sexta-feira, 30 de maio de 2014

Feira do Livro 2014

Gosto de ir à Feira do Livro logo no primeiro dia. É uma tradição que tenho e cumpri-a ontem. Destaco a Porto Editora que é a editora do ano e dos próximos anos, negativamente, a Babel, que até mudou de lado (passou para a direita) e perdeu fulgor. Mas para quem procura livros de qualidade mais baratos, do lado esquerdo, encontrará a Relógio d`Água com um catálogo a baixo preço fabuloso.

Encontrei por lá a minha amiga Ana Catarina Santos da TSF  que estava em trabalho. Logo lhe disse o seguinte: o mercado editorial apesar de lançar muitos títulos está pobre e isso nota-se na edição deste ano.

A destacar os espaços de lazer, este ano há bastantes e com bom gosto. A APEL apostou bem nas esplanadas, no vinho do Porto, nas pizzas, etc. A Feira do Livro é um local agradável, de convívio, de convívio com os livros, mas é também um espaço de fruição da nossa cidade. Um local sempre a visitar.

quinta-feira, 29 de maio de 2014

O PS é um manicómio

O País está como está, os portugueses estão como estão, o Governo teve um resultado humilhante no domingo e o PS passa o foco da crise para dentro da sua organização.

Julgava que António José Seguro era amigo de Pedro Passos Coelho, desde há muitos anos, agora com a relação mais congelada por causa dos cargos que ocupam. Desconhecia era que o melhor amigo de Pedro Passos Coelho era António Costa.

Durante as eleições autárquicas, escrevi que em Lisboa, verdadeiramente, os candidatos a presidente eram dois fernandos: o Medina e o Seara. Aquando da acção de promoção da nossa cidade em Madrid, por causa da final da Champions e até demos as chaves da cidade a Ana Botella, escrevi no meu twitter: «uma boa acção de promoção do presidente da Câmara Municipal de Lisboa, fernando Medina».

Só quem não conhece o "killer instinct" de António Costa se surpreende com este seu avanço. Ele é um bom político, sempre apaparicado pelo universo mediático. Mas tem os seus caprichos. Estava escrito nas estrelas (como um dia esteve para Pedro Santana Lopes) que os seus movimentos não passariam apenas por Lisboa.

Nos próximos meses, a acção do Governo terá como seu melhor spin doctor a guerra no PS. A política serve para melhorar a vida das pessoas. Mas no seu núcleo central está sempre a ambição dos homens. Os portugueses, por vezes, não percebem a ambição, mas compreendem os manicómios. O PS, nos próximos tempos, será um manicómio.  

quarta-feira, 28 de maio de 2014

Para o totobola no BES mais dois nomes

A novela diária da imprensa económica é a sucessão no BES. Hoje, o Público  mostra uma proposta com sugestões de nomes para uma nova gestão no banco. Dela constam José Maria Ricciardi (JMR), José Honório e Joaquim Goes. Mas esqueceram-se de mais dois: dessa lista enviada ao Banco de Portugal por JMR estão também João Pena e João Brito e Cunha.

E para lá dos nomes que revelo em primeira mão, posso garantir que Manel Palitos não consta.

O falso líder

O falso líder é fácil de achar. Ele não erra, porque não age. É o estadista do óbvio. O líder carismático e sua versão moderna, que é uma caricatura de liderança, com esgares e objurgatórias, são ainda mais
fáceis de improvisar. O falso líder não sobrevive a uma crise. O líder carismático só sabe viver dentro dela. O líder verdadeiramente democrático tem sempre má aparência, pois resulta de uma colagem de todas as posições. Líderes da linhagem faraónica erguem monumentos e cidades. Outros gravam a sua voz no subconsciente colectivo do povo. Outros, ainda, incensam a população para que esta, vaidosa, se deixe levar por uma ilusão de autossuficiência e se feche para a realidade dos outros povos, o grande termo de comparação para saber como vai sua vida.

Tirado de "A República das Abelhas", de Rodrigo Lacerda, Companhia das Letras

terça-feira, 27 de maio de 2014

Demagogos de todo o mundo, uni-vos!

«Uma greve geral de silêncio faria os ouvintes reclamarem a volta dos discursos e dos debates políticos, nos quais ninguém aprende senão uma grande verdade: a de que há um fundo de confusão em todas as mais claras noções, mas que essa confusão é melhor do que qualquer outra opção. Demagogos de todo o mundo uni-vos»

Ronaldo Lacerda, "A República das Abelhas". Um grande livro que recomendo.

segunda-feira, 26 de maio de 2014

Acordar com sintomas perigosos

Acordar com a sensação de que a maior parte dos portugueses está farto desta classe política, que não mobiliza nem representa ninguém, para um tipo que gosta e respeita a política é um mau sintoma.

Acordar com a sensação de que a Europa perdeu a credibilidade, não tem respostas comuns, marcha de igual forma para os braços do populismo e de um extremismo perigoso, é um mau sintoma.

Acordar com a sensação que os portugueses acham os políticos portugueses tão maus, tão sem capacidade de ser diferentes, tão sem alma, que nos levarão por ausência de alternativa para um "Big" Bloco Central de governação com PS/PSD/CDS é um mau sintoma.

