

Não é a única, muitos outros seus companheiros de partido decidiram fazer o mesmo. Sendo assim, basta a António José Seguro ter o PS tranquilo e aparentemente unido que não precisa de se desgastar no combate político. Fará um passeio Seguro até São Bento.

quinta-feira, 9 de maio de 2013

A "coesão da coligação"

Leio esta notícia do Expresso e vejo que há um esforço de «afinação» dos discursos de PSD e CDS. Quem a lê pergunta: mas não deviam estar afinados desde o início do Governo?

Esse é o problema duma coligação de dois partidos que enfrenta uma grave crise económica, mas também uma grave crise de confiança. Hoje, vivem o presente, mas no futuro querem evitar o máximo de penalização sobre as medidas impostas. É um equilíbrio difícil.

quarta-feira, 8 de maio de 2013

A esquerda adora temas fracturantes e esquece o essencial

«A legalização do cultivo de canábis para uso pessoal e a criação de clubes específicos para o consumo constam de um projeto de lei apresentado pelo Bloco de Esquerda e que hoje será discutido no Parlamento», leio no CM.

A esquerda, a mais esquerdóide, não perde a oportunidade de entrar nos temas fracturantes. Adoram-nos. O problema é o de sempre, desviar as atenções do essencial. Gostava de ouvir, e não ouvi até agora, propostas concretas da brigada dos costumes do Bloco de Esquerda como alternativa para a crise.

Não basta dizer que tem de se correr com o Governo, mas sim apresentar propostas credíveis que agradem às pessoas e sejam importantes para ultrapassar a crise. Os portugueses desejam isso e não a criação de clubes para fumar erva, não consta que este tema seja prioritário.

"Sir" Alex Ferguson

Quando surgiu no Manchester United, vindo do Aberdeen, demorou algum tempo a ganhar. Mas souberam dar-lhe o tempo e as condições para depois ganhar muitas vezes e ficar o clube e o seu nome a marcarem quase duas décadas de vitórias.

«Somos muito rigorosos em nossas seleções. Temos que ser, para estarmos à frente. Gostamos de pegar em jogadores jovens e desenvolvê-los. Eles parecem evoluir bastante vindo para cá. Essa é uma tradição histórica do clube. Jogadores jovens no primeiro time do Manchester United não é algo excepcional, faz parte da identidade do clube» (Setembro de 2009) 

Saliento esta frase pois, como faz com os seus cavalos, outra das suas grandes paixões, Alex Ferguson soube potenciar talentos que saíram da sua escola ou foram adquirir a outros clubes, como o caso do nosso Cristiano Ronaldo.

"Sir" Alex já foi homenageado em vida e ainda bem. Mas será um nome lendário e também ele sempre usou a comunicação na preparação dos embates com os adversários. Com mais de 70 anos, olhamos para ele e continuamos a ver a mesma paixão pelo jogo e a ambição por sempre mais conquistas, como se fosse um miúdo. Acho que todo o respeito lhe é devido por quem gosta de futebol. Pela sua liderança, pela sua qualidade de jogo, pelos talentos que potenciou. Muito obrigado.

11 maneiras de criar a agência de comunicação do futuro

Via Luis Paixão Martins sugiro a leitura deste post do Holmes Report, sobre como "desenhar" uma agência de comunicação do futuro. Mas acrescento mais um ponto: o posicionamento das agências como verdadeiros centros de networking e criar ligações entre as pessoas. Com isso virá mais negócio para as nossas empresas e para as pessoas que ligamos.

terça-feira, 7 de maio de 2013

Mas o Governo anda a brincar à comunicação e credibilidade?

Na sexta-feira, Pedro Passos Coelho anuncia medidas penalizadoras para reformados e pensionistas. Repito, não foi uma notícia de jornal, foi uma comunicação solene do sr. Primeiro-Ministro.

Domingo, Paulo Portas diz que é contra mas deixa passar a medida. Uma comunicação também, na sede do seu partido, e não uma notícia.

Agora. leio por aqui, que a propalada taxa sobre reformados e pensionistas não vai avançar. Se fosse outro o Primeiro-Ministro caía o Carmo e a Trindade, mas o mais grave é que não se podem anunciar medidas que, ainda bem, não avançam.

