terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Matador

Desde Tudo sobre a minha Mãe, depois passando por Fala com Ela, A Má Educação, Volver e Abraços Desfeitos, Almodôvar atingiu um grau superlativo na sua arte de que dificilmente baixará a bitola.
Mas na sua fase inicial tem muitos filmes interessantes também, já os vi todos pois considero um realizador e argumentista genial.
Em Portugal só dois filmes ainda não estavam editados em DVD: Tacones lejanos (só o tenho em VHS), que tem uma fantástica banda sonora, e Matador, um dos meus preferidos desta fase.
O último que agora já por cá anda é uma grande prensa de Natal. O toureiro que deixa de exercer a sua profissão e que agora só a ensina, por causa de uma colhida. Assumpta Serna a advogada "matadora", Banderas e todos os outros constroem um filme poderoso e que todos os aficionados deviam ver.
Almodovar, um enorme cinéfilo, recorda numa cena num cinema a paixão até á morte doutro dos meus filmes preferidos: Duelo ao Sol, de King Vidor. E que une os dois protagonistas de Matador.
Deixo três frases. «As miudas devem ser tratadas como os touros: enfrentá-las e encurralá-las sem se darem conta».
«É normal ter medo. Às vezes é o medo que dá coragem»
E o melhor ensinamento e regra de ouro da tauromaquia: «Lembra-te que na altura de matar não podemos hesitar»

Sem comentários:

Publicar um comentário