quinta-feira, 31 de março de 2011

Oráculo (244)

«Em matéria de amor, o silêncio vale mais do que a fala»

Pascal

quarta-feira, 30 de março de 2011

Este senhor não tem vergonha

Nunca gostei muito de Jorge Sampaio. Quando foi Presidente da Câmara de Lisboa, fez uma mão cheia de Planos e nada fez.

Depois saltou para Belém, enganando os lisboetas que votaram nele. Ali instalado carregou no botão vermelho da bomba atómica constitucional para derrubar uma maioria sólida na AR e pôr em S. Bento os seus "compagnons de route».

Assim, este senhor é um dos maiores responsáveis, juntamente com Cavaco Silva, da situação que o país atravessa, às portas da miséria.

Há uma semana pronunciou-se com uma lata desmedida sobre a crise política, ele que foi um dos pais da situação.

Agora é sobre Guimarães-Capital da Cultura. E no domingo, viu-o em Alvalade, acompanhado do irmão e do sobrinho que é o psicólogo de serviço de Bruno Carvalho.

O melhor é que este cavalheiro ganhasse um pingo de vergonha.

Antes de casa roubada...

Toda a gente se lembra do pobre espectáculo das últimas presidenciais em que alguns milhares não puderam votar e muitos outros tiveram que perder o seu tempo para conferir os dados do seu cartão de cidadão.

Desta vez a CNE faz já prevenção, passando o ónus para o cidadão. Por aqui.

O problema do Sporting

Só uma nota de reflexão: durante as eleições discutiu-se dinheiro, depois das eleições discute-se no tribunal. A discussão deve ser em campo (não só do futebol) contra adversários. Este é o grande problema do Sporting.

PR After Work - Club Edition

Vai haver amanhã a quarta edição em Lisboa do PR After Work, desta feita uma Club Edition, na esplanada do Le Chat, ali para as janelas verdes ao pé do Museu de Arte Antiga.

Espera-se mais um momento de sã convivência entre os profissionais de comunicação, como têm sido todos os anteriores eventos.

Pode ver aqui pelo PiaR

Boa jogada de Passos Coelho

Ontem comentei uma notícia que afinal o Público depois rectificou sobre o IVA, não havendo contradições entre Carlos Moedas e o líder do PSD.

Hoje, vejo esta boa declaração de Pedro Passos Coelho. Como qualquer seguidor da política sabe, Sócrates vai jogar com a inexperiência de Passos, o liberalismo e a sua ideia de algumas privatizações (a de parte de CGD não concordo) e vai dizer que o PSD vai acabar com os programas sociais e o Serviço Nacional de Saúde, como já fez no discurso de domingo.

Pedro Passos Coelho responde bem neste terreno: «menos cimento e mais programas sociais», como pode acompanhar por aqui.

terça-feira, 29 de março de 2011

Brasil ajuda Portugal

Dilma diz que o Brasil pode ajudar a economia portuguesa. Olha que «góstôso».

Boa manobra de Godinho Lopes

O novo Presidente do Sporting quer pacificar os adeptos e já está a trabalhar. Deu três boas indicações estratégicas:

1- disse querer liderança forte e visitou Academia para tranquilizar plantel

2- Marcou reuniões com todos os candidatos para preparar a auditoria externa e deseja contar com eles

3- Hoje, os seus homens para o futebol, Duque e Freitas, desdobram-se em entrevistas a garantir que o próximo plantel e reforços estão em construção.

E para terminar em beleza, disse querer Bruno Carvalho ao seu lado. Se este aceitar, é um sinal de integração e de ganhar experiência, uma vez que não tem qualquer importante experiência de gestão.

Se este recusar, está a trabalhar para um Sporting dividido e perdedor. Uma boa manobra de Godinho Lopes.

Assim não...

O PSD está mais do que bem posicionado para vir a governar Portugal. Só ainda não se sabe se consegue maioria absoluta.

Mas deve evitar contradições nesta fase que será de crescimento e afirmação, com apresentação das suas propostas e programa de Governo.

Carlos Moedas agora diz o contrário de Pedro passos Coelho, que já tinha dito o contrário do que tinha dito acerca do IVA. Ver por aqui.

segunda-feira, 28 de março de 2011

Óscar da arquitectura para Souto Moura

Siza já o ganhou, agora um site dá em primeira mão que o Pritzker vai para Souto Moura.

Os arquitectos são os novos criadores de monumentos, da paisagem urbana e do dinamismo das cidades, se vier o prémio é um bom sinal para a nossa arquitectura, que é uma forma de arte. pode ler por aqui.

A salada russa da política brasileira

O "prefeito" de S. Paulo, Gilberto Kassab quer sair do DEM (ex-PFL) para fazer um novo partido.

O PSDB, fundado por Mário Covas e Fernando Henrique Cardoso, foi uma cisão paulista, que se tornou nacional, do PMDB.

Marina Silva saiu do PT para os Verdes para se candidatar ao Planalto e neste pequeno partido também já há dissidências.

A política brasileira mais do que uma democracia assente nos partidos, continua a ser dependente de caciques ou de bons cabos eleitorais. Por isso, já se viram mudanças mirabolantes de partidos por parte de vários políticos.

O que interessa, por ali, é a carreira individual pouco os partidos. Um bom post aqui no Estadão.

A importância dos fatos

Segundo um estudo da Universidade de Portsmouth, os treinadores de futebol que usem fato inspiram na equipa a sensação de serem mais eficientes dos que usam trajes desportivos.

O vestuário influencia a forma como os jogadores avaliam a capacidade técnica do comandante, leio pela Veja.

O anti-nuclear ganha na Alemanha

Os Verdes conquistam pela primeira vez o Governo de um Estado na Alemanha. O discurso base foi o anti-nuclear, agora que voltam as marchas com o mesmo tema na locomotiva da Europa.

Merkel tem mais uma derrota que é um sinal para ela, mas também para a construção europeia. Ver por aqui.

domingo, 27 de março de 2011

Um Sporting balcanizado

Fui votar pela manhã, vi pessoas de quem gosto, vi filas de gente anónima de quem sentia esperança para um futuro mais radioso.

Já se sabia que qualquer que fosse o vencedor, a sua vitória seria por pouco mais de 30%, que significaria a vitória mais fraca de sempre de um Presidente do Sporting. Qualquer que fosse o vencedor, sabia desde manhã que haveria problemas.

As televisões baseadas numa sondagem do Record deram a vitória a Bruno de Carvalho, depois corriam rumores de vitória da lista C por 600 votos, depois Rogério Alves (um dos maiores derrotados e com declarações perfeitamente ridículas) reconheceu a vitória de Bruno Carvalho, depois o volte-face e o espectáculo triste a que milhares de pessoas assistiram.

