domingo, 16 de setembro de 2012

Dois casos onde a culpa morre solteira em Portugal

1- A Câmara de Lisboa decidiu mexer uma vez mais na rotunda do Marquês de Pombal. Cerimónia de apresentação com pompa e circunstância. Até que um senhor mais idoso, apenas com a 4a classe como referiu com orgulho para as câmaras de televisão, a olho, viu qu faltavam as sarjetas na obra e, portanto, bastava uma chuva para haver inundação.
Tanta inteligência e não viram o óbvio. Resultado: voltaram a fazer obras porque se tinham esquecido mesmo. Pergunta: quem foram os responsáveis? Quem tem a culpa? Quem paga?

2- Vitor Constâncio vai supervisionar os bancos nacionais a partir do Banco Central Europeu. Um Governador do Banco de Portugal que foi colaboracionista com a farsa do défice, que sob os seus olhos deixou passar as fraudes e corrupção no BPN e BPP vê a sua incompetência recompensada com altos cargos internacionais. Em Portugal, os culpados em vez de castigados são recompensados.

Sem comentários:

Publicar um comentário