sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

O Congresso do PSD

A política portuguesa já teve o seu epicentro em congressos do PSD. Também, noutros tempos, as audiências televisivas eram boas. Desde Sá Carneiro, o partido tem uma vertente trágica, de dramas, de maquinações, de personagens marcadas, que acentuam o seu lado espectacular e de entretenimento.

Mas este vai ser um congresso vazio de emoção. Terá uma série de discursos tecnocratas, será importante na revitalização de Pedro Passos Coelho enquanto líder do PSD. Vão ouvir-se milhares de minutos com os bons indicadores económicos, mas também que é necessário criar mais esperança nas pessoas.

Este é um congresso sem vocação dramática. Servirá apenas para marcar ponto, não terá história como outros tiveram.

Sem comentários:

Publicar um comentário