Uma nota: em termos simples de percentagem de votos BC ganhou 41% a 30 a GL, mas o universo eleitoral leonino não é um homem-um voto, Hoje, o Sporting é um clube totalmente dividido.

Vi o discurso de vitória de Godinho Lopes e foi pífio, profundamente marcado pelos acontecimentos e com a consciência de que a qualquer bola na trave vai sofrer forte contestação.

Fui apoiante de Pedro Baltazar (voltarei a sê-lo, pois o seu caminho era o melhor para o Sporting), o candidato que mais sofreu, como sei de diversas pessoas, com a bipolarização. Os que fugiram para GL com medo de BC, os que foram para BC para fugir à continuidade. À noite, quando se supunha a vitória de BC, emitiu nota para a Lusa dizendo: «sinto que em breve voltarei a falar com os sportinguistas». Prudente não se deslocou ao estádio e sábio nas suas proféticas palavras para o que estava para acontecer.

O Sporting é um grande clube e uma grande instituição, mas o processo eleitoral está ferido de morte e a sucessão peca pelo mesmo pecado.

sábado, 26 de março de 2011

Um triste Queiroz

Fui o primeiro a escrever em 1996 que «Queiroz só há um, o Eça». E o tempo tem vindo a dar razão.

Carlos Queiroz devia sair de cena e descansar. Neste momento é uma pessoa que suscita antipatia entre os portugueses.

primeiro foi Deco, depois graves suspeitas sobre Liedson e ontem as tristes declarações sobre Pepe, a linguagem e o estilo foram lamentáveis.

Para zelar pelo seu passado devia estar calado.

Oráculo (243)

«A paz possui suas vitórias, não menos ilustres que as da guerra»

John Milton

sexta-feira, 25 de março de 2011

Nota sobre o Sporting do Bruno Nogueira e minha

Como sabem Pedro Baltazar esteve infeliz no primeiro debate, depois toda a gente reconhece a evolução e a boa prestação em todos os debates onde foi amplamente elogiado.

Hoje, logo pela manhã na TSF, o humorista Bruno Nogueira dava os parabéns pela prestação nos debates a Pedro Baltazar, afirmando que o grande vencedor, como no Discurso do Rei, tinha sido, com humor, o seu terapeuta da fala.

Como não houve qualquer terapeuta da fala a trabalhar com ele, será que foi apenas trabalho de um consultor de comunicação profissional?

O dia de ontem na política portuguesa

Ontem aconteceu o que toda a gente esperava e muitos desejavam. Sócrates saiu e Cavaco não fez nada.

O país está cansado de Sócrates, do seu Governo, das suas gentes. Mas também todos sabem da sua combatividade e do desejo de voltar a ir a votos.

O país não está cansado de cavaco, aliás, reelegeu-o há pouco. Mas já lhe conhece os silêncios e o desejo de se vingar do BPN.

O país ainda suporta Passos Coelho, pois ainda não o conhece bem. Fez uma boa declaração de Estado e deu sinais integradores.

É neste caldo que se decidirá o futuro. Sócrates jogará o seu conhecimento de dossiers contra a inexperiência de Passos. Será esta a estratégia.

Auguro no próximo acto eleitoral um grande resultado do CDS.

Voto Pedro Baltazar

Os meus 10 votos de sócio 6095 do Sporting vão para Pedro Baltazar. É o melhor candidato e o mais credível.

Entendo que as coisas estão mais em aberto do que se pensa, pois a bipolarização foi forçada pela candidatura da continuidade, de Godinho Lopes.

Ao falar com 90% dos jornalistas desportivos com quem mantive contacto, a opinião é unânime de que ele é o melhor Presidente para o meu clube.

Descortinou bem o seu posicionamento, mudança credível, tem a melhor equipa, excelentes ideias e é o candidato que melhor conhece a finança e o futebol. Pode haver voto útil, devido ao receio que muitos sócios têm do novo Vale e Azevedo, mas Pedro Baltazar é o voto dos que pensam no futuro do Sporting Clube de Portugal.

Quem está contra o fracasso dos anos do projecto Roquette e da continuidade, quem não quer aventureiros à maneira de Jorge Gonçalves, só pode votar na Lista B.

PS: ontem na TVI24 o jovem aventureiro Bruno Carvalho fez-se acompanhar de novo do psicólogo, porque será?

quarta-feira, 23 de março de 2011

Sampaio com pouca vergonha

Quando responsáveis políticos, responsáveis por tudo o que se passa, lançam alertas para a situação que hoje vivemos, pode ler por aqui, é tempo de recordar o seu papel.

Jorge Sampaio ofereceu o Governo ao PS, o mesmo PS que lidera neste momento de crise. Foi Sampaio que não respeitou uma maioria no Parlamento lançando uma bomba atómica de consequências previsíveis mas de futuro imprevisível.

A história não poderá esquecer que foi com a sua conivência que nasceu o Governo de José Sócrates.

Oráculo (242)

«A crise consiste precisamente no fato de que o velho está morrendo e o novo ainda não pode nascer. Nesse interregno, uma grande variedade de sintomas mórbidos aparecem»

Gramsci

terça-feira, 22 de março de 2011

Hoje vou ao ISCSP conferenciar

Integrado no 1º Fórum de Ciências Sociais e Políticas, aceitei o convite para hoje, às 18 horas, ir ao ISCSP intervir juntamente com Nilza de Sena (ISCSP/PSD) e o professor Manuel Meirinho (do ISCSP) sobre o tema: "A importância dos media na construção da imagem política/Marketing Político"

Quem quiser que apareça.

Soares, Cavaco e a crise

E até acho que vai acontecer isto.

segunda-feira, 21 de março de 2011

Porto Canal e outras mudanças nos media do Norte

Acho magistral a iniciativa do Futebol Clube do Porto e de Pinto da Costa ao avançar para o Porto Canal. O "naming" dispensa mudanças e o Presidente do Porto percebeu bem quais as limitações do Canal Benfica.

O do rival de Lisboa é um canal para os adeptos e sócios e funciona quase em sinal fechado, o FCPorto optando por um canal de cabo generalista mas de âmbito regional, com audiência e influência, alarga muito mais a capacidade de expandir a sua marca e cativar outros públicos. Uma decisão que tem no seu epicentro a mão de Conselho em Comunicação, nomeadamente Luís Paixão Martins.

