sábado, 8 de agosto de 2015

A saída de Jon Stewart do Daily Show e o seu legado

A pedido do Jornal de Negócios respondi a quatro perguntas sobre a saída do Jon Stewart do Daily Show, aqui as deixo:

1- O Jon Stewart criou um modelo que através do humor resumia e decifrava as notícias do momento, tendo assim também uma vertente jornalística. Este modelo poderá ser replicado pelo seu substitutos ou outros, ou é único?

1- Hoje, muito do jornalismo tem evoluído no caminho que ele lançou. Logo, o seu modelo poderá ser replicado. Porém, o seu carisma e a sua fortíssima marca pessoal levarão tempo a ser igualados por outros. Jon Stewart não era um jornalista, mas actuava sobre os conteúdos jornalísticos. Para ele o que contava era a verdade e o que era falso. Era honesto e por isso a Time o considerou o locutor noticioso em que os americanos mais confiavam.

2- De que forma o programa e o próprio Jon Stewart alteraram o panorama dos media e da política?

2- JS e o Daily Show tornaram a cultura democrática mais mediática e ao alcance de todos e de todos os públicos. As notícias passaram a ser entretenimento e a política teve de se adaptar a este novo ângulo de abordagem noticiosa. Depois, o seu programa chegava a uma audiência/eleitorado jovem que habitualmente não liga a questões políticas. Por isso os políticos também viram ali uma oportunidade de se aproximarem de uma faixa que se alheava da sua mensagem. Os políticos deixaram o seu pedestal e tiveram que vestir umas vestes mais "cool" para saírem bem do seu programa. Assim o Daily Show desmistificou e desarmou a couraça de quem se levava a sério de mais

3- Ao longo dos anos Jon Stewart foi também ganhando uma força de influência política. Porquê? Como se pode explicar esta situação?

3- a sua influência veio pelas audiências e pela credibilidade que granjeou nestes 16 anos de programa. Não alinhava com a mentira e não tinha medo de enfrentar os poderosos. A sorrir e a fazer rir vestiu causas e tornou-as acessíveis a todos. A linguagem do humor inteligente é poderosamente eficaz e navegou pelo entretenimento mudando o estilo de jornalismo. Era honesto e independente e isso robusteceu a sua marca pessoal. Esse é o seu maior legado e influência que deixa

4- Influenciou, de alguma maneira, a política interna norte-americana? Nomeadamente a transição Bush/Obama?

4- É sabido que JS, sem tomar partido, era mais simpático para os Democratas do que para os Republicanos. Atacou Cheney, Rumsfeld e W. Bush na mentira da guerra do Iraque, mas também atacou as insuficiências do Obamacare. Foi um centro de independência sem se misturar com as querelas internas da política americana. Mas a sua capacidade de entrar na linguagem dos mais jovens foi essencial para o triunfo da linguagem de proximidade da geração Obama. Ao fim de 16 anos são muitos no mundo que gostariam de fazer um decreto - como Obama lhe disse a brincar na ultima entrevista - a proibir a saída de Jon Stewart do Daily Show. Para já o jornalismo, o debate e a comunicação política ficarão mais pobres nos próximos tempos. Mas "the show must go on"

Sem comentários:

Publicar um comentário