quarta-feira, 7 de julho de 2010

A mudança da GCI

Vi anunciada na Meios e Publicidade a mudança da GCI. José Manuel Costa tem procurado, e tem todo o direito a isso, caminhos novos, como pode ler aqui, para a agência que fundou.

Ancorado em Richard Edelman e no exemplo de Barack Obama, aposta no Public Engagement em detrimento das Media Relations. É uma mistura interessante, no campo do léxico, de Public Affairs e Social Engagement.

Com esta vertente, J. M. Costa pretende colocar a sua agência no fluxo dos movimentos da sociedade, algo que os americanos começaram a trabalhar há décadas mas apelidado de «Grass Roots». São sempre bem vindas as inovações.

Por seu lado, o António Marques Mendes, comentando este movimento da GCI fala com conhecimento de causa, de que nada de novo surgiu no campo da comunicação nos últimos tempos. Surgiram os «social media», mas as agências adaptaram o seu modelo de trabalho a eles.

Meus amigos, não tem havido inovações porque não tem havido mudanças. Os clientes de Conselho em Comunicação querem espaço, notícias, que lhes garantam notoriedade e melhor reputação.

A notícia e a produção de conteúdos são o campo do nosso mercado. Podem vir mudanças de nome - por exemplo a LPM começou a chamar-se Marketing Corporativo - mas o nosso dia a dia é a assessoria mediática e o aconselhamento estratégico de comunicação.

Sem resultados dos nossos clientes nos media, eles fogem. A inovação e mudança da GCI é de saudar, até porque J. M. Costa esclarece que a GCI não vai deixar de fazer «Media Relations«.

Sem comentários:

Publicar um comentário