Mas a Norte o Fernando Moreira de Sá explica melhor por aqui, mas chamo a atenção da possível troca de Marcelo Rebelo de Sousa do Sol pelo Jornal de Notícias.

sábado, 19 de março de 2011

Oráculo (241)

«A única forma de ter um amigo é ser amigo»

Ralph Waldo Emerson

A crise como jogo de alta política

Sócrates tem todos os predicados de um grande jogador da alta política. Frio e astuto, matreiro a criar dificuldades ao PSD, "trouble maker" no relacionamento com Belém ao não avisar as novas medidas.

Sócrates encosta o PSD à parede e faz sentir que está preparado para eleições, deixando o ónus da crise criada para Passos Coelho.

O xadrez da política é fantástico quando se têm grandes jogadores.

sexta-feira, 18 de março de 2011

Frase mais engraçada que tenho ouvido

«O Pedro Baltazar está com nova dinâmica e melhorou muito também na TVI».

Cunha Vaz vs. Carrilho

Tenho acompanhado a guerra de tribunal entre António Cunha Vaz e Manuel Maria Carrilho.

O socialista é uma criatura ridícula, um pavão que quando mostra as suas penas demonstra a fragilidade de que pouco sabe.

Nesta guerra, penso que o sector de Conselho em Comunicação deve estar ao lado do seu colega. Mais até do que pelo António, pelos disparates que o filósofo proferiu sobre quem trabalha em Conselho em Comunicação e não devemos aceitar.

Nota de humor: se António Cunha Vaz ganhar o processo, a indemnização reverterá para as vítimas de violência doméstica.

Pontos fortes e fracos dos candidatos ao Sporting

A pouco mais de uma semana para as eleições do Sporting, deixo aqui uma análise aos pontos fortes e fracos dos candidatos ao Sporting, e mais umas notas.

Abrantes Mendes

Pontos Fortes - um sportinguista saudoso de outros de que todos gostam de ouvir falar, que teve o condão de sempre criticar o projecto Roquette e que tem feito uma campanha digna mas muito apagada.

Pontos Fracos - este não é o tempo dele, sente-se que ainda pode abdicar da corrida em favor de alguém e neste momento é o candidato que se encontra atrás no pelotão de candidatos sem perspectivas de subida.

Bruno Carvalho

Pontos Fortes - tem uma colocação de voz excelente, fala bem e contactou cedo com os núcleos. Conseguiu Inácio que é um bom cartão de visita e teve magnífica prestação no primeiro debate que alavancou a sua campanha.

Pontos Fracos - Cometeu erro crasso de comunicação no início da sua corrida, isto é, sendo o mais novo e mais desconhecido deveria ter construído uma história à sua volta e explicado bem quem era para evitar nebulosas em seu redor; e o fundo, que depois diz ser apenas um acordo e depois diz que se 50 milhões não chegarem haverá mais, continua a levantar dúvidas. Hoje, a sua campanha vai mais a reboque e ficou marcada pela tentativa diária de se credibilizar depois do ataque da continuidade que lhe chamou vale e Azevedo.

E 3 notas pessoais: fiquei satisfeito pela integração do Movimento Sporting Sempre (que ajudei a divulgar) e que tem na lista o meu amigo Rui Morgado, grande sportinguista e que não pretende usar o clube para nada, apenas defendê-lo; entendo que os 3 reforços hoje anunciados: Rodriguez (Braga, bom defesa), mas Mateus (Nacional) e Sougou (Académica) não são jogadores para o Sporting; ontem Daniel Sampaio cometeu o erro de dizer que serão apresentadas «mais provas da credibilidade do fundo». Se fosse credível não precisavam de apresentar provas sr. psiquiatra.

Dias Ferreira

Pontos fortes - nome mediaticamente forte por quem os sportinguistas têm carinho, defende bem o clube. Conhece o Sporting de lés a lés e a máquina do futebol português.

Pontos fracos - daria um excelente provedor dos sócios, mas não um bom Presidente. E o seu maior erro estratégico a apresentação de paulo Futre que agora se tem dado ao trabalho de esconder.

Nota pessoal - saudar o Paulo Rêgo e o Nuno Roby, dois excelentes jornalistas que o acompanham e tipos de boa aura positiva que gosto sempre de reencontrar e falar.

Godinho Lopes

Pontos fortes - tem a máquina do poder estabelecido com ele, tem a banca do seu lado e mais uma série de figuras, nomeadamente Manuel Fernandes, significativas para o universo leonino.

Pontos fracos - foi o pai do fosso e a imagem da continuidade dele já não sai. É um candidato em perda e neste momento em dificuldades. Construiu uma lista que é uma salada russa de egos e picaretas falantes. Tem não sei quantos ex-jogadores que integrará no clube só ainda não percebi aonde e quanto lhes vai pagar. E tem sido um candidato das campanhas negras e um produto/candidato que apenas debita o que a sua agência manda tornando-o pouco natural.

Nota pessoal - A Cunha Vaz tem feito bom trabalho apesar deste ser o candidato mais odiado no universo Sporting. Um abraço ao meu amigo Miguel Morgado que tem sido a sombra de Godinho Lopes.

Pedro Baltazar

Pontos fortes - A melhor equipa, as melhores ideias, a melhor mensagem - o slogan mudança credível contra a continuidade - e o único candidato dos 5 que verdadeiramente meteu dinheiro do seu bolso no clube. A aposta em Zico é a primeira desde o início da corrida. Mostrou um bom organigrama para o futebol onde o Presidente manda à imagem de João Rocha e onde o manager será José Couceiro e o responsável do scouting e formação será uma bomba. por último, o seu relacionamento com os grandes do futebol: amigo da família Moratti (Inter), protocolo com o seu amigo de longa data Sandro Rosell (Barcelona) e hoje de manhã, ainda ninguém sabe, vai estar com Florentino Perez (presidente do Real Madrid). Defende o ecletismo, não extinguirá nenhuma modalidade e a ideia da construção de uma pista de atletismo em Alcochete é boa. E a eliminação do fosso com a construção da bancada Vitor Damas foi de mestre.

pontos fracos - Não é um bom orador e o primeiro debate correu-lhe mal. Isso e o ter sido o último candidato a apresentar-se condicionou-o mas está a crescer.

Nota pessoal - Não posso falar muito sobre a candidatura de pedro Baltazar...

Por último duas notas: não confiem nas sondagens que vão sair pois serão condicionadas pela candidatura da continuidade e hoje há mais indecisos que há um mês atrás; e quem ganhar até à mesa 7 vai ser o próximo presidente do Sporting e os mais fortes entre os sócios mais antigos e que têm mais votos são godinho Lopes e pedro Baltazar.

quinta-feira, 17 de março de 2011

Um abraço ao Pedro Reis da Imago

Ontem vi o Pedro Reis na TVI 24 a apresentar o seu livro que reúne contributos e ideias de diversos decisores para ajudar Portugal.

