segunda-feira, 18 de abril de 2011

A purga estalinista, perdão, socratista

A varrer descaradamente as pessoas mais próximas de António José Seguro, que manteve o silêncio no último Congresso, Sócrates mantém o partido sob controlo no mais magnífico dos espíritos dos PC`s soviético, cubano ou chinês.

Há muito que Sócrates esqueceu o diálogo, o convívio livre de opiniões avulsas. Longe vão os tempos de Soares e Guterres, o PS tornou-se refém de um líder autoritário.

Galamba e Seguro afastados das posições que ocupavam no partido. Tinha de haver um disparate do PS para combater o disparate de Nobre.

Sem comentários:

Publicar um comentário