Comunicacionalmente é um desastre, politicamente é a perda de credibilidade total.

Zuckerberg adia negócio de milhões para ver a "Guerra dos Tronos"

Através do twitter do Luis Spencer Freitas apanho esta notícia. Só Mark Zuckerberg tem este à vontade para adiar um negócio de milhões. E também mostra a força da série "A Guerra dos Tronos".

Os erros do homem

«O verdadeiro tesouro do homem é o tesouro dos seus erros»

Ortega y Gasset

segunda-feira, 6 de maio de 2013

O problema de Marques Mendes e os comentadores políticos

Manuel Alegre ataca hoje pela fresca Luis Marques Mendes por este, no seu espaço de opinião na SIC, ter anunciado para breve uma reunião do Conselho de Estado: “Ninguém pode falar pelo Presidente da República e não me consta que Marques Mendes tenha sido nomeado porta-voz do Conselho de Estado. Aliás, o Conselho de Estado não tem porta-voz”.

O problema de Marques Mendes é um problema de afirmação como comentador no universo mediático. Usa soundbytes fortes, mas sobretudo tem a propensão para vestir a pele de jornalista e dar «cachas». Ora, neste caso, isso saiu-lhe mal, pois sendo membro do Conselho de Estado não pode usar informação privilegiada, se a tem, sobre a realização do mesmo.

Portugal é o único País do mundo que tem políticos a fazer de comentadores em «prime-time» nas televisões generalistas. Se já há um cansaço com a classe política em geral, um dia destes as televisões vão descobrir que há cansaço com este tipo de comentadores.

O incêndio programado de José Mourinho

Todos os dias os media espanhois trazem uma história suculenta sobre José Mourinho. Convido a ler esta, sabendo que o El Pais foi dos mais críticos contra o treinador português. Chamo a atenção que esta teoria anunciada hoje, prova que para lá de genial em comunicação, o Special One é um estratega ao nível dos melhores generais da História.

domingo, 5 de maio de 2013

O momento Portas de hoje

A ver a intervenção de Paulo Portas anunciada com grande "suspense", vejo um líder que sente que seria muito melhor Primeiro-Ministro do que o actual. É nestes momentos que Portas mostra que está a dar uma aula de como devia ser feito a Pedro Passos Coelho. Na televisão, para todos os portugueses verem.

Sugestões para a semana (9-2013)

Livros

"A Descoberta do Mundo", Clarice Lispector, Relógio D`Água, 690 páginas. É um livro para ser saboreado devagar, para tirarmos mais prazer da escrita desta genial escritora. Tenho transcrito algumas pérolas deste livro, no meu mural no facebook, que guarda as crónicas que ela escreveu para o Jornal do Brasil entre 1967 e 1973. É para ter sempre ao lado.

"O Mistério do Lago", Arnaldur Indridason, Porto Editora, 312 pág. Para quem tem dúvidas que os melhores policiais^da actualidade vêm dos países nórdicos, leiam o segundo livro por cá publicado deste escritor islandês. O primeiro, "A Voz", é notável, este tem os mesmos ingredientes.

Cinema

"Fear and Desire", Stanley Kubrick. A sua primeira longa-metragem e a mais desconhecida, pois o grande realizador praticamente esqueceu que a fez. Mas estão cá algumas das ideias posteriores de Kubrick.

"Repulsa", Roman Polanski. Para mim, o filme mais genial dele. Catherine Deneuve, sexualmente reprimida, vive à distãncia a paixão da sua irmã, até entrar em loucura.

Documentários

Amanhã, pelas 22h, na RTP2, RKO-Uma história de Hollywood, sobre um dos maiores estúdios da meca do cinema, que atravessou a fase de ouro e foi à falência nos anos 50. Para os amantes do cinema, eu já vi, e vale a pena ver

Na sexta-feira à 1 hora, no ARTE, um documentário sobre Isabelle Adjani, uma das mais belas actrizes francesas.