Vi-o falar da diplomacia económica, algo que tenho a certeza ele seria um mestre pelo seu conhecimento do nosso tecido empresarial e pelas características únicas de sensibilidade, bom senso e cavalheirismo que tem.

Chegam-me notícias de que o Pedro está muito próximo de abandonar a posição que detém na Imago. Se assim for, como acho que vai ser, o mercado de Conselho em Comunicação perde um bom profissional e um bom homem que emprestou o seu talento e os seus conhecimentos a uma agência que com ele ganhou novo vigor.

Tenho pena de o perder enquanto colega, felizmente a amizade mútua seguirá por muitos anos.

Oráculo (240)

«O único ditador que eu aceito é a voz silenciosa da minha consciência»

Mahatma Gandhi

quarta-feira, 16 de março de 2011

Uma Associação para os profissionais do sector

Vai ser criada uma Comissão Instaladora para a constituição de uma associação para os profissionais do sector.

Sempre defendi a Ordem, muitos me têm dito que o mercado ainda não está em fase de maturidade para arrancar com uma Ordem mas sim dar os primeiros passos para uma associação que defenda os interesses e o reconhecimento profissional dos consultores de comunicação.

Não é uma associação contra ninguém, e esta será uma associação dos profissionais e não uma associação de empresas, neste capítulo como sabem existem várias e não há qualquer incompatibilidade com a existência das mesmas.

Vamos trabalhar para a criação do nosso estatuto, promover o nosso sector de Conselho em Comunicação pela positiva e de maneira construtiva. Todos serão bem vindos.

Fica aqui a nota sobre a comissão instaladora, quem a constitui, e outras pessoas naturalmente falarão.

terça-feira, 15 de março de 2011

Jabor e o filme sensação no Brasil

Impagável Arnaldo Jabor sobre o filme sensação no Brasil na actualidade, a vida de Bruna Surfistinha. Aqui no Estadão.

Nota de humor do dia

Hoje não tenho tempo para mais, só a partir das 21h, mas como é engraçado o bailado do mercado de Conselho em Comunicação.

Como são engraçados os silêncios e outras conversas. Continuo a dizer que a vida sem risco não faz sentido. Ganhar e perder, porque se está no tabuleiro.

segunda-feira, 14 de março de 2011

Oráculo (239)

«Nunca devemos julgar as pessoas que amamos. O amor que não é cego, não é amor»

Balzac

Novidades da Pure Ativism

Aqui pela Meios podem ficar a saber algo que já estava à espera. Ida às compras e saída da APECOM.

domingo, 13 de março de 2011

20 anos da Moda Lisboa

Não pude ir a esta edição de um evento pelo qual tenho grande simpatia. Nos 20 anos da Moda Lisboa para a história fica o melhor dos nossos criadores, os melhores manequins e os patrocinadores que se uniram e acreditaram neste certame.

Não compreendi e achei mal o tempo em que a Câmara de lisboa se desinteressou da organização levando-a para o concelho de Lisboa.

É importante que Lisboa aposte na moda que durante estes dias marca a agenda da imprensa internacional do sector e é um móbil para a promoção da nossa cidade. E que dure mais cem anos é o que desejo.

Descendemos de Bosquímanos

Duas páginas de El Pais sobre a origem da humanidade. Viemos do sul de África e descendemos de Bosquímanos. Espreite por aqui.

Manifestação à rasca

Foi um sucesso a organização desta manifestação que ontem marcou a agenda mediática. Um evento que mobilizou gente de todas as gerações em protesto pelo actual estado de coisas.

Ouvi na televisão uma pessoa ali presente comparar a manifestação com outras iguais no 25 de Abril. Mas isso é que não.

No 25 de Abril havia uma nova atmosfera, pessoas que se libertaram das grilhetas da ditadura e muita esperança. Alegria e esperança.

Ontem, não havia esperança. Havia depressão, uma contestação visível mas num clima de angústias e dúvidas.

A manifestação foi a face visível de um país deprimido e sem soluções. A grande diferença é que esta manifestação foi convocada por 4 pessoas e não pela CGTP.

sábado, 12 de março de 2011

Brincadeiras perigosas

O candidato ao Sporting, Bruno Carvalho diz hoje em entrevista ao Jogo, para atacar Godinho Lopes, que «Cunha Vaz devia candidatar-se». Classifico de brincadeira perigosa.

Nota de humor do dia

Finalmente, o mega craque, o "pinheiro" de 1.60m que dá pelo nome de Tales de Sousa foi finalmente convocado. Que grande descoberta do Costinha.

A estratégia de Godinho Lopes

O candidato à presidência do Sporting teceu uma estratégia de aranha para a sua campanha.

Objectivo: criar uma bipolarização artificial com o candidato que podia abater mais facilmente.

Hoje, abrimos os jornais e vemos uma bipolarização entre Godinho Lopes e Bruno Carvalho, logo o objectivo foi atingido. Mas também já sabemos/adivinhamos que as duríssimas acusações que Godinho Lopes proferiu contra Bruno Carvalho não vão cair em saco roto.

Quero dizer que ainda hoje os sócios do Sporting não sabem bem quem é o candidato sensação, não sabem o que faz nem que negócios tem. Auguro que da candidatura de Godinho Lopes se vão encarregar de nos informar. E de maneira bem dura também. Bruno carvalho também tem culpa na nebulosa que criou em seu redor.

O objectivo de Godinho Lopes, bem preparado em termos comunicacionais foi tentar isolar a sua luta com Bruno Carvalho para o poder em seguida destruir. Serão dias difíceis para o candidato que me agradou no início com algumas ideias mas que nunca nos contou a sua história.

Um guru da comunicação, Seth Godin, diz que «politics is nothing but stories». E meus amigos ninguém conhece a história de Bruno carvalho e uma campanha eleitoral para um grande clube tem todas as armas e estratégia de uma campanha política, quando ela é bem feita. Godinho Lopes está a jogar com isso.

Mas devemos continuar atentos a dois candidatos que vão crescer por força desta guerra dura entre a bipolarização artificial: Pedro Baltazar, com uma campanha de publicidade notável e ontem, como vemos nas duas páginas do Record, a trabalhar pela positiva a estabelecer laços protocolares com o Barcelona e o seu Presidente; e Dias Ferreira que continua forte no universo leonino, apesar de, no meu entender, ser um melhor provedor dos sócios do que um bom Presidente.

Faltam menos de duas semanas e ainda vai correr muita água debaixo da ponte. E ainda aguardo com muita expectativa sinais de João Rocha e de João Rocha jr que poderão ter um papel crucial nesta eleição.

Santana com movimento político (2) - Diferenças

Deixo esta nota da entrevista de Pedro Santana Lopes ao I que me parece interessante.

