quinta-feira, 8 de agosto de 2013

A ganância do dinheiro segundo Costa Gavras

Costa Gavras é um realizador que sempre adorei. É dos poucos que tem uma obra consistente sobre os mecanismos do poder nas suas variantes formas. Fez o prodigioso "Z- A orgia do poder" ou "Missing".

O seu último filme é sobre o dinheiro, chama-se "O Capital". Não o vi no cinema, só ontem em dvd. Abre quase de forma brutal com a ascensão de um novo presidente de um banco que cita o antecessor: «o dinheiro é um cão que não pede mimos, só quer que lhe atirem a bola cada vez mais longe para a poder ir buscar indefinidamente».

A reflexão de Costa Gavras é sobre como se domina e explora o mundo para satisfazer uma série de pessoas sem rosto que têm apenas um afrodisíaco: o dinheiro. E assim termina a falar para o espectador: «são crianças. Estão contentes até rebentar a próxima bolha».

Vemos a ganância que mata países, segurança social, pessoas. «Nós caçamos em matilha», diz um banqueiro. E sobre as agências de rating registo um diálogo: «tivemos de tomar em consideração as agências de rating»; «Estou-me nas tintas para esses mafiosos», responde o presidente do banco. 

O cinema poucas vezes faz exercícios notáveis sobre os mecanismos obscuros do poder. Costa Gavras consegue-o. E recomendo vivamente que o vejam.

Sem comentários:

Publicar um comentário