quarta-feira, 5 de maio de 2010

...e eu respondo a João Tocha

Caro João Tocha, tenho todo o gosto em falar consigo quando quiser, aliás, ainda há pouco tempo, durante um almoço no Ritz, um amigo comum, o LP, falava nessa possibilidade e da minha parte mostrei disponibilidade. Vamos a contas...

1.Levo 15 anos de comunicação e também não tenho o prazer de conhecer o Senhor. Sempre me foi elogiado o seu profissionalismo e nada me move contra si. Não sei se reparou, mas neste blog já fiz duas menções honrosas ao SEU trabalho.

2.Vejo que temos duas coisas em comum: eu tenho muitos defeitos, mas não sou mentiroso; e outra característica é que não sou invejoso. Acho que é bom. Não sei se lê o meu blog (parece que sim), mas vá, sff, espreitar em Dezembro e vê que desejo sucesso a TODAS as agências de comunicação.

3.A minha postura no mercado, com uma excepção muito justificada, é a de bom relacionamento com todos os players. Tenho a minha agenda própria e é natural que por vezes algumas pessoas não gostem, mas sigo o meu caminho trabalhando honestamente, com algum talento e com muita TRANSPARÊNCIA, odeio métodos pouco ortodoxos e regras do jogo que só favorecem uns.

4.Quanto à minha energia não se preocupe. Há uma pessoa de que o Senhor falou numa entrevista – que não o conhece de lado nenhum – que dizia umas vezes: «o Calafate adora o cheiro da pólvora». Logo, há certas coisas que me dão imensa energia. Lutar contra a falta de transparência é uma delas.

5.Gostei muito da sua resposta, mas confesso que continuo sem a perceber. Foi por causa dos seus accionistas? É que não os revelou.
6.Peço-lhe o seguinte: diga aos seus amigos que não me enviem mensagens com ameaças (?). A si tenho a certeza que nunca belisquei o seu profissionalismo, logo, não me incomodem que só me fazem rir. Isto do Governo não gostar dos meus posts estou-me marimbando.

7.Estou atento. Sobretudo aos meus clientes e a algumas acções sobre pessoas amigas.

8.Para terminar, agora que me falta uma semana para passar do fim da juventude para a entrada na velhice, sabendo que é mais velho que eu, e dizem-me que bastante tímido, dou-lhe um conselho: aprenda a rir-se de si próprio, não se leve tão a sério. Vai-se descontrair muito mais e levar a vida com muito mais tranquilidade. Cumprimentos e, já agora...quem são os seus accionistas?

Sem comentários:

Publicar um comentário