PSL ao defender até a presença do PCP no Governo num Governo de unidade nacional explica porquê: «O PCP é essencial por causa da questão da produtividade, das forças sindicais. O modelo para Portugal é o modelo da Autoeuropa minhas senhoras, não tenham dúvidas. Prémios, aumentos de salário indexados ao aumento e à melhoria da produtividade. Este é o caminho. A evolução dos custos unitários de trabalho, em comparação com a Alemanha, é como se a nossa moeda tivesse valorizado 30% nos últimos dez anos. Isso é insuportável, incomportável, aliado à dívida»

«Por isso, nesse ponto concordo com Pedro Passos Coelho. Extinção de empresas públicas, institutos públicos, privatizar, concessionar. Não em todas as áreas. No Serviço nacional de Saúde não. Na educação sim. Porquê? Tem a ver com os bens principais da vida. A saúde é um bem primeiro e eu aí não tolero que o Estado se demita, nem saia»

«Eu defendo a existência de um banco público (CGD). Também não defendo a extinção da RTP. Aí, temos diferenças»

Santana com movimento político

Na grande entrevista de fim-de-semana do I, Pedro Santana Lopes avança que já tem um novo movimento político em formação.

Não fala ainda de novo partido, mas de um movimento pela política. Relembra Sá Carneiro que nunca atacaria a política nem os políticos, porque aquela é uma arte a preservar.

E sublinha que o final do mandato de Cavaco Silva em Belém marcará o fim de um ciclo político.

sexta-feira, 11 de março de 2011

Facebook causa divórcios

No dia 25 de Janeiro dei nota aqui de uma notícia sobre os divórcios que estava a provocar o Facebook em Inglaterra.

Parece que nos Estados Unidos também a rede de Mark Zuckerberg provoca a mesma coisa. Pode ler por aqui.

Então não era na segunda-feira?

Na segunda-feira escrevi este post com o link do jornal Público. Era sobre um dia decisivo para Portugal e a falta de tranquilidade diária de notícias sobre a nossa situação financeira.

Então não é que leio, aqui, no mesmo jornal que hoje é que é o dia decisivo para Sócrates?

quinta-feira, 10 de março de 2011

Oráculo (238)

«Todas as grandes coisas são simples. E muitas podem ser expressas numa só palavra: liberdade; justiça; honra; dever; piedade; esperança»

Winston Churchill

quarta-feira, 9 de março de 2011

Cavaco esqueceu-se

Rezam as crónicas que Cavaco Silva foi muito duro no seu discurso de tomada de posse. Dividiu o país político e a esquerda não aplaudiu.

Cavaco fez diagnósticos mas esqueceu-se que foi conivente nos últimos cinco anos com o actual estado de coisas, refém de um tacticismo que tinha por objectivo reeleger-se.

Cavaco, hoje, teve a tentação de se vingar da campanha do BPN nas presidenciais e de agradar aos portugueses fartos de austeridade, gasolina cara e depressão imposta pela crise internacional.

Cavaco afirmou numa noite de Janeiro que seria o Presidente de todos os portugueses. Não foi, não é e ficou provado que não será.

Cão que ladra não morde. Cavaco ladrou muito alto e acordou consciências, mas campeão do valor da estabilidade não acredito que vá morder.

O que esperar de Cavaco

Cavaco Silva inicia hoje a segunda etapa enquanto Presidente da República. Tem neste momento um país como gosta. A olhar para ele e ainda com expectativas sobre a sua magistratura.

Os tempos são de crise, de valores e de economia, Cavaco manterá a sua pose esfíngica em Belém, mas deverá ser agora mais activo, pois será este segundo mandato que marcará como passará à história.

A sua política temporizada pelos silêncios e pela sua agenda que sempre resguardou não o deixam fugir muito da sua cartilha. «A estabilidade é algo inscrito no código genético de Cavaco Silva», como escrevia hoje o Público.

Os mais próximos do PSD e mais ávidos de poder esperam que seja de Belém o remate final em José Sócrates. O PS volta a namorá-lo no sentido de ganhar tempo para que o Primeiro-Ministro recomponha a sua acção.

Se Portugal precisa de estabilidade junto dos mercados, não esperem que seja Cavaco a provocar instabilidade. Cavaco ficou afectado pela campanha presidencial, pelo caso BPN, mas não esperem uma nova «má moeda» para derrubar Sócrates.

Os tempos serão de subtilezas, algo tão apreciado pela esfinge de Belém. Mas não deixará de haver reparos, que os media que agora estão a sentir a mudança de ciclo darão maior eco.

Cavaco vai influenciar, mais em bastidores do que ao vivo e a cores, esperando que o actual PSD se afirme definitivamente. Mas não esperem dele a bomba atómica. Pois enquanto Sampaio amava o seu partido, Cavaco sempre se deu mal com o dele e nunca gostou das «coisas partidárias», porque ele sempre se achou mais importante que o próprio partido.

Vão ser tempos difíceis, pressão externa sobre Portugal, cansaço interno dos portugueses. Cavaco será aquilo que foi ao longo da sua história política, neutro.

terça-feira, 8 de março de 2011

Oráculo (237)

«Chorei, sorri, fiz tudo o que o coração mandou»

Roberto Carlos, depois da homenagem que a Beija Flor lhe fez com o enredo deste ano

Sondagens para o Sporting: em qual acredito?

Hoje são publicadas duas sondagens sobre as eleições para a Presidência do Sporting Clube de Portugal. Esta e esta. Em qual devo acreditar? Ou não devo acreditar em nenhuma pois é muito difícil analisar o universo numa campanha eleitoral para um clube de futebol?

A nova cara da Newsweek

Aí está o trabalho de renovação e mudança de Tina Brown da Newsweek. Pode ver por aqui.

segunda-feira, 7 de março de 2011

Nuno Santos na informação da RTP

Já está confirmado, Nuno Santos no lugar de José Alberto Carvalho na RTP. Agora fica a SIC descalça na programação. Este bailado nas televisões está engraçado. Só falta José Eduardo Moniz em Carnaxide. Pode ler aqui.

Carnaval é no Brasil

Já tive a sorte de estar no Rio de Janeiro por alturas do Carnaval. Já tive a sorte de estar num camarote na Marquês de Sapucaí a ver um dos mais belos espectáculos do mundo que é o desfile das escolas de samba cariocas.

Em Portugal importam-se muitos costumes brasileiros. Um dos que importa mal é por essas terras fora se organizarem corsos carnavalescos de inspiração brasileira, com escolas de samba, baterias e mulheres descascadas.

