quarta-feira, 8 de outubro de 2014

O "grande" Zeinal Bava foi corrido da presidência da Oi

Não gosto de eufemismos que servem para enganar as pessoas. Zeinal Bava foi mesmo corrido da presidência da Oi, não foi ele que deixou a presidência. Os brasileiros não são os portugueses.

«A imprensa brasileira refere que a renúncia terá acontecido devido ao "desconforto" causado pela operação da PT com títulos da dívida da Rioforte, holding do grupo Espírito Santo, que deixou um 'buraco' de 847 milhões de euros na telefónica portuguesa .
 De acordo com o diário brasileiro "Valor Econômico", alguns acionistas brasileiros da Oi, nomeadamente as empresas Andrade Gutierrez e o grupo La Fonte, não acreditavam que Zeinal Bava desconhecia a operação, como o próprio afirma», tiro esta citação do Expresso on-line de hoje.

Há dois dias, aqui escrevi sem tabus, ao contrário da imprensa que o venerou, sobre o "grande" Zeinal Bava. Ontem e hoje já li notícias e editoriais a questionarem o que se passou na PT. Os mesmos que o promoveram, lhe atribuíram prémios de gestor do ano e criaram o mito do mago da gestão, agora já se esqueceram e não têm pudor em o atacar.

O desmantelamento da PT é um dos maiores escândalos da economia portuguesa. Mas o "grande" Zeinal vai continuar a ir ao Papa Açorda e a outros restaurantes caros e da moda sem qualquer pingo de vergonha e depois de ter morto a maior empresa portuguesa. No Brasil despacharam-no. Portugal continua a alimentar estas criaturas e até lhes dão condecorações no 10 de Junho.

Sem comentários:

Publicar um comentário