Acordei com sintomas perigosos.

quinta-feira, 22 de maio de 2014

As perguntas que não fizeram e todos queríamos ouvir nestas europeias

1- Defende a Europa como está ou devemos caminhar para um federalismo?

2- Moeda única ou regresso do escudo?

3- Como dar voz aos interesses dos países periféricos face à força das potências europeias?

4- O que Portugal tem a ganhar permanecendo na UE?

5- Que respostas tem a UE para dar quanto à questão da emigração?

6- Que propostas a UE tem para mitigar o desemprego e a crise europeia?

7- A UE mandou matar a nossa agricultura e pescas, como vamos retomar a produção no sector primário e na economia do mar?    

segunda-feira, 19 de maio de 2014

Marques Mendes lança Miss Swap para líder do PSD

No seu comentário semanal na SIC, Luis Marques Mendes, lançou Maria Luis Albuquerque para líder do PSD. Meu comentário: os portugueses têm memória curta, mas têm. Não, obrigado.

Imprensa a mexer e é bom

O Expresso on line espoletou uma movimentação no mercado de imprensa interessante. O Negócios mudou o grafismo, o Público também vai evoluir e hoje nasce o Observador.

Num mercado publicitário que ainda está em recessão, a todos saúdo pelo investimento e porque mais e melhor informação é positivo para uma sociedade democrática. Não sei como ficará o mercado, mas é bom que a imprensa dê estes sinais de saída do marasmo.

sábado, 10 de maio de 2014

Sem medo de ser julgado

«O presidente do PSD e primeiro-ministro declarou-se hoje sem medo de ser julgado nas eleições europeias, considerando que o Governo cumpriu as suas obrigações e que os eleitores não desejam uma mudança para as políticas do PS», retiro do DN.

O soundbyte é bom, reforça a ideia de que o seu rumo é o mesmo do início, sem cedências a eleições. Porém, ele sabe que para lá da abstenção record, pois as europeias não motivam minimamente os portugueses e as campanhas de Rangel e Assis têm sido ridículas e nem chamam a atenção, o que estará no segredo da cruzinha no boletim de voto é a contestação, ou não, a Pedro Passos Coelho.

quarta-feira, 7 de maio de 2014

A narrativa da saída limpa

O Governo tem direito a construir a sua narrativa de sucesso. Estipulou um rumo, teve pouco jogo de cintura que podia ter dado sinais dele umas vezes, e nunca abdicou dele, lançou antes o DEO e depois apresentou a saída limpa como uma grande vitória.

Enquanto narrativa e retórica para os mercados até pode ser eficaz. Mas há uma coisa que já salientei e que é muito mais importante: governar, fazer política, deve visar a melhoria da vida das pessoas. Não sei se as pessoas percebem bem o que é isto de saídas limpas, cautelares e afins. Sei apenas que percebem duas coisas: não querem ser violentadas a torto e a direito com impostos para tudo e querem mais dinheiro nos bolsos. Quando estes dois itens forem alcançados, que se celebre a narrativa.

domingo, 4 de maio de 2014

Sugestões para a semana (3-2014)

Livros

Lotte em Weimar, Thomas Mann, Veja, 294 páginas. Um dos maiores génios da literatura numa das suas mais desconhecidas obras em Portugal e a que chega agora tradução. Os abismos da Alemanha no início do século XX.

Vertigens.Impressões, W. G. Sebald, Teorema, 200 pág. Um dos mais fascinantes e originais criadores de personagens e situações, culto, mistura uma série de referências da cultura para este livro imperdível.

A Mulher de Verde, Arnaldur Indridason, Porto Editora, 264 pág. Um dos autores de primeira linha dos policiais nórdicos. Islandês do qual já anteriormente tinham sido editados os magníficos "A Voz" e "O Mistério do Lago". Prosa cortante, tocando em alguns dos maiores dramas familiares. Grande companhia para a praia.

Cinema

Tropicália, de Marcelo Machado. Documentário sobre um dos movimentos mais marcantes da música brasileira. Com Caetano, Gilberto Gil, Mutantes, entre tantos outros.

.festa do cinema italiano. Uma caixa com 4 películas com Shun Li e o Poeta, Uma Conspiração italiana (de Marco Tulio Giordano), Scialla e um documentário sobre o Benfica-Turim que levou à conhecida tragédia da equipa italiana.

Na Tv, esta semana, recomendo no próximo sábado na RTP2,  às 22.15H, "Vencer", um magistral  filme do Marco Belocchio sobre o segredo mais bem guardado de Benito Mussolini.

Séries

Estamos numa época em que algumas acabam, mantendo-se em destaque para mim "Hannibal" e "The Good Wife", agora que terminaram "True Detective" e "The Killing" (a original dinamarquesa). A grande estreia é hoje, às 23h, no TVSeries, " fargo", baseada no filme dos irmãos Coen.

Música

Um dos cd`s de 2014 é sem dúvida o novo da Neneh Cherry que regressa no seu melhor, poderosa, a tocar várias áreas.

Restaurante

Lisboa à Noite, no Bairro Alto, já o indiquei aqui várias vezes, jantei lá na sexta e ontem, com uma gastronomia e escolha de vinhos de eleição e um serviço de qualidade e simpatia.