Um dos espectáculos deprimentes do carnaval português é o que as televisões proporcionam ao mostrar resumos de vários desfiles com umas cavalheiras a tentarem requebrados sem jeito e umas gorduras mal escondidas que só nos fazem rir.

Por isso, se quiserem bom espectáculo vão ali à Globo Portugal, na ZON canal 80, que está com antena aberta para mostrar os desfiles das escolas de samba brasileiras e a beleza e criatividade do corso.

Sem tranquilidade

Assim é impossível. Todos os dias o país sofre um abalo com notícias sobre a sua realidade económica. Parece que esta semana é que é difícil pelo que se lê nesta notícia. E não foi também na semana passada e na outra?

Portugal vive um clima de depressão. Basta abrir jornais ou espreitar uma televisão. Não basta as medidas de austeridade e ainda temos que levar diariamente banhos de água fria com estas notícias.

domingo, 6 de março de 2011

Análise ao debate sobre o Sporting

Do debate realizado ontem na SIC-Notícias sobre o Sporting o que primeiro me apraz registar é que não gostei do modelo. Longos monólogos em televisão são cansativos e o ter lá colocado candidatos que se calhar nem chegam ao fim dificulta o debate que seria mais vivo se tivesse havido maior interactividade.

Nota muito negativa e algo inconcebível para algo que pudemos observar todos. Então Godinho Lopes leva um I-PAD para estúdio, durante todo o debate está a receber contributos e auxílios de como deve responder e a SIC consente?

E os outros candidatos não aproveitaram aquilo para de imediato o atacar com a falta de naturalidade das suas respostas, previamente formatadas? Estão a ver o que seria noutros debates, outros candidatos estarem a ser ao minuto ajudados pelo seu staff e apoiantes?

Vamos agora caso-a-caso por ordem alfabética.

Abrantes Mendes - Esteve bem. Mas qual é o sportinguista que não gosta de o ouvir falar? Memória das nossas vitórias e do nosso ecletismo, agarrou bem uma boa ideia de Pedro Baltazar do Sporting ter râguebi e ténis e outras modalidades ditas modernas. Ponderado, foi buscar bem a sua entrevista de 1999 onde diz que o projecto Roquette é «um fracasso total». O ex-presidente da assembleia-geral de Jorge Gonçalves é um bom e respeitável sportinguista, mas neste momento está fora da decisão.

Bruno Carvalho - Tenho dito desde o início que tenho tido simpatia pelas propostas e pela postura deste candidato. Falta-lhe traquejo, passado profissional e a notoriedade que foi o seu lapso comunicacional quando lançou a candidatura. Ontem, esteve bem. Se o debate fosse na rádio era um KO total pois tem excelente colocação de voz. Na televisão tem tiques dispensáveis e passa por arrogante quando parece saber mais do que todos os outros. Tentou o confronto com Godinho Lopes, mas ficou marcado quando esse num truque se enganou no seu nome. Vamos ver a reacção dos adeptos quando esta semana apresentar um fundo de investidores "russos".

Dias Ferreira - é o que tem mais traquejo em televisão, foi mais calmo do que é costume. Partiu com o trunfo frank Rijkaard mas baralhou-se várias vezes nas questões financeiras e perdeu a calma com Boal. Não sei se chegará ao fim. Várias vezes se disse candidato e depois integra outras listas. Não ponho em causa o seu sportinguismo mas eu não sou muito adepto de o ver na cadeira do leão.

Godinho Lopes - o mais trabalhado profissionalmente em termos de comunicação. Godinho Lopes não é aquilo que aparenta. Fala como se fosse o único que sabe os problemas do clube e isso é grave, pois significa que membros da sua lista não estão a disponibilizar - como foi dito - o que é solicitado aos candidatos que têm direito a conhecer o estado do clube. Godinho Lopes é o «pai do fosso», Agostinho Abade destruiu completamente a sua imagem em entrevista ao Record e Dias Ferreira e Boal descredibilizaram por completo a sua solução para o futebol. É o candidato que parte como favorito, mas ontem não esteve mal nem bem. Limitou-se a debitar o que lhe ensinaram (bem a agência que o trabalha) e que ficava bem ao ouvido dos sócios.

Pedro Baltazar - É o que tem a melhor lista, mais talento e "know-how" incorporado mas ontem foi uma desilusão. Logo o erro dos óculos no início, que depois tirou. Esteve bem na parte da financeira que tem na ponta da língua, mas faltou-lhe alma e paixão. Os clubes de futebol vivem-se com emoção, Baltazar foi demasiado técnico ontem e faltaram-lhe as setas que chegam ao coração do universo leonino. A sua ligeira gaguez pode ser ultrapassada, basta ver o "Discurso do Rei" para se perceber como um Rei gago foi tão importante pela sua solidez para o povo inglês atravessar e vencer uma guerra. Mas gostei de o ouvir dizer «ecletismo só com equipas ganhadoras» e que o futebol será da sua responsabilidade directa, é assim que tem de ser.

Zeferino Boal - Nem devia lá ter estado.

Estamos ainda no início desta campanha, mas noto que só dois candidatos têm listas apresentadas: Godinho Lopes e Pedro Baltazar. Quero ver quem terá o trunfo João Rocha. Já o disse, quem o tiver terá meio caminho andado para a vitória.

E no futuro tem de ser claro o caminho entre mudança, que só Pedro Baltazar e Bruno Carvalho representam, e continuidade, na cara de Godinho Lopes. O Sporting não está em momento de se excitar com promessas de milhões nem com páraquedistas salvadores da pátria. O Sporting precisa de gestão, de saber valorizar a Marca, de voltar a animar os sócios e de integrar o seu património vivo.

A escolha é entre o «pai do fosso», não só do fosso do estádio mas do fosso que alguns geraram contra a maioria do universo leonino que é um clube popular, pois se assim não fosse nunca seria grande e universal; e a mudança credível e sem loucuras. mantenho que a junção de candidaturas entre Pedro Baltazar e Bruno Carvalho seria interessante neste momento.

E deixo uma reflexão para meditarem: nunca vi João Vale e Azevedo perder um debate.

Sondagem perigosa em França

Fui espreitar esta sondagem do Le Parisien para as presidenciais francesas, e Marine Le Pen está à frente de Sarkozy e Martine Aubry. Perigosos tempos.

sábado, 5 de março de 2011

O estado actual do PSD

O PSD quer tomar conta do Governo nos seus timings, mas se estiverem atentos, poderão ver que desde que Pedro Santana Lopes falou em Rui Rio, este tem vindo a desdobrar-se em presenças mediáticas e a aparecer muito mais no universo mediático.

Junte-se este post do Lpm e esta notícia do Público e temos o condimento para o que alertei há um mês que as coisas à direita iam animar bastante.