Séries

No sábado, estreia às 20.30h no AXN Black a 5a e última temporada de Damages-Sem Escrúpulos, uma das grandes séries dos últimos anos, com Glen Close no seu melhor.

E segunda na FOX estreia uma série policial europeia, com Jean Reno no papel principal

E chamo a atenção para a série que se estreou no TVCSéries, "Magic City", passada em Miami no final dos anos 80, com uma recriação de época fantástica.

Revistas

A última edição da revista do Le Monde (Hors-série) chama-se "La Vie en Séries". Na capa, os carismáticos "Dexter" e a "Emma Peel" (a personagem da Diana Rigg no clássico "Os Vingadores). São 98 páginas com o melhor e a maneira de criar as melhores séries de tv.

Na Lire (também edição "Hors-série"), "Un siécle de BD". Na capa, Spirou, Blake & Mortimer, Astérix, Alix, entre outros. Lá dentro, 100 páginas com tudo sobre os heróis da BD.

Restaurante

Uma das melhores vistas de Lisboa está no SILK, no Chiado. Agora, junta-se o útil ao agradável com o seu casamento com o Sushi Fashion do Chiado que para ali se muda. Um abraço especial e desejos de felicidades ao Nuno Machado Lopes, do Silk, e ao Luis Ferlov do Sushi Fashion, o melhor japonês de Lisboa.

Estão a apagar as fotos com Pedro Passos Coelho

Foi uma tendência iniciada nas regionais dos Açores, com Berta Cabral, que por acaso, posteriormente até foi recompensada com um lugar no Governo. Isto é. face à impopularidade do Governo, muitos candidatos do PSD querem enganar as pessoas fazendo-se passar por independentes.

Uns apagam o símbolo do PSD numa fase inicial, para mostrar que o que os motiva é a terra a que concorrem. Outros, criam movimentos ditos independentes apagando as siglas partidárias.

Pois bem meus amigos, em comunicação política, Roma não paga a traidores. Não tentem enganar as pessoas, o eleitorado não é estúpido. Ao contrário do que tentam fazer, quem é do PSD deve continuar PSD. Não andem a correr a apagar as fotos juntinhos com Pedro Pssos Coelho, fica-lhes mal.

sábado, 4 de maio de 2013

A alma dos livros

«Dá tanto trabalho escrever um livro mau como um bom. Ele brota com igual sinceridade da alma do autor»

Aldous Huxley

Ramalho Eanes´é o Mandatário de João Cordeiro em Cascais

Leio hoje no Expresso e Correio da Manhã e ouvi na TSF que o general Ramalho Eanes será o mandatário de João Cordeiro em Cascais. Um dos homens que mais respeito pela sua carreira ao serviço de Portugal, um homem sério, credível, honesto e sensato, apoia claramente um independente com obra feita. É bom para a democracia e é muito bom para Cascais.

Para uma terra que não tem tido sorte com os seus presidentes, mas que é uma das mais belas terras de Portugal, com potencialidades únicas, ter a sorte de ter um candidato como João Cordeiro é muito importante.

Ele comandou a Associação Nacional de Farmácias durante mais de 30 anos. Transformou uma série de micro-empresas, que são as farmácias, que estavam distribuídas por todo o País numa corporação forte, moderna e unida. Na ANF, em defesa da sua dama, combateu todos os Governos sem excepção. E foram épicas algumas das suas batalhas.

É a sua capacidade de liderança, de combate, que motivaram, julgo eu, o PS para o convidar para liderar uma candidatura à terra onde nasceu. João Cordeiro é independente, tem mérito e reconhecida competência. Algo que muita falta faz à política em Portugal.

Cascais é governada por uma coligação PSD/CDS, tal como o Governo actual de Portugal. António Capucho, um nome de prestígio, por motivos de saúde, abandonou a autarquia, deixando-a nas mãos do seu número 2, um político profissional que apenas tem a contabilidade da cerveja de Sousa Cintra, que foi à falência, no currículo, pois de resto é um político como todos os outros políticos que nada fizeram na vida a não ser cacicar votos e depois mordomias para os seus "boys".

