terça-feira, 15 de maio de 2012

As "ditas" eleições antecipadas no Sporting

Não sei se vai haver eleições antecipadas ou não. O site do clube deu-se ao trabalho de desmentir uma série de notícias hoje publicadas, mas eu não conheço o fundamento delas, apenas sei que a direcção convocou uma reunião para quinta-feira e há final de Taça que é um dia de festa para os sportinguistas.

Entendo que os mandatos são para cumprir até ao fim, sempre assim o escrevi, e só em caso de falta de quórum ou por erros graves á vista de todos se devem pedir eleições antecipadas, como aconteceu com José Eduardo Bettencourt, um dos piores presidentes do Sporting com uma liderança caricata e resultados desportivos abaixo do medíocre.

Na actualidade, durante este ano e pouco de mandato de Godinho Lopes, não me lembro de qualquer ex-candidato ou personalidade leonina com peso mediático ter pedido eleições antecipadas. Então por que é que se fala nisto? Por culpa única e exclusiva de Godinho Lopes e parece que as pessoas têm memória curta. Só vou falar de factos e não de suposições:

1- O pontapé de saída no assunto eleições antecipadas foi dado pelo presidente na sua entrevista ao Expresso, em final do ano passado. Aí, com algum excesso de confiança, motivado pela recuperação que a equipa comandada por Domingos Paciência vinha fazendo, disse que com investidores que já estava a procurar, mas ainda não encontrou pelo que sabemos, nem precisaria de fazer campanha eleitoral com novas eleições.

2- Cito (com a devida vénia à Cortina Verde, que republicou): «Se não estivéssemos a atravessar este momento desportivo e institucional teria provocado eleições». Quem disse isto? Godinho Lopes, em entrevista ao Record no dia 21 de Abril (o site do clube não desmentiu, por isso é verdadeiro).

3- Desde o caso Paulo Pereira Cristóvão que saltaram à vista dos sócios todas as querelas internas e desunião no seio da própria direcção. Colegas que colocaram notícias nos jornais para enterrar outros colegas, clivagens pessoais, politiquices e sociedades secretas. Elementos da direcção que já não estão (Duarte Galhardas e Daisy Ulrich) e elementos da direcção que neste momento nem vão ao clube e deveriam ir. Um saco de gatos como se disse por alturas das eleições, quando se criticava o elenco da lista do actual presidente e, neste momento, o tempo provou que essas críticas eram verdadeiras.

Então deixo a questão: se há esta desunião visível no seio da direcção, quem fez esta equipa? Um líder escolhe a sua equipa, é responsável por ela, mas hoje dou por certo que Godinho Lopes não conhecia a maior parte dos elementos da sua lista quando a constituiu. Se não foi ele que a escolheu, então temos de saber quais foram os interesses que se moveram para determinados nomes constarem neste elenco directivo.

Se houver eleições antecipadas, amanhã ou daqui a um ano, e acho mal que assim seja, sublinhe-se, pois eleições no Sporting enfraqueceriam o clube, voltaria o folclore do costume e mais um «ano zero», tenho a certeza que Godinho Lopes teria na sua equipa Aureliano, Nobre Guedes, Ricardo Tomás e Rui Paulo Figueiredo (abutres e maçons, estranhamente ficavam), e o resto sairia.

É tempo de alguma paz no clube. Estou um bocadinho cansado destes folhetins e neste caso é a direcção que tem dado gás a tais "ditas" eleições antecipadas. Os sócios, como sempre, corresponderam em massa ao apelo no apoio total das nossas equipas de leão ao peito. Uniram-se, bateram recordes de assistência no futebol, mas não deixaram de estar atentos á gestão do clube. É tempo de se trabalhar e se prepararem vitórias e não de clivagens e guerras internas, a que os sócios são alheios.

Sem comentários:

Publicar um comentário