Portugal o país dos "ratings"

Hoje, a política afunilou na economia. Discutem-se "ratings" e pouca política, apenas o CDS continua a fazer o seu trabalho político.

Pois bem, a S&P diz que algumas empresas portuguesas são de nível «lixo». Lá vão agarrar nesta notícia.

sexta-feira, 4 de março de 2011

Oráculo (236)

«Se a única coisa que o homem terá certeza é a morte; a única certeza do brasileiro é o carnaval no próximo ano»

Graciliano Ramos

Sporting outra vez em último lugar

Apesar de haver eleições, ainda não ouvi claramente nenhum candidato falar da comunicação do Sporting nem dos seus suportes.

No caso do canal Sporting, mais uma vez chegamos em último lugar. O do Benfica, a emitir, dizem que deu lucro de 180 mil euros, e o Porto aposta no Porto Canal e segue outro modelo, como pode ler aqui.

Importam-se de perguntar aos candidatos ao Sporting, amanhã no debate da SIC-Notícias, sobre este tema? O sócio 6095 agradece.

E Star Wars em 3D também é bom

Vai ser já em 2012 que será exibido o I episódio da saga criada por George Lucas, se as audiências forem boas, todos os outros filmes terão versão em 3D, outra boa notícia para os cinéfilos, diz aqui o Estadão.

E se voltasse Blade Runner?

A Variety diz que é uma forte possibilidade com prequelas e sequelas do filme realizado por Ridley Scott, com Harrison Ford e Rutger Hauer. Uma grande notícia o ressurgimento de um filme de ficção científica que se tornou um clássico.

quinta-feira, 3 de março de 2011

Eu apoio Pedro Baltazar

Escrevo este texto enquanto sócio 6095 do Sporting Clube de Portugal e antes de serem conhecidas listas e nomes que serão apresentados pelo candidato Pedro Baltazar.

Entendo que o Sporting precisa de uma ruptura séria, geracional, de novos quadros que gostam do clube e que não estão ligados aos últimos anos.

Já elogiei o trabalho de comunicação que tem sido feito com Godinho Lopes, mas ontem li três entrevistas dele e não sei onde de onde vêm os 100 milhões de que fala nem como manterá a coesão naquela lista que é um autêntico saco de gatos, ou será que a inocência de Godinho Lopes não o fará compreender que Rogério Alves e outros à primeira bola na trave serão os primeiros críticos do treinador ou jogadores que não escolheram?

Godinho Lopes defende-se com Moniz Pereira, um nome que todos temos de estar eternamente agradecidos, e em Luís Duque. Godinho Lopes fala de um treinador «misto de Mourinho e Guardiola», mas foi Duque que com José Mourinho apalavrado se acorbadou perante uns jovens e uma senhora e não teve coragem de o contratar.

Godinho Lopes representa o baronato que aprisiona o Sporting há muitos anos. Ontem corria uma nova alcunha para ele: «o pai do fosso». E é verdade. Ele foi o pai de um estádio mal construído e que hoje é um fosso em linhas gerais.

Ontem li um excelente artigo de Alberto do Rosário no Record, sublinho o seguinte: ««Este baronato sempre que se aproximam eleições, movimenta-se, implacável e em todas as frentes, na defesa da excelência das listas de consenso, a bem da unidade - a sua - do clube. Ou seja, venha mais do mesmo. Nunca em qualquer empresa a geração de 60 anos fez qualquer mudança digna desse nome. Chegou a altura da geração dos 40 anos demonstrar o seu amor ao Sporting».

Eduardo Barroso na bola dava sinais de apoio a Pedro Baltazar dizendo, em linhas gerais, ele que não é especialista em banca, que qualquer presidente do Sporting obriga a banca a falar com ele. O Sporting precisa da banca, mas a banca precisa de um Sporting forte, de cara lavada e ambicioso.

Entendo que Pedro Baltazar tem condições de fazer a ruptura, foi hábil ao anunciar Zico (apesar de o treinador que eu escolheria seria Muricy Ramalho, mas Zico é sportinguista de berço e é um nome aglutinador e de nível mundial com exibições memoráveis da equipa que comandou o Fenerbace) e espero que continue hábil ao conseguir integrar a candidatura de Bruno Carvalho (de que tenho gostado mas a quem falta notoriedade e força na comunicação) e convidando João Rocha Jr para o apoiar.

E deixo uma dica: o candidato que apresentar o melhor Presidente do Sporting que eu conheci, João Rocha, numa comissão de honra vai ganhar as eleições.

Como não ficar doente numa viagem de avião

Já se sentiram indispostos ou ficaram doentes depois da viagem de avião que fizeram? Pois bem, o New York Times conta como alguns passageiros tentam evitar as doenças aqui.

O cinema e a política

De memória vêm-me à ideia diversos filmes sobre política. Muitas vezes não são só biografias, mas películas sobre aspectos diversos relacionados com esta nobre arte.

"All the kings men" (A Corrupção do Poder), de Robert Rossen, para mim é dos melhores filmes de sempre sobre esta temática com Broderick Crawford a dar inesquecível vida à ascensão e queda de um político, Willie Stark.

"Mr. Smith Goes to washington" (Peço a Palavra) de Frank Capra, com o discurso de 24 horas de James Stewart e a bondade e a inocência da política.

"O Último Hurrah", de John Ford, com Spencer Tracy, a última campanha de um político à antiga face a um jovem produto de televisão.

E acrescentaria a "Raínha", "Under Fire" (aqui como a comunicação mantém um morto a líderar uma revolução), "Z-A Orgia do poder", de Costa Gavras, entre outros.

Dei nota há dois dias da estreia na realização de Aaron Sorkin, criador de "West Wing", uma monumental obra televisiva sobre o poder na Casa Branca, e autor do guião de "A Rede Social", com um filme sobre John Edwards, o candidato democrata que abandonou a corrida presidencial por infidelidade.

O blog "Era uma vez na América", do Nuno Gouveia, agarrou nesta nota e acrescenta algo mais neste post que recomendo.

quarta-feira, 2 de março de 2011

Guerras no mercado

Quem leu este título julgou que vinha aí alguma coisa sobre questiúnculas do sector de Conselho em Comunicação. Desta vez não é, mas é sobre uma guerra noutro mercado.

Quando no nosso sector por vezes acontecem algumas guerras naturais, há quem surja a torcer o nariz a afirmações e posts de alguns protagonistas do nosso mercado dizendo que isso dá uma má imagem do sector e quebra a nossa imagem junto das empresas e de jornalistas.

Pois bem, tenho acompanhado o que se está a passar quanto aos números apresentados pela APCT sobre a venda de jornais económicos. E vejo dois excelentes contendores o meu amigo Pedro Santos Guerreiro e o António Costa a defenderem as suas damas e de maneira bem forte.