Será muito difícil a João Cordeiro ganhar esta câmara, tradicionalmente de centro-direita, mas o combate saudável contra a impunidade dos políticos tradicionais e por melhor gestão da autarquia é algo que os cascalenses, pelo menos, vão agradecer.

sexta-feira, 3 de maio de 2013

As 10 medidas que Passos Coelho vai apresentar ás 20h

1 Pessoas não podem comprar nada

2 Fechar mais 100 mil empresas

3 Não tomar banho

4 Saúde passa a ser toda paga

5 Educação passa toda a ser paga

6 Confiscar as poupanças de todos os reformados que trabalharam toda a vida

7 Projecto de cooperação com a Rússia para turismo na Sibéria para quem se recusar a cumprir

8 Um fiscal do fisco em cima de qualquer pessoa. Vão recrutar na Indonésia que tem muita gente

9 Promessa de criação de mais 250 mil postos de...desemprego

10 Reforçar os poderes de Vitor Gaspar que tem sido um génio das finanças mas falhou em tudo

quinta-feira, 2 de maio de 2013

O verde no outdoor de Sócrates e no fundo de Seguro

No episódio transmitido pela Fox, esta semana, da magnífica série "The Good Wife", aconteceu um diálogo entre Eli Gold (o especialista em comunicação) com a sua ex-mulher que se candidata a um cargo político, sobre o seu material de campanha, que rezava assim:

- «Não escolhas o fundo verde», diz Eli

- «Porquê? Tem a ver com a Natureza», responde ela

- «Os eleitores não pensam na Natureza quando vêem verde, pensam em problemas de pele», conclui Eli.

Lembrei-me de um dos mais perfeitos outdoors das últimas décadas em Portugal. O "Voltar a Acreditar», de José Sócrates, quando conquistou o poder em 2005. Para lá daquele pormenor em que até os olhos dele brilhavam no outdoor, o fundo era verde. No último congresso do PS, nos dois primeiros dias o fundo foi sempre vermelho. Mas no último dia, trocou o fundo por verde.

O verde é uma cor tão boa como outra qualquer. Em termos técnicos têm características diversas, mas todas são possíveis de utilizar na comunicação política, consoante o candidato e o adversário que se tem.

Aqui, o Eli Gold não tem razão. Até porque neste caso o Don Draper, de "Mad Men", é mais sabedor. Numa das temporadas diz o seguinte: «o verde é a cor preferida das domésticas». Elas são um eleitorado muito importante.

quarta-feira, 1 de maio de 2013

João Capela Gabriel e a verdade desportiva

Já escrevi que não tenho nenhuma simpatia especial pela figura do director de comunicação do Benfica, mas também já reconheci que é um bom profissional e desempenha bem a função para que foi contratado.

Nos momentos quentes, é ele que dá o peito às balas, protegendo o seu presidente e assumindo ele os riscos do conflito. Mais uma vez João Gabriel volta a centrar em si o combate aos rivais do norte, desferindo um ataque com o escudo da «defesa da honra» da sua colectividade.

Pouco me importa a clivagem entre essas duas colectividades e o estilo habitual de João Gabriel. Agora, o que sei, como verão por aqui, é que ele tenta fazer o branqueamento de um roubo de Capela em que o prejudicado foi o Sporting Clube de Portugal e tenta passar por cima desse assunto.sem o mencionar.

«Durante uma semana, mantivemo-nos em silêncio, mas terminou. Foi a campanha mais baixa, incendiária, fraudulenta e imoral que me lembro de existir desde que cheguei ao Benfica. Uma campanha de insinuações e mentiras, e que esperava retirar dividendos do clima de intimidação que foi criado», diz a figura.

O problema é que o Sporting foi roubado, claramente roubado e as entidades do desporto já o reconheceram, metendo na jarra o árbitro João Capela que alterou a verdade desportiva prejudicando o meu clube. Por isso, o que foi «fraudulento e imoral» foi o que se passou há mais de uma semana na Luz.

De resto, se a colectividade de João Gabriel ganhar o título que pretende, resta-me felicitá-los pelo primeiro título numa nova modalidade: um campeonato de Capela. Os meus parabéns à fraude e à imoralidade.