Os que criticam algumas trocas de palavras entre protagonistas do nosso sector o que diriam desta guerra? Que ofende leitores, que dá má imagem dos jornais junto de quem confia neles e nos seus anunciantes e patrocinadores?

Por vezes há excessos, é um facto. E por vezes há ataques no mínimo questionáveis de pessoas que já ninguém leva a sério e a que nem devemos responder por uma questão de respeito connosco próprios.

Mas as trocas de galhardetes devem ser encaradas com normalidade e como fruto de um jogo de mercado, mas reconheço que o mundo era perfeito se tudo fosse paz e amor. Felizmente ou infelizmente vivemos neste mundo. Deixo o texto do Pedro Santos Guerreiro sobre este assunto.

Uma saudação à Parceiros de Comunicação

Por acaso já sabia desta notícia, só aguardava a sua confirmação.

Dar os parabéns à Susana Monteiro e sua equipa por esta boa contratação pois o Miguel Albano é do melhor que temos na comunicação digital. Desejo felicidades.

A queda de John Galliano

Este post é sobre marcas e as caras que as representam. Na moda, há sempre mulheres ou homens conhecidos que dão a sua visibilidade às marcas. São modelos ou actores famosos.

Mas quem está à frente de uma casa de alta costura é o costureiro. É ele com as suas criações ou a sua personalidade dão o cunho definitivo a essa marca.

Em 1996, a Dior substitui o genial Gianfranco Ferré pelo também genial, excêntrico, às vezes bizarro John Galliano.

Sempre foi polémico, ao contrário, por exemplo, da classe sempre contida de Tom Ford. Galliano gosta de história mas também das luzes da ribalta, com uma vida de excessos já se adivinhava que um dia destes algo aconteceria.

As suas declarações a louvar Hitler só ajudaram a Dior a tomar a decisão de o substituir. Por isso, fica bem claro que quem dá nome a uma marca tem de ter coerência no seu próprio brand para assim estar em comunhão com a marca que representa e a sua comunicação. Aqui, o brand de Galliano deixou de estar em comunhão com a Dior.

Oráculo (235)

«Para ser insubstituível, tem de ser diferente»

Coco Chanel

terça-feira, 1 de março de 2011

A lista de Godinho Lopes e os outros candidatos

Godinho Lopes apresentou ontem a sua candidatura a Presidente do Sporting. Dou nota que até ontem geriu bem o espaço na comunicação social sem nunca ter aparecido e depois na TVI viu-se que teve media training.

Na televisão não disse nada. Não mostrou como vai arranjar os 100 milhões de que que o Sporting precisa, como disse, nem falou de treinadores nem jogadores, algo que em campanhas é usual.

Usou várias vezes a palavra "liderança", "ganhadora", pareceu duro, mas não sei se ele é assim. Tem dois trunfos fortíssimos: Luís Duque, que fica sempre no imaginário dos leões pelas vitórias no futebol, e Moniz Pereira a quem, como já escrevi, o clube e Portugal muito devem.

Godinho Lopes tem de tudo na lista que é uma verdadeira caldeirada. Mantém traços do passado, novos elementos, o espião de Sócrates junto da Presidência da República no caso do fax publicado pelo DN (ainda ninguém chamou a atenção para este facto) e mais desconhecidos.

O candidato fala de liderança, mas alguém quer apostar comigo que depois de mais uma bola na trave ele não conseguirá segurar alguns da sua lista que não ficarão calados a criticar o treinador que não escolheram e os jogadores que não gostam?

Acham que Rogério Alves quando vir um microfone à frente se cala? Acham que outros não virão para as redes sociais carpir as suas mágoas e de pronto sairem de fininho na primeira altura em que algo corra mal?

Esse é o problema da candidatura de Godinho Lopes que no entanto parte muito à frente da sua concorrência, tem de se dizer por esta altura. Tenho gostado da actuação de Bruno Carvalho, mas é o que menos notoriedade tem e o que mais necessita de comunicação.

Acho que Zeferino Boal não chegará ao fim, Dias Ferreira e Abrantes Mendes representam muito coração e pouca razão, e aguardo Pedro Baltazar e João Rocha Jr.

Para quem gosta de séries as novidades da HBO

Para quem gosta de séries como eu e não acha que é perder tempo vê-las e que sabe que têm vindo da televisão as grandes histórias da actualidade, aqui ficam as novidades da HBO, um dos canais mais inovadores da televisão americana.

Com o seu selo já saíram Sopranos, The Wire, Roma ou Deadwood, todas fantásticas. E ainda continuam em exibição True Blood e a que me suscita enorme expectativa e ainda não passou por cá Boardwalk Empire, produzida por Martin Scorses e que realizou o seu primeiro episódio.

Pois bem, virá Mildred Pierce, com Kate Winslet e Guy Pearce, baseada no filme que deu Óscar à grande Joan Crawford, lá pelos anos 50; telefilmes de Curtis Hanson, que fez o L.A. Confidential e se chamará Too big too fail, baseado na crise financeira americana; Tommy Lee Jones dirigirá um filme com ele e Samuel L. jackson baseado numa obra de Cormac McCarthy; Treme, de david Simon, criador de The Wire.

E para 2012 estão já anunciadas Luck, de David Milch, criador de Deadwood e Balada de Nova Iorque, que terá Michael Mann a realizar o episódio-piloto, e que se passará em hipódromos e em torno de apostas de corridas de cavalos; e o regresso de Aaron Sorkin, o criador de West Wing e vencedor do Óscar de argumento deste ano com a Rede Social, que se passará na televisão.

Fora a HBO, deixo também a novidade que o mesmo Aaron Sorkin se estreará na realização com um filme sobre john Edwards o político que foi candidato democrata à Casa Branca e que abandonou a corrida por infidelidade conjugal. Isto promete.

«O melhor de todos nós»

Esta frase é Nicolas Sarkozy referindo-se a Alain Juppé, que escolheu para Ministro dos Negócios Estrangeiros substituindo Michélle Alliot-Marie.

Registo esta frase pela importância da Justiça. É que Juppé foi investigado e teve processo que o atacou fortemente na sua honorabilidade, mas a Justiça agiu depressa e vê agora reabilitado o seu nome, ele que é um dos mais brilhantes políticos franceses.

Em Portugal faz-se política com a justiça, arrastam-se processos por tempo indefinido manchando a reputação de várias pessoas. A justiça deve ser célere e, sobretudo, justa.

Há gestos que fazem bom marketing

É o caso deste gesto da nossa Nelly Furtado. É que a revolução líbia é «uma força que ninguém pode parar».